DEMOCRACIAS À MEDIDA DO CLIENTE

“Sabemos que os governos tendem a ver-se como eternos e os que se opõem quase sempre exasperar-se pela espera. Nada é eterno em democracia. Nem presidentes, governos ou oposições”. Quem diz? Marcelo Rebelo de Sousa hoje no discurso nas comemorações da implantação da República, em Portugal. Por Orlando Castro Marcelo alertou (para consumo interno) que a democracia “sofre com a pobreza, injustiça, intolerância”. “Sabemos como erros, omissões, incompetências, ineficácias da democracia a fragilizam e a matam. Sabemos como começam as ditaduras e como é difícil recriar democracias depois delas”, afirmou…

Leia mais

MORREU A DEMOCRACIA, VIVA O SEU ASSASSINO!

Numa década o número de países africanos classificados como autoritários no Relatório sobre o Estado Global da Democracia ultrapassa o número de democracias. Como não poderia deixar de ser, o MPLA deu agora mais um decisivo contributo para assassinar a nossa embrionária democracia. Parabéns presidente João Lourenço. Por Orlando Castro Não é só em África, obviamente. Mas a verdade (os angolanos são testemunhas privilegiadas) é que a democracia está a perder a guerra, seja por incapacidade interna, causas externas e, ainda, pela letargia e conivência das mais válidas… democracias para…

Leia mais

INVESTIDORES PREFEREM AS DITADURAS

África, com destaque para Angola, é um mercado atraente para os investidores, mas repleto de riscos neste período que antecede as eleições, considera a analista Laura Seara Cabeça, do Risk Advisory Group. A associada sénior da equipa de África subsaariana no Risk Advisory Group considera, num artigo no InvestmentMonitor, que os investidores estrangeiros que se reencontraram com África após a crise económica do continente causada pela Covid-19, serão agora “atraídos por retornos atraentes oferecidos por projectos de infra-estruturas de grande porte, muitas vezes promovidos antes das eleições”. “Ao disputar contratos…

Leia mais

LOURENÇO “ASSASSINA” RECONCILIAÇÃO E PREPARA ARMAS PARA A GUERRA

A velha geração de dirigentes africanos, muitos oriundos dos movimentos de libertação, no poder faz mais de quatro décadas, autênticos ditadores e corruptos, que resistem à alternância democrática do poder, são uma verdadeira comédia. A União Africana longe de representar os povos é um clube de compadres, unidos pela institucionalização da ladroagem e da ditadura. Juntos, são uma vergonha. Assassinos dos sonhos, da democracia, do desenvolvimento social e económico dos países e respectivos povos. Realizar eleições e contar com observadores africanos, lamentavelmente é o mesmo que contar com cegos e…

Leia mais

DO PUTIN COM AMOR (E ARMAS)

A Rússia vai continuar a expandir a sua influência junto dos parceiros africanos, procurando maximizar apoios em países como Angola, que, no entanto, mantém portas abertas no mundo ocidental, estima Joseph Siegle, analista do Centro Africano de Estudos Estratégicos (CAEE). “Vamos continuar a ver a Rússia a expandir a sua influência em África porque encontra aí parceiros disponíveis, estando mais isolada a Rússia vai tentar maximizar todos os apoios que conseguir”, disse Joseph Siegle, responsável do programa de pesquisa do CAEE, instituição ligada ao Departamento de Defesa norte-americano e direccionada…

Leia mais

DEMOCRACIAS ALIMENTAM AS DITADURAS E DEPOIS SÃO… COMIDAS

Pela primeira vez em quase uma década, o número de países africanos classificados como autoritários no Relatório sobre o Estado Global da Democracia ultrapassa o número de democracias. Não é só em África, obviamente. Mas a verdade (os angolanos são testemunhas privilegiadas) é que a democracia está a perder a guerra, seja por incapacidade interna, causas externas (pandemia da Covid-19) e, ainda, pela letargia e conivência das mais válidas… democracias. Um relatório do Instituto Internacional para a Democracia e Assistência Eleitoral (IDEA, na sigla em inglês) revela que o mundo…

Leia mais

A “vandalização” da imagem do Presidente

Aconteceu na cidade de Cabinda algo insólito no dia 13 de Setembro: uma senhora entendeu expressar o seu protesto público contra a governação do Presidente João Lourenço rasgando a imagem gigantesca do seu rosto afixada no centro da cidade. Dizia a senhora no vídeo que está a circular: “eu dei-te o poder, mas agora acabou!…” Por Raul Tati O acto foi assistido por um grupo de cidadãos que não só não a impediu de fazer aquilo como apoiou o acto a 100%. Se prestarmos atenção ao vídeo vemos que há…

Leia mais

De cócoras no reino da CPLP

Portugal vai estar representado na XIII Cimeira da CPLP, em Luanda, pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, pelo primeiro-ministro, António Costa, e pelo ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva. E que tal incluir os restantes sipaios partidários que até dariam o mataco e cinco tostões para estar presentes? Por Orlando Castro A Presidência da República portuguesa confirma que Marcelo Rebelo de Sousa vai participar na XIII Conferência de chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), entre 16…

Leia mais

É jornalista? Não é dos nossos? Abata-se!

Quatro jornalistas angolanos realizaram hoje, em Luanda, junto das instalações da Procuradoria-Geral da República, um protesto para denunciar “perseguições” judiciais contra profissionais de comunicação social em Angola. No dia 2 de Fevereiro de 2018, a PGR anunciou a criação de um corpo especial de funcionários e magistrados para se dedicar a investigações preliminares sobre denúncias feitas pela comunicação social e redes sociais. Recordam-se? A estratégia do MPLA é simples. Como não gosta da mensagem, a solução é calar, se possível de forma definitiva, o mensageiro. De cartazes em punho, com…

Leia mais

De Myanmar a Angola, a hipocrisia internacional

A polícia de Myanmar (ex-Birmânia) disparou hoje balas de borracha e lançou gás lacrimogéneo sobre as manifestações pacíficas contra o golpe da junta militar, depois do embaixador na ONU ter pedido o fim do golpe e punição dos seus responsáveis. Fosse em Angola (veja-se o mais recente caso de Cafunfo) e as balas seriam reais e os mortos seriam muitos. É a diferença entre um país que se diz democrático e um Estado de Direito (Angola) e, agora, uma ditadura (Myanmar). Segundo as agências de notícias EFE e AFP, as…

Leia mais