Um dia destes, um destes dias!

A produção agrícola em Angola cresceu mais de 5 por cento em 2020, face ao ano de 2019, revelou agora o Ministro da Agricultura e Pescas, António Francisco de Assis. “Este crescimento ainda é pouco para aquilo que o país precisa, apesar dos resultados positivos assinaláveis”, admitiu o ministro. Recorde-se, entre múltiplos exemplos, que ainda recentemente (11 de Fevereiro de 2021) o Banco Alimentar Mundial (BAM) anunciou que ia disponibilizar a Angola 60 milhões de dólares (49,4 milhões de euros), com o objectivo de financiar o aumento da produção agrícola…

Leia mais

Mediocridade a… granel

O governo angolano (que há 45 anos é exclusivamente do MPLA) anunciou hoje que vai passar a importar a granel produtos da cesta básica, no valor mensal de 60 a 85 milhões de euros, em vez de os adquirir já embalados, de modo a “poupar divisas” e apoiar a economia local. Em vez de, pelo menos, tentar pôr o país com níveis de produção alimentar como os que registava em 1973/74, o MPLA descobre a pólvora com a compra a granel… A informação foi avançada hoje pela directora nacional do…

Leia mais

Já estamos a plantar as couves com a raiz para baixo?

O Presidente da República, igualmente Presidente do partido que governa Angola há 45 anos e Titular do Poder Executivo, regozijou-se hoje pelo crescimento positivo de cerca de 5% do sector da agricultura, apesar de Angola ter registado, em 2020, resultados globais negativos. Já estamos a plantar as couves com a raiz para baixo? João Lourenço, que discursava na 44ª sessão do Conselho de Governadores do Fundo Internacional de Desenvolvimento (FIDA), frisou ainda que as importações de bens alimentares no país conheceram também no ano passado uma redução de 24%, “o…

Leia mais

Novo modelo da cesta básica

Angola gasta milhões de dólares com importações de bens da cesta básica, garantindo (segundo o Governo) um stock de produtos essenciais. Segundo o ministro da Indústria e Comércio, Victor Fernandes, estes valores representam um “esforço que o país não consegue aguentar” caso a produção nacional não seja aumentada. “Porque, continuamos ainda assim a ter muita importação vinda de outros destinos e essa importação dá-nos a tranquilidade de que os produtos existem em stock são suficientes”, garante o ministro. Isso mesmo pode (e deve) ser comprovado junto dos pontos de recolha…

Leia mais

Contentores básicos substituem cestas básicas

Angola registou uma redução de cerca de 100 milhões de dólares (81,8 milhões de euros) na importação de produtos da cesta básica e outros bens essenciais em Dezembro de 2020, face ao período homólogo. Grande parte da procura da cesta básica foi substituída pela crescente adopção, por parte dos consumidores, do novo sistema de self-service – os caixotes do lixo. A informação consta dos dados relativos à importação de produtos da cesta básica, em Dezembro de 2020, hoje apresentados na reunião do Conselho de Direcção do Ministério da Indústria e…

Leia mais

Pousar a AK-47 e pegar na sachola

Em Setembro de 2019, o Ministério da Defesa de Angola e unidades adstritas à Casa de Segurança do Presidente da República divulgaram a abertura de concurso limitado para a compra de géneros alimentares, produtos de higiene e asseio pessoal de produção nacional, no quadro das aquisições relativas a 2020. Recorde-se que João Lourenço decretou que dois dos projectos de desenvolvimento agro-pecuário resgatados em Outubro de 2018 a cinco empresas detidas pelo Fundo Soberano, à data gerido pela Quantum Global, fossem entregues às Forças Armadas Angolanas (FAA). O concurso foi realizado…

Leia mais

Contentores em vez de cestas básicas?

«Ao aproximar-se o fim do ano de 2020, tomei a iniciativa de realizar uma cerimónia de homenagem aos produtores de bens essenciais de amplo consumo que integram a cesta básica e não só, produtores que durante o ano enfrentaram a profunda crise económica que se regista no nosso país desde o ano de 2014 e que foi agravada, este ano, pela pandemia da Covid-19 e que ainda perdura em todo o mundo, não obstante existir uma luz ao fundo do túnel para o seu controlo durante o próximo ano, por…

Leia mais

A lição do Brasil

O vice-Presidente do Brasil, Hamilton Mourão, disse hoje que a subida no preço dos alimentos registada no país nos últimos meses foi causada pelo dinheiro destinado pelo Governo aos pobres, afectados pela pandemia de Covid-19. É uma explicação falaciosa que poderia ser dada, em Angola, pelo MPLA. As ditaduras não têm cor. “U ma porção [grande quantidade] de gente comprando porque o dinheiro que o Governo injectou na economia foi muito acima do que as pessoas estavam acostumadas, tanto que está havendo grande compra de alimentos e de material de…

Leia mais

De celeiro a… seleiro

Angola desembolsou, no primeiro trimestre do ano, 495 milhões de dólares (436,5 milhões de euros) na importação de bens alimentares, uma diminuição de 31% comparativamente aos 717 milhões de dólares (632,3 milhões de euros) do último trimestre de 2019. A informação foi hoje divulgada pelo ministro de Estado para a Coordenação Económica, Manuel Nunes Júnior, na Assembleia Nacional, onde foi aprovada na generalidade a proposta de Orçamento Geral do Estado (OGE) revisto para 2020. Manuel Nunes Júnior referiu que a importação de bens alimentares ainda consome actualmente cerca de 25%…

Leia mais

Se és do MPLA comes. Se não és…

A Amnistia Internacional (AI) denunciou a partidarização da distribuição de alimentos, no âmbito da resposta ao impacto da Covid-19, em alguns países da África Austral, como Angola, o que afecta os grupos mais vulneráveis e marginalizados. Por alguma razão existem angolanos de primeira, de segunda e os outros (escravos). A distribuição de ajuda alimentar às famílias pobres e aos que perderam rendimentos foi definida por alguns governos para mitigar o impacto da Covid-19, mas começam a surgir “padrões de distribuição partidária” desta ajuda, segundo a AI. “A distribuição de ajuda…

Leia mais