PGR investiga burla da “empresa” Build Angola

Mais de mil angolanos denunciaram no dia 16 de Maio uma alegada “burla” da empresa brasileira “Build Angola”, em investimentos superiores a 240 milhões de dólares (203 milhões de euros), para a construção de residências, em que passados dez anos “nenhuma foi entregue”. A situação foi relatada nesse dia por um dos coordenadores da comissão de lesados, Hélio Silvestre, que atribuiu culpas à antiga Agência de Investimento Privado (ANIP) de Angola, pelo facto de “certificar uma empresa que não era idónea”, lamentando por isso o “silêncio das autoridades”. “Somos no…

Leia mais

Burla bilionária invisível

No dia 22 de Abril de 2017, o ministro da Geologia e Minas, Francisco Queiroz, inaugurou em Luanda a sede do Natrabank, o primeiro banco de recursos naturais de África, instituição implantada no Condomínio Jardim de Rosas, no bairro da Camama, gerido por um Conselho de Administração encabeçado por Celeste de Brito. A actuação do Natrabank fora planeada para implementar um sistema de troca de produtos manufacturados no estrangeiro em contrapartida de recursos naturais angolanos, bem como a venda destes meios autóctones nos mercados mundiais, com vista à obtenção de…

Leia mais

“Burla tailandesa” já está nas “mãos” do Supremo

O vice-procurador-geral da República de Angola disse hoje que já está em tribunal o processo de tentativa de burla ao Estado, no valor de 50.000 milhões de dólares (43.500 milhões de euros), envolvendo cidadãos tailandeses e angolanos. A informação foi avançada pelo vice-PGR angolano, Mota Liz, à margem do seminário sobre Ocupação Ilegal de Imóveis, destacando que o processo passou por uma fase em que alguns dos acusados requereram instrução contraditória e, no âmbito das leis do processo, o Tribunal Supremo assim procedeu, seguindo o processo a sua tramitação subsequente.…

Leia mais

Estratégia do MPLA para
pôr KO o general Nunda

Um total de 11 pessoas vão responder no Tribunal Supremo de Angola pela alegada tentativa de burla de 50.000 milhões de dólares ao Estado, entre outros crimes, anunciou aquele tribunal. O General Geraldo Sachipengo Nunda é a mais relevante personalidade envolvida. Parafraseando Marcolino Moco, Nunda terá “caído que nem um patinho” na armadilha e, dessa forma, prestado um incomensurável serviço ao MPLA que abominou sempre a escolha de um ex-general da UNITA para dirigir as FAA. Segundo informação do Tribunal Supremo, neste caso, conhecido como “Burla à Tailandesa”, existem “suspeitas…

Leia mais

Burla legitimada pela UTIP
“exonera” general Nunda

O Presidente da República terá já chamado o Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas Angolanas (FAA), general Geraldo Sachipengo Nunda, e – segundo fontes próximas do general – ter-lhe-á dito que, em função do mais recente escândalo financeiro com um falso fundo tailandês, em que está envolvido, seria exonerado. “O general Nunda informou o Presidente João Lourenço, a este propósito, que perante este caso (do qual se considera também vítima) era já sua intenção pedir a demissão, salvaguardando assim a imagem e a honra das FAA, bem como a…

Leia mais

Mega burla com fundo tailandês. E Norberto
Garcia não é… detido?

O Serviço de Investigação Criminal (SIC) de Angola anunciou hoje a detenção de seis estrangeiros e dois angolanos que, em 2017, anunciaram, em Luanda, um financiamento de 50 mil milhões de dólares (40,2 mil milhões de euros) para apoiar projectos. Pelo menos três oficiais de alta patente das Forças Armadas Angolanas (FAA) estão também envolvidos. A informação, hoje divulgada em conferência de imprensa, em Luanda, por aquele órgão do Ministério do Interior de Angola, avança que os cidadãos foram detidos por suspeita da prática dos crimes de falsificação de documentos,…

Leia mais

Um general(íssimo) PGR

Na recta final do seu mandato, o Procurador-Geral da República (PGR) de Angola, general João Maria de Sousa, continua a mostrar a razão pela qual foi escolhido para ser o PGR do MPLA. Ao mesmo tempo em que é acusado nos EUA, garante que não recebeu qualquer carta rogatória proveniente do Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa pedindo que o ex-vice-Presidente angolano Manuel Vicente seja constituído arguido. Em causa está a “Operação Fizz”, na qual Manuel Vicente é acusado de ter presumivelmente corrompido o procurador português Orlando Figueira para que…

Leia mais

Só o MPLA define o que poderá ser observado

Avisto Tchongolola Bota vai ser observador (isto é como quem diz) nas eleições gerais angolanas de quarta-feira, mas diz que a Comissão Nacional Eleitoral angolana (que, mais uma vez, mostra ser apenas uma sucursal do MPLA) colocou tanta burocracia e demorou tanto tempo a enviar-lhe a credenciação que apenas conseguirá fazê-lo no dia da votação. Natural de Benguela, Avisto Bota é activista e fundador do Movimento Revolucionário de Benguela (conhecidos como Revús). Há muito tempo que decidiu – integrado na organização não-governamental OMUNGA – que seria um dos observadores nacionais…

Leia mais

Empresa da primeira-dama acusada de burlar formandos

A propaganda enganosa é uma prática de muitas empresas e instituições em Angola, visando simplesmente o lucro, prejudicando incautos e inocentes cidadãos, que caiem na sua ladainha. É uma prática má, vergonhosamente, perniciosa! Por Sucuama Makiesse Aempresa LUNAAR – DT da “empresária VIP” e deputada da bancada parlamentar do MPLA, Ana Paula dos Santos, primeira-dama da República de Angola (esposa do presidente José Eduardo dos Santos) é acusada de burla por defraudação por parte de alguns dos formandos a assistentes de bordo, cursados em 2015 na sua escola, localizada no…

Leia mais

BESA no centro de todas as (i)legalidades

BESA no centro de todas as (i)legalidades - Folha 8

O reconhecimento de imparidades de 2,75 mil milhões de euros da exposição do BES ao BES Angola é responsável por mais de metade do valor de 4,9 mil milhões das necessidades de capital do Novo Banco. A lém das perdas relacionadas com o BES Angola, actualmente designado por Banco Económico, o crédito malparado gerou imparidades (falta de equivalência entre dois valores) de 1,2 mil milhões de euros e a redução de valor de activos imobiliários obrigou a reconhecer imparidades de 759 milhões de euros. Estes valores constam do comunicado emitido…

Leia mais