Apelo dos escravos da ENP

Em comunicado, os trabalhadores da ENP – Empresa Nacional de Pontes (há 5 anos e meio sem salários), fazem mais um apelo ao Presidente João Lourenço para que resolva o seu longo martírio, e dizem mesmo que existe escravatura na empresa: «A Empresa Nacional de Pontes é uma empresa pública criada pelo Estado Angolano em 1977, e que tem como objecto social, a construção e reconstrução de pontes rodoviárias, ferroviárias e marítimas. Criada num contexto bastante conturbado caracterizado pela guerra civil que assolou o país a partir da proclamação da…

Leia mais

Apelo euro-africano contra a Covid-19

Vários líderes europeus e africanos, entre eles o primeiro-ministro português, António Costa, e o Presidente angolano, João Lourenço, assinam hoje no Financial Times um “Apelo à Acção” para combater em conjunto a pandemia da Covid-19 em África. Enquanto isso, o Presidente dos Estados Unidos da América (EUA), Donald Trump, anunciou que vai suspender a contribuição do país à Organização Mundial da Saúde. O apelo centra-se em quatro eixos fundamentais – aumentar a capacidade de resposta dos sistemas de saúde africanos, encaminhar um pacote significativo de estímulos económicos, responder ao pedido…

Leia mais

Do poder dos nababos
à morte dos escravos!

Os chefes de Estado do Equador, Alemanha, Singapura, Jordânia e Etiópia propuseram uma aliança global que consideram necessária para combater a pandemia da Covid-19, anunciou hoje o gabinete do Presidente equatoriano, Lenín Moreno. Hoje, em Angola, 68% da população é afectada pela pobreza, a taxa de mortalidade infantil é das mais altas do mundo, apenas 38% da população tem acesso a água potável e somente 44% dispõe de saneamento básico. “D evemos formar uma verdadeira aliança global para mobilizar o esforço humano e a solidariedade na luta contra o coronavírus”,…

Leia mais

Uma picada sem saída

O bispo católico da província angolana do Moxico, Jesus Tirso Blanco, manifestou-se preocupado com o aumento da prostituição, alcoolismo e consumo de drogas a nível da juventude local, referindo que a situação “tende a agudizar-se devido à crise”. É assim em todo o país. Quarenta e quatro anos depois da independência, o MPLA (o único partido que foi, é e será governo) só tem para lhes dar “fuba podre, peixe podre, panos ruins, cinquenta angolares e porrada se refilarem”. Segundo o bispo, citado hoje pela emissora católica angolana, a situação…

Leia mais

MPLA quer os 20 milhões de pobres a ajudar os pobres!

O Presidente angolano, João Lourenço, apelou, através da sua conta no Twitter, à contínua busca de apoios para os milhares de sinistrados da seca no sul do país. Consta que também o Presidente do MPLA e o Titular do Poder Executivo já manifestaram a sua concordância… Segundo o chefe de Estado, o momento crítico para o Sul de Angola avizinha-se (Julho, Agosto e Setembro), pelo que os milhões de angolanos devem continuar solidários, para salvar vidas naquelas comunidades. “Seja solidário, doe o que pode”, escreveu João Lourenço. Que se saiba,…

Leia mais

Doar sangue é dar vida

O secretário de Estado da Saúde para Área Hospitalar, Leonardo Inocêncio, admitiu esta sexta-feira que o país precisa de pelo menos 300.000 dadores voluntários por ano para acudirem à carência diária de sangue nos hospitais, face ao défice actual. Por sua vez, a administração do Instituto Nacional de Sangue (INS) de Angola afirma que a instituição tem cadastrados apenas 1.000 dadores voluntários e que 90% dos dadores que “apoiam os seus serviços são familiares dos pacientes”. Segundo o governante, que falava aos jornalistas, em Luanda, no final do acto oficial…

Leia mais

FLEC pede ajuda a Macron

A propósito da visita que o Presidente francês fará no final deste ano a Angola, a FLEC – Frente de Libertação do Estado de Cabinda dirigiu hoje a Emmanuel Macron uma carta em que fala da “situação política extremamente crítica que actualmente reina no território de Cabinda”. Eis o conteúdo dessa carta: «Desde 28 de Janeiro, as autoridades angolanas decretaram uma caça ao homem contra os jovens cabindenses que só queriam manifestar-se pacificamente no dia 1 de Fevereiro de 2019, data do aniversário do Tratado de Simulambuco, tratado que havia…

Leia mais

30.500 é mesmo abuso!

Mais de meia centena de angolanos manifestaram-se esta segunda-feira, em Luanda, contra o aumento superior a 900% nos emolumentos para emissão de passaporte, que passaram em Janeiro a custar 30.500 kwanzas (86 euros), exigindo a “revogação urgente” do medida. A denominada “manifestação pública contra a subida de emolumentos dos actos migratórios” decorreu no Largos das Heroínas, centro da capital angolana, sob o lema “30.500 é muito”, com os manifestantes a consideram o preço, face aos anteriores 3.000 kwanzas (8,40 euros), “uma ofensa à pobre condição social” dos angolanos. O aumento,…

Leia mais

O fiado português, mesmo sendo pouco, é bem-vindo

O Presidente de Angola, do MPLA e Titular do Poder Executivo, João Lourenço, afirmou hoje no Porto que pretende “continuar a contar com as linhas de crédito portuguesas para o financiamento do tão desejado crescimento e desenvolvimento económico e social” do seu país. Mas há alguma dúvida? É só pedir e… zás! Fiado concedido e depositado no BESA, perdão, no BNA. Como muito bem sabe o exonerador de marimbondos, existe em Portugal um largo consenso político e partidário (inclui PSD, PS, PCP e CDS) de que é um dever patriótico…

Leia mais

Pão da discórdia ou
a discórdia do pão?

Os industriais panificadores de Angola queixaram-se hoje da especulação em torno do preço do saco da farinha de trigo, comercializado oficialmente a 8.000 kwanzas (23,5 euros), e pediram a intervenção do Estado. Em declarações à agência Lusa, o presidente da Associação das Indústrias de Panificação e Pastelarias de Angola (AIPPA), Gilberto Simão, indicou que pelo interior do país o preço do saco de 50 quilogramas atingiu já os 12.000 kwanzas (35,30 euros), “especulações” que considera “desnecessárias”, pelo que pediu o apoio estatal às cooperativas do sector. “Isto é uma falsa…

Leia mais