O diagnóstico de Ana
e a amnésia de… João

A melhoria do bem-estar dos cidadãos e da qualidade de vida das famílias angolanas, a redução da pobreza e das desigualdades e a promoção do nível de desenvolvimento humano são condições essenciais para o progresso económico e social de Angola. É verdade. O diagnóstico data de 2018 e foi feito pela primeira-dama, Ana Dias Lourenço. A receita está nas mãos do marido, João Lourenço. Continua, contudo, à espera de ser aviada. Trata-se, contudo, de um diagnóstico que já tem quase 45 anos. Até agora o máximo que o MPLA conseguiu…

Leia mais

E do lixo se faz arte

A luta para sobreviver em Angola, país que desde a independência foi sempre governado pelo mesmo partido, o MPLA, tem despertado os jovens angolanos para um misto de desespero, desenrascanço e preocupações ambientais, com “Samuelarte”, aos 18 anos, a conseguir um sustento mensal “relativamente desafogado” a partir do lixo, sobretudo ferro, que recicla. “D o Lixo ao Luxo” é o lema de Manuel Francisco Fabiano Samuel, cujo nome artístico, “Samuelarte”, começa a fazer “algum furor” e “escola” entre os jovens, sobretudo de uma pequena comunidade nos arredores de Luanda, que…

Leia mais

Urgência de um FMI mais
sábio e mais experiente

Angola não é a Venezuela. Angola não é a Coreia do Norte. Angola não é a Grécia. Mas Angola pode aprender com o seu irmão europeu. Estamos falidos. Na bancarrota. É preciso dinheiro e mudar tudo, e que este venha do FMI e não da China, Israel, Rússia ou até dos cínicos alemães. Por Brandão de Pinho Quando um cidadão não tem dinheiro nem disciplina ou sabedoria para o vir a ganhar ou, sequer, para ter as condições mínimas de dignidade para se propor a um trabalho para receber o…

Leia mais

Mamãs zungueiras, nossas heroínas da sobrevivência

O Fórum de Mulheres Jornalistas para Igualdade do Género (FMJIG) em Angola considerou hoje que o mercado informal no país, envolvendo sobretudo mulheres, está “cada vez mais violento”, anunciando ciclos de formação para inclusão financeira. A constatação foi apresentada hoje pela coordenadora do FMJIG, Josefa Lamberga, no âmbito de um seminário Apoio a Projectos de Negócio de Mulheres Empreendedoras, realizado em Luanda, em parceria com o Banco Postal de Angola, garantindo a aposta neste domínio para inverter a situação. “O mundo informal é violento. Falando da nossa prática no país,…

Leia mais

ANATA quer pôr ordem
nos lotadores de táxis

A Direcção da Associação Nova Aliança dos Taxistas de Angola (ANATA) queixa-se de constantes “actos de vandalismo” protagonizados pelos “lotadores” de táxis, em Luanda, jovens que obrigam passageiros a entrar em viaturas que os próprios escolhem. O fenómeno, que afecta este tipo de transporte público informal, é recente e ao fim de alguns meses de polémica aquela associação decidiu avançar com uma campanha de sensibilização para tentar demover estes jovens daquele tipo de comportamentos e de cobranças ilícitas. “As reclamações são não só de taxistas, mas também de passageiros. É…

Leia mais

Escola Portuguesa apela
à intervenção de Lisboa

A Direcção da cooperativa, sem fins lucrativos, que gere a Escola Portuguesa de Luanda (EPL) diz-se sem meios para ultrapassar o impasse em torno das actualizações salariais exigidas pelos professores, em greve, apelando à intervenção do Governo português. A posição foi assumida em entrevista exclusiva à agência Lusa por Paulo Arroteia, administrador para área financeira da Cooperativa Portuguesa de Ensino em Angola (CPEA), que gere a EPL, recebendo para o efeito um subsídio anual do Estado português, que em 2017 ascendeu a 776.000 euros, num orçamento global, para o funcionamento…

Leia mais

Nas ruas há de tudo

Milhares de angolanos vão todos os dias para as ruas de Luanda para vender de tudo um pouco, desde armações para óculos ou telemóveis de 1.000 euros, reparando até calçado na via pública, tudo para levar alguns kwanzas para casa. A sobrevivência, sempre difícil (Angola tem 20 milhões de pobres) a isso obriga e, é claro, a necessidade aguça o engenho. Numa ronda pelas ruas da capital angolana, a Lusa constatou esta realidade, que – conta o seu repórter – torna a cidade numa espécie de mercado ambulante global, marcada…

Leia mais

São milhares os escravos
abandonados em Tchavola

Desde 2010 que mais de três mil famílias na província da Huíla sobrevivem em cubatas de chapa na mata da Tchavola, para onde foram compulsivamente atirados depois de ilegalmente desalojados das suas residências. O nome Tchavola diz muito sobre a zona onde estão: podre, traduzido para português. Por Sedrick de Carvalho O F8 conversou com alguns membros da comissão de moradores da comunidade da Tchavola, a comunidade dos “jogados e esquecidos no lixo pelo governo angolano”, segundo Francisco Chacola, membro da referida comissão. Num processo de desalojamento forçado, com recurso…

Leia mais

Governo de Luanda solta os cães às zungueiras

As vendedoras ambulantes em Luanda, para além de viverem no limiar da pobreza, sustentarem marido e filhos, fugirem aos fiscais, aos gatunos e até aos agentes da polícia, têm agora mais um problema: cães polícias. Por Sedrick de Carvalho Insensível ao drama das inúmeras famílias angolanas que apenas lutam para sobreviverem diariamente graças aos produtos que vendem nas ruas, o governo provincial de Luanda decidiu soltar cães atrás de todos os que insistem em viver honestamente da venda ambulante, prática conhecida em Angola por zunga. Os cães, mais bem alimentados…

Leia mais

Sem força mas com razão

Segundo o MPLA, 1.344 antigos militantes da UNITA, residentes na comuna de Galangue, no município do Cuvango, a 356 quilómetros da cidade do Lubango, província da Huíla, abandonaram ontem o Galo Negro para se filiar no partido de sua majestade o rei de Angola, José Eduardo dos Santos. Por Orlando Castro É assim ao longo dos anos. Tudo leva a crer que a UNITA terá hoje pouco mais do que uma dúzia de militantes. Já, por exemplo, em 10 de Dezembro de… 2011 o MPA dizia em altas parangonas que…

Leia mais