Quem nasce cravinho nunca chega a cravo

A Associação de Oficiais das Forças Armadas (AOFA) de Portugal considera que o ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, “está a abrir várias linhas de guerra” e classificou como “ofensivas” as afirmações do governante sobre ex-chefes militares. Cravinho é o velho e querido assalariado do MPLA que, em entrevista ao jornal português Expresso, três anos depois da morte de Jonas Savimbi, disse que o fundador da UNITA foi “um monstro” e um “Hitler africano”. Se lhe tivessem perguntado por Agostinho Neto, o genocida que mandou assassinar milhares e milhares de…

Leia mais

Legalizar que já era praticado

A Assembleia Nacional aprovou hoje, por unanimidade, a proposta de Lei sobre o envio de Contingentes Militares e Paramilitares Angolanos para o exterior do país, diploma legal que não existia até agora no ordenamento jurídico angolano, mas que nunca foi factor impeditivo da saída dos militares. A referida proposta de lei foi aprovada com 181 votos a favor do MPLA, UNITA, CASA-CE, PRS e FNLA. A UNITA (maior partido da oposição que o MPLA ainda permite que exista) justificou o seu voto favorável por entender que a lei serve para…

Leia mais

Formação no Sul, terrorismo no Norte

Os primeiros elementos do contingente português que vai ajudar na formação das forças militares moçambicanas partirão na primeira quinzena de Abril, confirmou o Ministério da Defesa de Portugal. E sendo assim, os terroristas têm tempo de sobra para continuarem a matar com toda a impunidade. O envio deste contingente de 60 militares portugueses, das forças especiais, é enquadrado pelo novo acordo-quadro de cooperação bilateral que está a ser ultimado pelos ministérios português e moçambicano, disse fonte da tutela. Em entrevista à Lusa divulgada no passado dia 17 de Fevereiro, o…

Leia mais

Generais reformados procuram comida no lixo

Oficiais generais e subalternos reformados das Forças Armadas de Angola pediram hoje a intervenção do Presidente da República, Presidente do MPLA e Titular do Poder Executivo, e ex-ministro da Defesa, general João Lourenço, para liquidar a dívida do Estado, avaliada em 130 mil milhões de kwanzas (162 mil milhões de euros), admitindo manifestarem-se “nus” até ao Palácio Presidencial. Os oficiais generais, superiores, capitães e subalternos reformados de Angola queixam-se de cortes nas suas pensões de reforma e nos subsídios de empregadas domésticas desde 2009, afirmando estar atirados à sua sorte…

Leia mais

Pousar a AK-47 e pegar na sachola

Em Setembro de 2019, o Ministério da Defesa de Angola e unidades adstritas à Casa de Segurança do Presidente da República divulgaram a abertura de concurso limitado para a compra de géneros alimentares, produtos de higiene e asseio pessoal de produção nacional, no quadro das aquisições relativas a 2020. Recorde-se que João Lourenço decretou que dois dos projectos de desenvolvimento agro-pecuário resgatados em Outubro de 2018 a cinco empresas detidas pelo Fundo Soberano, à data gerido pela Quantum Global, fossem entregues às Forças Armadas Angolanas (FAA). O concurso foi realizado…

Leia mais

Polícias e militares passarão o Natal nas ruas

A Polícia angolana anunciou que estão criadas todas as condições operacionais para a segurança da quadra festiva no país, garantindo que os mais de 110.000 efectivos da corporação em Angola estão mobilizados para esse fim. Não é caso para menos. Nunca se sabe se os 20 milhões de pobres vão sair à rua para fazer uma manifestação de… pais-natais. Segundo o director de Segurança Pública e Operações do Comando Geral da Polícia angolana, Orlando Bernardo, todos os recursos humanos e técnicos da corporação estão mobilizados para a garantia da tranquilidade…

Leia mais

Em África é assim. Golpe de Estado militar no Mali

Militares que tomaram o poder no Mali anunciam eleições dentro de “prazo razoável”. Três horas antes, o Presidente do Mali, Ibrahim Boubacar Keita, no poder desde 2013, anunciou a demissão e a de todo o Governo, numa declaração transmitida pela televisão maliana, após ter sido deposto por um golpe militar. “N ós, as forças patrióticas agrupadas no Comité Nacional para a Salvação do Povo (CNSP), decidimos assumir as nossas responsabilidades perante o povo e perante a história”, disse o porta-voz dos militares e vice-chefe de Estado-Maior da Força Aérea, coronel…

Leia mais

Militares no estrangeiro? Sim, sempre que o MPLA quiser

A Assembleia Nacional aprovou hoje, na generalidade, por unanimidade, a proposta de Lei sobre o Envio de Contingentes Militares e Paramilitares Angolanos para o Exterior do País, que responde aos reiterados convites para Angola participar em missões de paz. A proposta de lei, aprovada com 180 votos a favor, nenhum contra e sem abstenções, visa regular o quadro normativo que define os termos e condições para o envio de contingentes militares e paramilitares angolanos para o estrangeiro, em missões humanitárias, de manutenção e restabelecimento de paz ou de gestão de…

Leia mais

Cabinda, Luanda, Kinshasa

A defesa de três activistas políticos de Cabinda, detidos há oito dias, acusados de rebelião, ultraje ao Estado e associação criminosa, disse hoje que vai impugnar as medidas de coacção. Também hoje o Ministério do Interior de Angola condenou a morte de um agente angolano na República Democrática do Congo (RDCongo) pelas forças armadas do país, que considerou como uma “barbaridade”. O Governo da RDCongo denuncia regularmente a entrada de soldados angolanos no seu território, muitas vezes alegando estarem em perseguição de elementos da Frente de Libertação do Enclave de…

Leia mais

“Operação Laborinho”, êxito total

A Polícia do MPLA deteve, em Angola, 15.658 cidadãos, durante o estado de emergência devido à Covid-19, entre 27 de Março e 25 de Maio, e 918 pessoas na actual situação de calamidade pública, informou hoje o ministro do Interior, Eugénio Laborinho, sem referir eventuais números de chocolates e balas (rebuçados como dizem os brasileiros). Eugénio Laborinho apresentou os números quando discursava na cerimónia que marcou o 41º aniversário do Ministério do Interior, salientando que, no estado de emergência, foram empregues 87.759 efectivos das forças de defesa e segurança, entre…

Leia mais