Dívida pública? Tudo (+ou-) normal. Apenas 104% do PIB

A agência de notação financeira Moody’s considera que a dívida pública de Angola deve atingir um pico de 104% do Produto Interno Bruto este ano, antevendo um regresso ao crescimento em 2020, com uma expansão de 1,5%. No mais recente relatório de análise da economia de Angola enviado aos investidores, a agência de “rating” escreve que “o perfil de crédito de Angola é limitado por uma deterioração significativa das métricas da dívida nos últimos anos, com a dívida a dever atingir um pico de 104% do PIB este ano”. No…

Leia mais

Está tudo bem, Majestade?

Para a agência financeira Moody’s, o “perfil de crédito de Angola reflecte uma “baixa força económica” com “perspectivas económicas modestas”, acrescentando os peritos (que, é claro, se esqueceram de ouvir os seus homólogos do… MPLA) que a solidez financeira é “muito baixa”. Tudo normal e na santa paz (e sabedoria) de quem nos “governa” desde 1975. Assim, a Moody’s (que agora resolveu azucrinar a intocável competência “tripartida” do Presidente do MPLA, do Titular do Poder Executivo e do Presidente da República) considerou que o “rating” atribuído a Angola (B3) é…

Leia mais

FMI é mesmo o santo a quem todos nós devemos orar?

A analista Lucie Villa, que na agência de notação financeiro Moody’s, segue a economia de Angola, considera que a implementação do programa do Fundo Monetário Internacional (FMI) e o ritmo das reformas estruturais serão dois dos principais aspectos a acompanhar em 2019. “Todos os desenvolvimentos no petróleo são importantes, mas a nossa perspectiva é que a produção de petróleo vai recuperar, ajudando o Governo, e o que será também importante é o âmbito e a profundidade das reformas que o Governo vai ser capaz de implementar, além do programa com…

Leia mais

Moody’s dá uma no cravo
e, pois, duas na ferradura

A agência de notação financeira Moody’s retirou Angola da lista de países cuja qualidade do crédito é mais vulnerável aos factores climatéricos, essencialmente devido à saída das pessoas da pobreza extrema e das zonas rurais. Como? “O crédito soberano de Angola permanece vulnerável devido ao impacto projectado das mudanças climatéricas nos rendimentos das colheitas de arroz, trigo e milho, nas cheias e também devido à evidência histórica de um número relativamente elevado de desastres naturais”, escrevem os analistas da Moody’s. O relatório da Moody’s é uma actualização da análise sobre…

Leia mais

Dívida pública nos 70% do PIB estrangula o Estado

A agência de notação financeira Moody’s prevê que a dívida pública de Angola suba para mais de 70% do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre deste ano, crescendo 10 pontos percentuais só desde Outubro. “A dívida global de Angola face ao PIB já subiu 10 pontos percentuais para além do nível que a Moody’s antecipava em Outubro de 2017″, quando a agência de notação financeira desceu o ‘rating’ do país para B2, ainda mais abaixo na recomendação de não investimento, escrevem os analistas na nota que acompanha a decisão…

Leia mais

A economia como factor de revolta iminente

A agência de notação financeira Moody’s estima que Angola vá enfrentar este ano maior instabilidade social, apesar do abrandamento da austeridade graças ao aumento da produção de petróleo, e prevê um crescimento económico de 3%. Eis mais umas razões para o regime reforçar a repressão… democrática. Num relatório sobre os “ratings” (classificação de risco) dos países da África subsaariana, a Moody’s diz que “os países mais expostos ao risco de instabilidade social incluem Angola, Camarões, República Democrática do Congo, Ruanda e Uganda”, recorrendo a indicadores como o tempo de permanência…

Leia mais

Diversificar custe o que custar

A agência de notação financeira Moody’s considerou hoje que a diversificação económica vai ser um dos factores mais importantes para garantir o crescimento económico da África subsaariana e evitar uma degradação ainda maior da qualidade do crédito soberano. Hoje também ficou a saber-se que as receitas fiscais com a exportação de petróleo angolano aumentaram 43% entre Março e Abril. “A desaceleração no crescimento, apesar dos esforços para diversificar as economias durante a última década, coloca em destaque a vulnerabilidade da região aos choques dos preços das matérias-primas; o nível de…

Leia mais

O mais vulnerável sistema financeiro de África

Um estudo da agência de notação financeira Moody’s diz, certamente sem auscultar quem sabe da matéria (o Titular do Poder Executivo), que o sistema financeiro angolano é o mais vulnerável em África. A análise da agência de notação financeira Moody’s à banca africana leva em conta o que se passa e as perspectivas em 32 país avaliados. No estudo ao sistema financeiro de Angola, a Moody’s considera que o cenário em cinco das seis alíneas analisadas vai degradar-se em 2016: o ambiente das operações, o risco dos activos, o lucro,…

Leia mais

Dívida pública cresce, cresce

A agência de notação financeira Moody’s aponta Angola como o país da África subsaariana cuja dívida pública, em dólares, mais aumentou desde o início da descida do preço do petróleo, em meados do ano passado. “A ngola, Gana e Zâmbia são os países mais afectados pelo aumento da dívida denominada em moeda estrangeira, que aumentou ainda mais com a emissão de dívida pública nos mercados internacionais”, lê-se num relatório especial sobre o impacto dos preços mais baixos das matérias-primas nas economias africanas, citado pela Agência Lusa. O documento surge menos…

Leia mais

Ao contrário do regime,
a Moody’s elogia jovens

A analista da agência de ‘rating’ Moody’s que segue a economia de Angola considera que o país tem “todos os ingredientes” para ver os jovens forçarem mudanças no regime e diz que a evolução política depende da economia. Q uestionada sobre se o país pode viver uma espécie de ‘Primavera Angolana’, Rita Babihuga respondeu que “nunca se sabe o que pode ser o gatilho ou a fagulha que desencadeia um movimento desses”, mas sublinha que esse foi um cenário considerado na agência de ‘rating’. “Os ingredientes estão todos lá –…

Leia mais