Para quem é… farelo basta

A Comissão Económica do Conselho de Ministros de Angola aprovou hoje dois documentos relativos à alimentação, um com o objectivo de minimizar os impactos da estiagem na produção agrícola e pecuária e outro sobre estabilização dos preços dos bens alimentares. Depois dessa aprovação, bem que os membros da comissão mereceram um jantar frugal, tipo trufas pretas, caranguejos gigantes, cordeiro assado com cogumelos, bolbos de lírio de Inverno, supremos de galinha com espuma de raiz de beterraba e queijos acompanhados de mel e amêndoas caramelizadas e umas garrafas de Château-Grillet 2005.…

Leia mais

Os porcos comem farelo e não morrem. A solução é…

Trinta e oito toneladas de bens alimentares foram hoje entregues, na cidade de Ondjiva, pelo Ministério da Construção e Obras Públicas ao Governo Provincial do Cunene para apoiar as vítimas da seca da região. Fartura de peixe, ausência de canas de pesca… A seca que assola a província do Cunene, desde Outubro de 2018, afectou 880.176 pessoas e já causou a morte de 30 mil cabeças de gado. A oferta é composta por arroz, fuba de milho, farinha de trigo, feijão, açúcar, óleo alimentar, massa alimentar e água de mesa.…

Leia mais

Desemprego, desespero, farelo e dedo no gatilho

Angola registou mais 100 mil desempregados desde 2014 que não contam com qualquer protecção social do Estado, indicou hoje, em Luanda, a União Nacional de Trabalhadores Angolanos – Confederação Sindical (UNTA-CS). Tudo normal, segundo a estratégia do Governo do MPLA que, desde 1975, tudo faz para que sejamos o primeiro povo do mundo a conseguir viver sem… comer. Segundo o secretário-geral da UNTA-CS, Manuel Viage, que falava na abertura da V Reunião do Conselho Confederal, destinada a analisar as acções desenvolvidas pela central sindical angolana no ano passado, 2018 foi…

Leia mais

4 de Fevereiro, 27 de Maio, fome, farelo, porcos e MPLA

Dizia o antigo ministro dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria… do MPLA, Kundi Paihama, que a história de Angola é rica em exemplos e actos indeléveis de heroísmo e valentia protagonizados por milhares de patriotas angolanos, de Cabinda ao Cunene, e pelo sacrifício dos melhores filhos desta pátria. Por Orlando Castro Sim, é o mesmo Kundi Paihama que disse: “Durmo bem, como bem e o que restar no meu prato dou aos meus cães e não aos pobres”. E por que não vai para os pobres?, perguntam vocês, eu…

Leia mais

Para quem é, farelo basta?

Em Dezembro de 2017, o Presidente João Lourenço disse que o país ainda está a viver os efeitos da crise, que só não foram mais graves “porque em tempo oportuno foram tomadas medidas pertinentes para reduzir o seu impacto”. Nessa altura José Eduardo dos Santos não diria melhor. Em Dezembro de 2018 o recado, ou mensagem, é o mesmo. Na sua mensagem de Ano Novo (para 2018), João Lourenço disse que seria necessário dar “com alguma coragem e determinação novos passos em frente, vencendo os constrangimentos ainda existentes e encarando…

Leia mais

Fome matou mais de 800 das nossas crianças que não souberam viver sem comer

Em termos oficiais (que são diferentes dos reais) a malnutrição grave (fome, em bom português) matou 804 crianças com menos de 5 anos em Angola no ano passado, sendo a sétima doença com mais mortes notificadas pelas autoridades. No ano passado, João Lourenço foi ministro durante oito meses e Presidente da República e Titular do Poder Executivo durante quatro meses. O MPLA está no Poder há 43 anos. O Boletim Epidemiológico relativo a 2017 revela que entre as três doenças sob vigilância em menores de 5 anos, a malnutrição grave…

Leia mais

Se os porcos comem farelo
e não morrem… o que mais querem agora os kwachas?

A tese do MPLA, tenha sido sob a liderança de José Eduardo dos Santos, seja em breve sob o comando de João Lourenço, é simples e transparente: os escravos não têm direito a reivindicar seja o que for, muito menos quererem ser considerados iguais aos seus donos. Por muito musculada que seja a força da razão dos escravos, nunca vencerá a razão da força dos seus proprietários. Por Orlando Castro Assim sendo, antes de ser provado já o MPLA provou o seu direito legal de propriedade sobre – entre outros…

Leia mais

Ensinar a pescar? Para quê
se o farelo não se… pesca?

Em toda a Lusofonia (ainda alguém sabe o que isso é?), os que têm, pelo menos, três refeições por dia têm razões para cantar e rir. E por isso vão comendo, cantando e rindo. E os milhões que nem um prato de pirão têm? Só em Angola são cerca de 20 milhões… Por Orlando Castro A malária continua a matar as crianças angolanas, sobre as que pertencem a essa “etnia” que o MPLA/Estado/regime considera angolanos de segunda. Ou será de terceira? O que vale, dirá o governo de João Lourenço,…

Leia mais

Para o regime as crianças
até podem comer… farelo

O Governo angolano anunciou a instituição do Sistema de Alerta de Rapto de Menores (SARM), para reforçar o combate aos crimes contra crianças em Angola, nomeadamente rapto e tráfico, recorrendo por exemplo a informação nas redes sociais. O maior crime contra crianças é cometido pelo próprio regime (somos o país com o maior índice mundial de mortalidade infantil), mas essa é outra história. O projecto de criação do SARM foi analisado na terça-feira, em Luanda, durante a reunião ordinária da comissão para a política social do Conselho de Ministros, numa…

Leia mais

Ajudemos o pobre governo comendo farelo e mandioca

O Governo angolano estima que a importação de produtos alimentares da cesta básica tenha caído cerca de 3% em 2015, mas ainda acima dos 3,5 mil milhões de euros, praticamente o dobro face 2013. Os números constam de um documento de suporte à estratégia do Governo para ultrapassar a crise financeira provocada pela quebra nas receitas do petróleo, e que visa reduzir a dependência das receitas com as exportações de crude com a auto-suficiência alimentar. De acordo com o documento, a importação de produtos alimentares básicos por Angola aumentou cerca…

Leia mais