Quem cabritos vende
mas cabras não tem…

O presidente da Associação Industrial de Angola (AIA), José Severino, considera que os gastos do país com salários são “insuportáveis e inadequados” e defendeu uma redução em 30% até Junho do próximo ano. “Isto não é para nós, pois não?”, perguntam as zungueiras e os 20 milhões de pobres. Segundo José Severino, este é um dos problemas que se coloca à gestão dos recursos cambiais: “Não é aceitável que este país gaste 2.400 milhões de dólares (2.178 milhões de euros) em transferências de salários, é inaceitável, insuportável e inadequado”, criticou,…

Leia mais

EPL pergunta ao vento que passa se Lisboa respondeu

A Associação de Pais da Escola Portuguesa de Luanda (EPL) informou hoje que decorrem reuniões envolvendo o Governo português, na tentativa de ultrapassar o diferendo em torno da contestação ao aumento das propinas, para permitir a actualização salarial dos professores. A informação consta de um comunicado divulgado pela associação de pais da EPL, quando está convocado para 8 a 10 de Maio o segundo período de paralisação dos professores daquela escola, reivindicando actualizações salariais, nomeadamente devido à desvalorização, superior a 30%, do kwanza para o euro, desde Janeiro. Refere que…

Leia mais

A culpa é (sempre) do remador

Os limites impostos pelo Governo de sua majestade o rei de Angola à contratação de trabalhadores estrangeiros não residentes, por um máximo de 36 meses e com pagamentos exclusivamente em kwanzas, duraram pouco mais de um mês, tendo sido revogados esta semana. Em causa está o decreto presidencial de 6 de Março que regularia o exercício da actividade profissional do trabalhador estrangeiro não residente, e que visava, segundo o texto do documento, “regulamentar” esta actividade, “de modo a permitir um tratamento mais equilibrado” entre nacionais e expatriados. A versão inicial…

Leia mais

Produtores de conteúdos ou jornalistas?

A maioria dos jornalistas em Portugal recebe menos de 1.000 euros líquidos por mês e um terço trabalha com vínculo precário, segundo um inquérito do ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa, hoje divulgado. Por Orlando Castro (*) Nada mau. Ficamos a saber que, segundo o ISCTE, é igual ser jornalista, produtor de conteúdos, operário nas fábricas de enchimento de textos de linha branca, ou moço de fretes dos donos dos “jornalistas” e dos donos dos donos. O trabalho, realizado por uma equipa do ISCTE, em parceria com o Sindicato dos Jornalistas e…

Leia mais

Deputados com (mas sem) motoristas

O Centro de Integridade Pública (CIP), em Angola, denunciou a existência de deputados à Assembleia Nacional da República de Angola que se recusam a contratar motoristas, como mandam as normas protocolares internas do Parlamento, a fim de se apropriarem dos valores (134 mil Kwanzas) e usarem-nos a seu bel-prazer. Por Dionísio Halata A fim de fugirem à contratação de motoristas profissionais, há parlamentares que empregam parentes ou filhos, a quem pagam um valor inferior ao que deviam, embora as verbas lhes sejam atribuídas pelo Estado todos os meses, na medida…

Leia mais