Um Executivo não deve adorar a boçalidade

Oh meu pai, hoje, levantei-me e pensei em ti, porque o teu chão, a tua terra, já não dá mangas e frutos livres, como na outrora colonial, “Lundamente” falando… Os teus húmus geram fome, desemprego, miséria, pese a força e o brilho dos diamantes, lá paridos, mas, infelizmente, levados para outras pradarias, pelos que se apresentaram como libertadores, revolucionários e nacionalistas, em 1975, mas em 2021, sem pejo, muitos acreditam terem-se convertido em capatazes do Ocidente, ladrões e corruptos, que, “camaradamente”, assassinam o sonho legítimo dos cidadãos, quando reivindicando uma…

Leia mais

Do Dubai (via Cafunfo?) com… amor

O Presidente angolano, João Lourenço, considera que a preocupação com a estabilidade dos princípios basilares e a longevidade da Constituição não devem “eclipsar a permanente análise” daquela lei e a sua adaptação a novas realidades e contextos. Esta posição do chefe de Estado angolano, João Lourenço, foi expressa na mensagem que enviou ao presidente da Assembleia Nacional, Fernando da Piedade Dias dos Santos, quando submeteu a proposta de revisão pontual da Constituição da República, que hoje está em apreciação no Parlamento. O documento, lido pelo chefe da Casa Civil do…

Leia mais

Impor a política do terror

Os mercenários do MPLA estão, mais uma vez mas agora de forma mais letal, a municiar os falcões do partido para que eles se sintam legitimados a fazer o que, dizem, o Presidente do MPLA quer que se faça, se bem que resguardando a imagem internacional de João Lourenço (já bem manchada), sendo que a imagem interna já não tem cura. No dia 29 de Outubro de 2020, João Lourenço exortou (na abertura da IV sessão ordinária do Comité Central do seu grupo) os jovens a “não se deixarem manipular”…

Leia mais

Os quatro MPLA’s

No último editorial do William Tonet a imagem do MPLA que este descreve logo no início do seu texto e que passo a citar “A natureza perversa do “MPLA/vingativo, que assassinou o MPLA/ nacionalista e democrático de Viriato da Cruz, Mário Pinto de Andrade, Matias Miguéis e outros, autoritariamente imposta, em 1964, por Agostinho Neto e Lúcio Lara, a ferro, fogo e rios de sangue…” resume de um modo muito sucinto a história do partido. Mas eu, olhando de fora, tenho uma ideia talvez um pouco mais complexa do MPLA.…

Leia mais

É ousado comparar Lourenço a Abimeleque?

A situação em Angola é cada vez mais preocupante e nada indica haver interesse e capacidade da liderança para unir as lianas de descontentamento, impostas pela obsessiva e errónea estratégia de consolidação de poder, muito próxima da utilizada pelos imperadores romanos: César Augusto (nascido em 63 aC), que governou, absolutamente, por 45 anos, até à sua morte em 14dC através da força e temor, contra adversários e inimigos, seguiu-lhe as peugadas, Nero Cláudio César Augusto Germânico que comandou o império entre os anos 54 e 68, não se importando, num…

Leia mais

Entre o fecho e o… fim

O cidadão comum, até mesmo o político, hoje interroga-se sobre o paradeiro da CASA-CE, sobretudo por que é cada vez mais evidente estar a coligação com os dias contados. Caso se venha a verificar, como tudo indica ser inevitável, a desvinculação do secretário nacional da juventude (Nelson Miguel Francisco), por incompatibilidade com os líderes da maioria dos partidos da coligação, o óbito estará no horizonte. É mais uma ruptura a confirmar ter esta organização caboucos de barro, principalmente, depois da grande ruptura, que originou a saída de Abel Chivukuvuku. Hoje…

Leia mais

Sorriam. A corrupção “não é um problema africano”

O presidente do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), Akinwumi Adesina, defendeu em declarações à Lusa que a corrupção “não é um problema africano” e salientou que a apropriação de recursos do Estado por um indivíduo não é admissível. “A corrupção não é um problema africano, está em todo o lado onde há ganância, quando os indivíduos são gananciosos, fazem coisas más, e a questão é garantir que não o fazem com dinheiros do Estado”, respondeu Akinwumi Adesina, quando questionado sobre o impacto da divulgação do escândalo financeiro conhecido como Luanda…

Leia mais

Eduardo, João e o psicoterapeuta de ambos

Se alguma coisa há capaz de indignar e agastar – nos limites da dignidade do ser-humano – não será outra maior ou até outra coisa qualquer senão que a traição vil e a torpe deslealdade. Muito naturalmente a grandeza dessa indignação não deixará de ser proporcional à proximidade e intimidade entre os perpetradores e os traídos; bem como o próprio grau de intensidade da mesma; e por fim a quantidade – ainda que em doses homeopáticas – de eventos nesse exercício muito humano de trair e ser atraiçoado (num paralelismo…

Leia mais

Samakuva empurra a sua candidatura com a barriga

“Samakuva é candidato à presidência da UNITA” foi a manchete da edição de 23.07.2019 do Jornal de Angola, que mais uma vez suscitou críticas de milhares de angolanos e não só, que desde o final de 2017 esperam que o líder do maior partido político da oposição angolana cumpra com o que prometeu numa entrevista à Rádio France Internacional (RFi): “Perca ou ganhe, vou deixar a liderança da UNITA”. Por Pedrowski Teca “E stá desfeito o mistério. Isaías Samakuva vai mesmo recandidatar-se à liderança da UNITA, no XIII Congresso do…

Leia mais

Entreguismo, corrupção, incompetência & petróleo

A maioria dos políticos são vistos como canalhas, canalhas, canalhas, pelos malefícios, paradoxalmente, causados aos cidadãos, qual maioria ingenuamente cadastrada na estatística eleitoral, que leva ao poder, amiúde, os menos capazes, muitas vezes, os imbecis e piores preparados para a condução do(s) país(es). Por William Tonet A minoria, não acreditando na ladainha de um “país das maravilhas” condiciona o voto irracional, lançando “pranchas” à prudência, ao bom senso, levando o benefício da dúvida, atracando no porto do equilíbrio e da ética republicana, importante arco-íris da democracia. Para estes, nem toda…

Leia mais