Com peritos assim até o milho foge de Angola

O agrónomo Fernando Pacheco, conselheiro do Presidente da República de Angola, João Lourenço, disse hoje que, em termos nominais, o sector agrícola do país registou uma recessão de 2%, em 2018, “apesar do relativo aumento” da produção de alguns produtos. “T emos que concluir que, acompanhando a recessão económica do país, a agricultura também teve em termos nominais uma recessão de 2%, ou seja, a agricultura nesse período não cresceu, diminuiu, embora do ponto de vista físico se olharmos para os produtos há realmente aumento da produção física”, afirmou Fernando…

Leia mais

OGE “esquece” áreas sociais

A UNITA, o maior partido da oposição angolana, criticou hoje as baixas percentagens que a proposta do Orçamento Geral do Estado (OGE) de Angola para 2019 reserva para as áreas sociais, “muito abaixo” da média da SADC. Tudo normal, tudo como no tempo da outra “senhora”. Em declarações à agência Lusa, o porta-voz e também secretário para as Relações Exteriores da UNITA, Alcides Sakala, indicou que o seu partido ainda não recebeu o documento – que hoje foi entregue pelo Governo no Parlamento – na íntegra, e que por isso…

Leia mais

Défice zero em 2019

O Governo angolano estimou hoje que a dívida pública do país ronda os 70.000 milhões de dólares, garantindo que o Programa de Estabilização Macroeconómica “vai reduzir o peso da dívida”, prevendo já para 2019 um Orçamento sem défice. Boas contas. Nem sequer é um défice pequeno. É, pura e simplesmente, sem défice. A situação foi relatada hoje pela secretária de Estado para o Orçamento de Angola, Aia Eza da Silva (foto), quando procedia à apresentação do Quadro Macroeconómico 2019 e os Limites da Despesa para Elaboração do Orçamento Geral do…

Leia mais

Sonangol oié! Sonangol oié!

O Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê um “aumento significativo” da dívida pública angolana em 2015, especialmente através da petrolífera estatal Sonangol, esta com um peso equivalente a 14,7% do Produto Interno Bruto (PIB). A informação consta da análise regular realizada pelo FMI à economia e contas públicas angolanas, concluída a 28 de Outubro, hoje divulgada, na qual é estimada para este ano uma inflação de 14% (variação dos preços entre Janeiro e Dezembro), muito além do intervalo de 7 a 9% projectado pelo Governo para 2015. Desde o segundo semestre…

Leia mais

Défice, mais défice, mais défice

As contas públicas angolanas deverão apresentar um novo buraco em 2016, na previsão do Governo, elevando o défice acumulado em três anos para 2,4 biliões de kwanzas, o equivalente a 16,3 mil milhões de euros. O s indicadores, compilados pela agência Lusa, resultam da análise ao relatório de fundamentação do Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2016, um ano em que o Estado vai voltar a fazer com que os angolanos apertem o cinto da austeridade, devido à crise da cotação do petróleo, prevendo um défice nas contas públicas de…

Leia mais

Menos receita, mais défice

As receitais (oficiais) do Estado angolano acentuaram em Maio a quebra que se regista desde o início do ano, devido à crise da cotação do petróleo, reduzindo-se em cerca de 85 por cento, em termos homólogos. O relatório (oficial) de execução orçamental do Ministério das Finanças indica que as receitas totais angolanas, de capital e correntes, cifraram-se à volta dos 60 mil milhões de kwanzas (440 milhões de euros) em Maio. No mesmo mês de 2014 – antes da crise da cotação internacional do barril de crude – essas receitas…

Leia mais

E então? Mais impostos!

E então? Mais impostos! - Folha 8

O Governo liderado por José Eduardo dos Santos, ouvido o Presidente do MPLA (José Eduardo dos Santos) e o Presidente da República (José Eduardo dos Santos) vai criar uma “contribuição especial” sobre operações cambiais, como transferências privadas entre o território nacional e o estrangeiro. I sso mesmo prevê a proposta de revisão do Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2015. De acordo com o documento, este imposto, cujo valor não é especificado, está previsto na proposta de revisão do OGE que segue para aprovação (o Governo diz que é para…

Leia mais

Défice de 2,8% do PIB em 2014

Défice de 2,8% do PIB em 2014 - Folha 8

A quebra da cotação internacional do petróleo agravou o saldo das contas públicas angolanas de 2014, que registaram um défice de 2,8% do Produto Interno Bruto (PIB), muito acima dos 0,2% inicialmente previstos pelo executivo. A informação consta do relatório de fundamentação do Orçamento Geral do Estado (OGE) revisto para 2015, que surge precisamente face à quebra das receitas petrolíferas. O relatório refere que as contas de 2014 “foram amplamente influenciadas pela queda de produção e do preço do petróleo”, o que se reflectiu numa receita total no valor de…

Leia mais

Contas públicas com saldo negativo no segundo trimestre de 2014

Contas públicas com saldo negativo no segundo trimestre de 2014

As contas públicas angolanas apresentam um saldo negativo de 1,6 mil milhões de euros no segundo trimestre deste ano, segundo os dados do balanço de Execução do Orçamento Geral do Estado (OGE) naquele período, aprovado hoje pelo Parlamento. O balanço orçamental indica que a receita arrecadada entre Abril e Junho foi de 1,4 triliões de kwanzas (11,2 mil milhões de euros), correspondente a um aumento de 2% face ao trimestre anterior. Já as despesas executadas no período em referência ascenderam a 1,6 triliões de kwanzas (12,8 mil milhões de euros),…

Leia mais