Prestar contas (só do que convém!)

Bem dizia Eça de Queiroz que “os políticos e as fraldas devem ser mudados frequentemente e pela mesma razão”. E Guerra Junqueiro referiu-se aos portugueses como: “um povo imbecilizado e resignado, humilde e macambúzio, fatalista e sonâmbulo, burro de carga, besta de nora, aguentando pauladas, sacos de vergonhas, feixes de misérias, sem uma rebelião, um mostrar de dentes, a energia dum coice, pois que nem já com as orelhas é capaz de sacudir as moscas; um povo em catalepsia ambulante (…)”. Por Orlando Castro No dia 29 de Setembro (de…

Leia mais

Quando as crianças são aval para o fiado

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) vai entregar 10 mil caixas com produtos de nutrição pata apoiar mais de 7 mil crianças em Luanda e minimizar o impacto da Covid-19. Quando um país rico só consegue gerar ricos e não riqueza… nem vergonha na chipala tem. Segundo um comunicado da organização das Nações Unidas, as caixas incluem produtos como leite terapêutico, medidores de perímetro branquial, balanças, máscaras cirúrgicas e desparasitantes e foram agora distribuídos no Hospital Municipal dos Cajueiros, no Cazenga. O objectivo é apoiar as acções…

Leia mais

Orgia do gozo

O Governo de Angola afirmou hoje ter disponibilizado, nos últimos 10 meses, cerca de 6.000 milhões de kwanzas (16,4 milhões de euros) aos 164 municípios angolanos no quadro do Programa Integrado de Desenvolvimento Local e Combate à Pobreza (PIDLCP). Ah! ah! ah! Mesmo com a barriga vazia o Povo não perde o humor. Ainda bem para o MPLA. Quando deixar de rir vai ser uma chatice. Uma grande chatice. O ministro de Estado para o Desenvolvimento Económico e Social angolano, Manuel Nunes Júnior, que falava, em Luanda, num encontro com…

Leia mais

“Tratamento deplorável”
aos imigrantes ilegais

O Mosaiko – Instituto para Cidadania, organização não-governamental angolana de defesa dos direitos humanos denuncia o “tratamento deplorável” das autoridades angolanas a “imigrantes ilegais” da República Democrática do Congo, incluindo crianças e grávidas, no quadro da “Operação Transparência” que decorre em Angola. Numa nota de imprensa, o Mosaiko (que teima em julgar que Angola já é o que não é – um Estado de Direito) manifesta-se “bastante preocupado” com a operação de “combate à imigração e exploração ilegal de diamantes”, iniciada a 25 de Setembro. De acordo com o Mosaiko,…

Leia mais