Do colonialismo português ao colonialismo do… MPLA

O MPLA, partido que “só” está no poder em Angola desde 1975, assinala a passagem de mais um aniversário do ataque de nacionalistas às cadeias de Luanda defendendo aquilo que não fez durante quase 44 anos: “mais disciplina” e “controlo” nos gastos nacionais, luta contra a corrupção (o seu principal ADN) para acabar, é claro, com as “sequelas do colonialismo”. Por Orlando Castro A propósito do 4 de Fevereiro de 1961, data que o partido defende como o início da luta armada pela independência, o MPLA advoga que a libertação…

Leia mais

4 de Fevereiro, 27 de Maio… e não só

4 de Fevereiro, 27 de Maio… e não só - Folha 8

Disse, diz e dirá o ex-ministro dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria… do MPLA, hoje governador do Huambo, Kundi Paihama, que a história de Angola é rica em exemplos e actos indeléveis de heroísmo e valentia protagonizados por milhares de patriotas angolanos, de Cabinda ao Cunene, e pelo sacrifício dos melhores filhos desta pátria. Por Orlando Castro S im, é o mesmo Kundi Paihama que disse, diz e dirá: “Durmo bem, como bem e o que restar no meu prato dou aos meus cães e não aos pobres”. E…

Leia mais