Filhos da fome nunca serão livres

A cidade de Ondjiva, província do Cunene, acolhe hoje um encontro para debater os conteúdos das mensagens de voz do projecto saúde móvel “Nascer Livre para Brilhar”, um compromisso assinado com o Gabinete da Primeira-Dama da República. A iniciativa implementada pela Unitel e a Organização Não-Governamental People in Need, pretende contribuir para a diminuição das taxas de transmissão de VIH-Sida de mãe para filho em Angola. O certame reúne dirigentes, supervisores e técnicos da saúde, além de representantes de organizações da sociedade civil que actuam no sector, indica uma nota…

Leia mais

Mamãe Ana falou…

Angola pretende reduzir, nos próximos três anos, dos actuais 26% para 14%, a taxa de contaminação do VIH de mãe para o filho, no âmbito da Campanha “Nascer Livre para Brilhar”, anunciou hoje a primeira-dama angolana. Vá lá. Desta vez não foi o Presidente. Mas o Governo está imparável. Às segundas, quartas e sextas lança novas iniciativas, às terças, quintas e sábados novos planos. Aos domingos… preparam os anúncios da semana. A campanha, uma iniciativa da União Africana, liderada pela primeira-dama de Angola, Ana Dias Lourenço, foi lançada no Luena,…

Leia mais

Ao Estado o que é do Estado e ao Povo o que é do Povo

As mães de 17 activistas angolanos, condenados por suposta e nunca provada rebelião e libertados provisoriamente na quarta-feira, iniciaram uma campanha internacional de recolha de fundos exclusivamente para pagar os uniformes prisionais dos filhos, agora acusados da sua destruição. Em causa estão frases de contestação ao Presidente (nunca nominalmente eleito e no poder desde 1979) José Eduardo dos Santos, ao sistema judiciário e à governação o país (a mesma desde 1975), que os 15 activistas (duas jovens só foram conduzidas à cadeia após a condenação) escreveram nos uniformes dos serviços…

Leia mais

Ministro recusa carta das Mães do Processo 15+2

A secretária do ministro do Interior, Ângelo Tavares, recusou esta manhã receber a correspondência remetida pelas mães, esposas e irmãs de 12 dos activistas do Processo 15+2, onde se informava o ministro acerca da campanha de recolha de fundos para aquisição de uniformes prisionais. Por Maka Angola Os serviços prisionais, afectos ao Ministério do Interior, iniciaram novos procedimentos criminais contra alguns dos jovens, a quem acusam de danificar património do Estado por terem escrito palavras de ordem e desabafos nos uniformes prisionais, como forma de protesto contra as injustiças de…

Leia mais

Só sabem dar porrada

O jornalista Rafael Marques foi hoje “retido” pela polícia, em Luanda, durante a “marcha pacífica” de familiares de 15 activistas em prisão preventiva desde Junho, o mesmo acontecendo, como o F8 já noticiou, com o correspondente da VOA em Luanda, Coque Mukuta. “D etiveram-me, tiraram-me a máquina fotográfica e obrigaram-me a entrar no carro deles. Disseram-me que tinham todo o poder para tomar as medidas coercivas e que se fosse necessário davam-me uma sova ali”, relatou o jornalista e activista, entretanto libertado. “Ficaram-me com uma máquina fotográfica e um cabo.…

Leia mais

São mães? Isso não interessa. MPLA ordena: “porrada nelas”

Familiares dos 15 activistas angolanos detidos desde Junho, por alegadamente estarem a preparar um golpe de Estado, saíram hoje à rua em Luanda gritando “liberdade já” para aqueles jovens. A Polícia Nacional (do MPLA) respondeu: “espanquem, comecem a bater”. E assim foi. “T ivemos uns problemas com a Polícia, umas agressões, e a marcha teve de acabar aqui no cemitério de Santana. Mas conseguimos fazer o que queríamos, que era alertar para a injustiça do que estão a fazer aos nossos filhos”, disse Leonor Matias, mãe de Afonso “Mbanza-Hamza”, um…

Leia mais

Mães pela liberdade. Já!

Passam hoje 45 dias sobre a detenção de 14 dos 16 presos políticos encarcerados em Luanda sob a presunção de terem estado a preparar um golpe de Estado contra o presidente José Eduardo dos Santos. Por Rafael Marques de Morais MakaAngola D esde então, as autoridades têm-se multiplicado em desculpas e justificações atabalhoadas para justificar as detenções dos 14 activistas e dos dois oficiais das Forças Armadas Angolanas detidos a posteriori (sendo que estes últimos ainda não foram formalmente acusados do que quer que seja). Nos últimos dias, os ministros…

Leia mais