Dívida pública de 111% este ano, afirma a “raposa” FMI

O Fundo Monetário Internacional (FMI) reviu a previsão de evolução de dívida pública em Angola, estimando agora um rácio de 111% face ao Produto Interno Bruto, que deverá descer para cerca de 70% até final do programa de ajustamento, em 2024. Até mesmo a raposa que o Governo colocou dentro do galinheiro está a passar um atestado de incompetência à equipa de João Lourenço. “A dívida de Angola permanece sustentável, mas o rácio da dívida pública face ao Produto Interno Bruto aumentou substancialmente, e os já de si elevados riscos…

Leia mais

FMI mente e goza, à grande, com a fome dos angolanos

O representante do Fundo Monetário Internacional (FMI) em Angola, Marcos Rietti Souto, disse hoje que as reformas em curso no país “são do Governo angolano e não da instituição financeira”, defendendo que “apesar de difíceis”, estas trarão “resultados positivos”. Por outros palavras, como faziam os coloniais maus “chefes de posto”, a culpa do que eles mandavam fazer era sempre dos sipaios. “Reconhecemos que muitas dessas reformas, essas medidas, não são medidas fáceis, elas são para a economia e para a população, mas elas são reformas do Governo angolano, não são…

Leia mais

A raposa falou e disse…

O representante da raposa que o Governo colocou dentro do galinheiro angolano, e que se chama Fundo Monetário Internacional (FMI), Marcos Souto (chegado ao país em Agosto mas já se assumindo como o supra-sumo do terreiro), desvalorizou hoje em Luanda a diferença nas perspectivas de crescimento do país para 2020, de 1,2% para a organização financeira internacional e de 1,8% do Governo angolano, entre outras que são bem piores ou, melhor, mais realistas. Marcos Souto, que foi hoje apresentador do tema “Navegação pela Incerteza”, no acto de divulgação do Relatório…

Leia mais

Emprestar sem perguntar
para quê… a bem do MPLA!

A directora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI, Christine Lagarde, visita Angola de 20 a 22 de Dezembro, deslocação que poderá culminar as negociações em torno de um empréstimo de 4,5 mil milhões de dólares. E m comunicado, o Ministério das Finanças lembra que as negociações para o empréstimo (que corresponde a um valor de 3,8 mil milhões de euros), iniciadas formalmente a 1 de Agosto, são o pano de fundo da visita, uma vez que só poderão ficar concluídas depois de o Parlamento angolano cumprir a formalidade de aprovar o…

Leia mais

De besta a bestial

O Ministro angolano das Finanças, Archer Mangueira, diz que Angola vai discutir com o FMI um programa de financiamento ampliado no valor de 4,5 mil milhões de dólares, no quadro da assistência financeira solicitada pelo Executivo. E João Lourenço explica (para acalmar as “tropas”) aquilo que até agora ninguém sabia: que os programas do FMI “não são todos iguais”. E acrescenta que o pedido de financiamento angolano não tem a gravidade do português. Segundo Archer Mangueira, caso Angola chegue a um acordo com o FMI, este montante será disponibilizado em…

Leia mais

FMI concorda ser muleta
até entrar no galinheiro

O ministro das Finanças de Angola, Archer Mangueira, disse hoje que espera que as medidas aprovadas e o apoio técnico do Fundo Monetário Internacional (FMI) crie condições para captar recursos financeiros em condições mais favoráveis do que as oferecidas pelo Fundo. Em entrevista à Lusa em Washington, à margem dos Encontros da Primavera, que decorrem até domingo, Archer Mangueira, quando questionado sobre a razão de não recorrer ao financiamento do FMI e optar pelos mercados financeiros, explicou que isso se deve à convicção de que os mercados internacionais de capitais…

Leia mais

Raposa FMI volta a estar dentro do galinheiro

A primeira deslocação de uma delegação do Fundo Monetário Internacional (FMI) a Angola, no âmbito do pedido de assistência ao abrigo do Programa de Financiamento Ampliado (PFA), vai realizar-se em Maio, disse um porta-voz da instituição. “A s discussões estão numa fase muito inicial e vão continuar durante a visita da missão a Angola, em Maio”, disse um dos porta-vozes da instituição, Andrew Kanyegirire. A Lusa questionou o FMI sobre a duração, o montante e as condições do empréstimo financeiro e da ajuda técnica, mas a fonte escusou-se a adiantar…

Leia mais