FMI GARANTE QUE QUEM NÃO MORRER… VIVERÁ!

O director do departamento africano do Fundo Monetário Internacional (FMI), Abebe Aemro Selassie, disse hoje que a previsão de crescimento económico para Angola este ano foi revista em alta, de 2,4% para 3%, elogiando o governo pelas reformas. Com os mesmos dados, perto das eleições o crescimento “será” ainda maior. “Em Angola, prevemos um crescimento de 3% para este ano e cerca de 4% a médio prazo, mas mais do que o ponto de destino, o que estamos a ver é a tendência, o país está a sair de um…

Leia mais

DOS (CRIMINOSOS) ASSASSÍNIOS COLONIAIS AOS (HERÓICOS) ASSASSÍNIOS DO MPLA

«Os actos cruéis praticados contra muitos nacionalistas angolanos, antes de 1975, na cadeia de São Nicolau, hoje Bentiaba, província do Namibe, por lutarem por uma Angola livre do colonialismo, só podem ser comparados com as cenas de filmes de terror. Encarcerados, muitos eram retirados das celas, na calada da noite, para serem queimados vivos num forno feito de pedra», escreve o Jornal de Angola. Tal como o MPLA fez nas massacres de 27 de Maio de 1977, assassinando milhares de angolanos, escrevemos nós. «O relato dramático vivido por esses nacionalistas…

Leia mais

A nossa identidade

Uma das componentes da doutrina colonial, para além da ocupação militar, a pilhagem da terra e dos homens, o colonialismo tinha também a missão de “civilizar os indígenas” e transformá-los em gente “bem educada”, dócil, obediente e assimilada, capaz de comportar-se como o próprio colono, capaz de falar bem a língua do colono, vestir-se como o colono com a gravata como símbolo da “civilização ocidental”, comer com a ajuda de garfo e faca, abandonar os usos, costumes, língua tradições autóctones. Por Lukamba Gato Fomos todos, uns mais do que os…

Leia mais

Do colonialismo português ao colonialismo do… MPLA

O MPLA, partido que “só” está no poder em Angola desde 1975, assinala a passagem de mais um aniversário do ataque de nacionalistas às cadeias de Luanda defendendo aquilo que não fez durante quase 44 anos: “mais disciplina” e “controlo” nos gastos nacionais, luta contra a corrupção (o seu principal ADN) para acabar, é claro, com as “sequelas do colonialismo”. Por Orlando Castro A propósito do 4 de Fevereiro de 1961, data que o partido defende como o início da luta armada pela independência, o MPLA advoga que a libertação…

Leia mais

Escravatura portuguesa começou há 400 anos. A do MPLA começou há 44 anos!

O Governo angolano vai assinalar os 400 anos da chegada dos primeiros 20 escravos angolanos ao território norte-americano com um conjunto de actividades nacionais e internacionais comemorativas da efeméride, que vão ser preparadas por uma comissão interministerial. Tudo isto numa altura em que o país “comemora” a chegada da escravatura angolana ao reino do MPLA, em 1975. Segundo um despacho presidencial, datado de 9 de Agosto, esta celebração “encerra uma oportunidade singular para Angola projectar a sua imagem e divulgar a sua importância histórica no desenvolvimento dos Estados Unidos da…

Leia mais

Foi há 58 anos que a luta
de libertação começou

Actividades recreativas, culturais e desportivas, a par de uma manifestação de protesto contra o aumento dos preços dos documentos de identificação, marcam hoje o 58º aniversário do início da luta armada contra a administração colonial portuguesa em Angola. O acto central das comemorações, sob o lema “Honrar os Heróis, Preservando os Valores da Pátria”, decorre em Cabinda, liderado pelo ministro da Administração do Território e Reforma do Estado, Adão de Almeida, em que o foco passa por “resgatar a História” junto das novas gerações. A efeméride foi aproveitada por um…

Leia mais

Neocolonialismo religioso

O presente texto não visa causar polémica, apenas rememorar a verdadeira história de um local (Santuário da Muxima), cada vez mais emblemático catolicamente. Não foi sempre assim. Custou o pão que o diabo amassou a muitos dos nossos antepassados, por vezes, sob o olhar cúmplice de muitos padres, imbuídos de um nacionalismo extremista. Por William Tonet Os anos passam e o tempo trata de sarar muitas feridas, daí ser mister dizer-se a verdade, ainda que seja dura, pois ela e só ela liberta. Hoje, pegando nos instrumentos da Igreja Católica,…

Leia mais

Mudar de colonialistas
não é ser independente

Em Setembro de 2009, o então ministro da Educação de Angola, Burity da Silva, afirmou que “a construção da angolanidade deve ser edificada com a participação de todas as culturas existentes, sem critérios estereotipados de exclusão”. De boas intenções e promessas estão os angolanos cheios. Por Orlando Castro Prova dessa tese, segundo o regime, continua a ser a comemoração do Dia do Herói Nacional em homenagem, pois claro, a António Agostinho Neto. Mas é assim. Se o MPLA é Angola e Angola é o MPLA, herói nacional há só um,…

Leia mais

Do colonialismo português
ao colonialismo do… MPLA

O MPLA, partido que “só” está no poder em Angola desde 1975, assinalou hoje a passagem dos 56 anos do ataque de nacionalistas às cadeias de Luanda defendendo aquilo que não fez durante os últimos 41 anos: “mais disciplina” e “controlo” nos gastos nacionais para acabar com as “sequelas do colonialismo”. Por Orlando Castro Aliás, devem ser essas “sequelas do colonialismo” que fizeram com que o clã, “lato sensu”, de José Eduardo dos Santos (presidente nunca nominalmente eleito e há 37 anos no poder) represente quase 100% do Produto Interno…

Leia mais

A escravatura dos angolanos

O ministro da Defesa de Angola, João Lourenço, recusou no dia 17 de Setembro de 2015 as acusações sobre violação dos direitos humanos no país. Agora que parece ir maquilhar-se de Presidente da República (ou cabeça-de-lista do MPLA) o que pensará? Por Orlando Castro Na altura, João Lourenço recordou que os angolanos sentiram essas violações durante 500 anos de colonialismo português. Não precisava de ir tão longe. Bastava-lhe recordar o 27 de Maio de…1977. O governante discursava em Ondjiva, capital da província do Cunene, ao presidir ao acto solene das…

Leia mais