Por usucapião, o MPLA é dono de Angola

Abel Chivukuvuku reiterou hoje a luta jurídica para legalizar o seu projecto político PRA-JA Servir Angola, ao mesmo tempo que vai estruturando a alternativa de participação na vida política, que “já está amadurecida”. Mais do que ninguém, até porque já o sentiu no corpo, ele sabe que nunca a força da razão nunca derrotará a razão da força do MPLA. Mas… O anúncio de Abel Chivukuvuku ocorreu numa reunião alargada da ‘task force’ que fez o balanço do ano político do projecto Partido do Renascimento Angola-Juntos por Angola (PRA-JA)- Servir…

Leia mais

Abel teve com ele a sua gente

Abel Chivukuvuku convocou para hoje uma manifestação para defender a legalização do PRA-JA Servir Angola e protestar contra o chumbo do Tribunal Constitucional ao seu partido. Milhares de angolanos saíram à rua numa manifestação de solidariedade que, pela primeira vez, foi transversal a toda a sociedade, juntando jovens, políticos de vários quadrantes (incluindo da UNITA e dirigentes do Bloco Democrático) e povo anónimo. Ontem, Abel Chivukuvuku revelou que recebeu ameaças de que poderia ser baleado hoje, mas avisou que não tinha medo e explicou com todas as letras: “É preciso…

Leia mais

Eles continuam a ser os… mesmos

O Tribunal Constitucional (honorável e impoluta sucursal do MPLA) deu cinco dias à comissão instaladora do PRA-JA Servir Angola, para suprir e esclarecer novas dúvidas no seu processo legalização, informou o coordenador do órgão. Talvez fosse suficiente juntar a certidão de óbito de Abel Chivukuvuku… Abel Chivukuvuku participou hoje numa mesa redonda virtual, promovida pela organização internacional Friends of Angola (FoA), sobre o registo do projecto PRA-JA Servir Angola e o processo (supostamente) democrático em Angola. Segundo o político, a resposta ao requerimento de solicitação do recurso extraordinário para anulação…

Leia mais

O que não se quer dizer com a rejeição do projecto PRA-JA

Influenciado pela área de formação, onde informar e ser informado significa estar por dentro das sociedades de informação, e por compreender que, a informação é poder e a sua interpretação leva-nos ao conhecimento, decidi fazer este exercício para não apenas contribuir com subsídios na compreensão da realidade politica nacional, mas, para na qualidade de especialista em análise e gestão de informação, ajudar na compreensão da razão dos números no Acórdão 632/2020 do Tribunal Constitucional. Por João Kiaza (*) A realidade política nacional, transformou-se com a migração do sistema monopartidaríssimo para…

Leia mais

Impedir, derrubar ou matar?

Abel Chivukuvuku disse hoje que, ao contrário de 2012, quando teve de se juntar a partidos políticos sem relevância para participar na vida política, vai lutar agora até à legalização do PRA-JA Servir Angola. Abel Chivukuvuku é mesmo um alvo abater pelo MPLA de João Lourenço, não sendo (ainda) certo se a ideia é só derrubá-lo ou, eventualmente, matá-lo… politicamente. Abel Chivukuvuku, coordenador da Comissão Instaladora do Partido do Renascimento Angolano – Juntos por Angola – Servir Angola (PRA-JA – Servir Angola), falava na reunião da ‘Task Force’, que analisou…

Leia mais

Tomás é preso político, Chivukuvuku partidário

A Justiça em Angola vai mal, muito mal e com clara tendência para piorar (se tal ainda é possível), e os cidadãos que não sejam do MPLA, como Abel Chivukuvuku (impedido de formar um partido), ou sendo deste partido, não caiam no goto do (querido) líder (supremo), como Augusto Tomás (acusado sem provas), não podem esperar muito dos tribunais, Supremo e Constitucional, convertidos, em pleno século XXI, em autênticas arenas, que orgulhosamente, “represtinam” as leis dos tristemente célebres períodos do império Romano e da inquisição. Por William Tonet No dia…

Leia mais

Se fosse com João Lourenço…

A ex-deputada do MPLA e filha do antigo Presidente de Angola, Welwitschea Tchizé dos Santos, afirmou hoje que “o exílio tem mais dignidade do que a rendição” e que não presta “vassalagem ao detractor principal” da sua família. E, embora de forma mais velada mas igualmente assertiva, afirma que se em 1992 o Presidente da República fosse João Lourenço, Abel Chivukuvuku teria tido o mesmo que fim que Jeremias Kalandula Chitunda, Adolosi Paulo Mango Alicerces e Elias Salupeto Pena. Ou seja, a morte. “P refiro o exílio do que ficar…

Leia mais

Os “Scorpions” de Abel

Abel Chivukuvuku, líder do projecto partidário PRA-JA Servir Angola (que o MPLA, via Tribunal Constitucional, teima em não legalizar), considera que se fosse feita uma verdadeira luta anticorrupção em Angola “o Estado acabava”. E se o Estado acabava, ao MPLA aconteceria o mesmo. Em entrevista à Lusa, questionado sobre a bandeira (esfarrapada de tanto ser usada em comícios e acções de propaganda) anticorrupção do Presidente da República (não nominalmente eleito), João Lourenço, e se esta visa alvos selectivos em Angola, como têm vindo a defender vários analistas e sectores da…

Leia mais

Julgamento para quê?

Abel Chivukuvuku, líder de um partido que o MPLA não deixa que seja…partido, o PRA-JA, defende o regresso a Angola dos familiares do antigo presidente José Eduardo dos Santos para se defenderem das acusações de que são alvo, embora reconheça que a justiça é “excessivamente” partidarizada. Por outras palavras, Abel Chivukuvuku aconselha o regresso para que tomem conhecimento, ao vivo, da sentença que – segundo o MPLA – é “decretada” antes mesmo de haver julgamento. Aliás, como disse Agostinho Neto a propósito dos massacres de 27 de Maio de 1977,…

Leia mais

Por “ordem” do MPLA
o PRA-JA (ainda) respira

O Tribunal Constitucional (TC) deu um prazo de três meses à Comissão Instaladora do PRA-JA Servir Angola, de Abel Chivukuvuku, para apresentar os documentos suplementares para a sua inscrição como partido político. Depois se verá se o… MPLA autoriza ou não. No âmbito do processo de inscrição, a comissão entregou em Novembro àquele Tribunal 23.492 assinaturas, das quais 19.495 foram invalidadas, pelo que não atingiram as 7.500 subscrições exigidas pela Lei dos Partidos Políticos. O despacho do Tribunal Constitucional, datado de 23 de Dezembro passado, surge em resposta a uma…

Leia mais