Importamos menos mas vendemos mais a Portugal

As vendas de bens e serviços de Portugal a Angola (ver imagem) caíram 18,1% no ano passado, para 1,2 mil milhões de euros, enquanto as importações aumentaram 15,8%, ultrapassando os mil milhões de euros, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística português (INE). De acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística português (INE), as vendas de Portugal a Angola baixaram de 1,5 mil milhões de euros, em 2018, para 1,2 mil milhões de euros no ano passado. Em sentido inverso, as compras de Portugal a Angola aumentaram de…

Leia mais

Se o Governo não governa, investidores não investem

O Governo angolano manifestou hoje preocupação com a “fraca adesão” ao Programa de Apoio ao Crédito (PAC), que disponibiliza 2 mil milhões de dólares (1,8 mil milhões de euros) para o sector produtivo, pois foi concedido “apenas 5%”. Importa reconhecer que o Governo do MPLA ainda não começou a governar o país pois, compreensivelmente, está há 44 anos a acumular experiência para tentar começar a governar num dos próximos anos… “Temos identificado recursos no montante de 2 mil milhões de dólares a esta data temos perto de 50 mil milhões…

Leia mais

Com peritos assim até o milho foge de Angola

O agrónomo Fernando Pacheco, conselheiro do Presidente da República de Angola, João Lourenço, disse hoje que, em termos nominais, o sector agrícola do país registou uma recessão de 2%, em 2018, “apesar do relativo aumento” da produção de alguns produtos. “T emos que concluir que, acompanhando a recessão económica do país, a agricultura também teve em termos nominais uma recessão de 2%, ou seja, a agricultura nesse período não cresceu, diminuiu, embora do ponto de vista físico se olharmos para os produtos há realmente aumento da produção física”, afirmou Fernando…

Leia mais

Quem cabritos vende
mas cabras não tem…

O presidente da Associação Industrial de Angola (AIA), José Severino, considera que os gastos do país com salários são “insuportáveis e inadequados” e defendeu uma redução em 30% até Junho do próximo ano. “Isto não é para nós, pois não?”, perguntam as zungueiras e os 20 milhões de pobres. Segundo José Severino, este é um dos problemas que se coloca à gestão dos recursos cambiais: “Não é aceitável que este país gaste 2.400 milhões de dólares (2.178 milhões de euros) em transferências de salários, é inaceitável, insuportável e inadequado”, criticou,…

Leia mais

Redução no IVA da água
e mais apoios à indústria

A Associação das Indústrias de Bebidas de Angola (AIBA) afirma que o sector atravessa “uma crise significativa” e reivindicou uma revisão fiscal em baixa, incluindo do IVA sobre a água. Como alternativa, certamente que o governo poderá dar mais uma volta pelo mundo à procura de alguém que lhe conceda mais algum… fiado. “N ão faz sentido num país como Angola em que não existe, infelizmente, ainda acesso generalizado a água potável, onerar o preço da água ao consumidor em cerca de 10%, como acontecerá se se mantiver a proposta…

Leia mais

Papel higiénico e carapau
(do Cunene) com fartura!

No discurso de abertura que hoje proferiu no Fórum com os empresários nacionais, João Lourenço disse que “o Banco de Desenvolvimento de Angola foi orientado no sentido de utilizar recursos do Fundo Nacional do Desenvolvimento para bonificar as taxas de juro ainda muito altas prevalecentes no mercado financeiro, para créditos a conceder pelos bancos comerciais para investimentos nos produtos prioritários definidos no âmbito do PRODESI”. “O Banco Nacional de Angola orientou ainda os Bancos Comercias a concederem crédito para parte dos produtos priorizados pelo PRODESI, no montante mínimo equivalente a…

Leia mais

MPLA ainda procura níveis
de produção de (uau) 1974!

Cem milhões de dólares são necessários para financiar um projecto de fomento pecuário da Cooperativa de Criadores de Gado do Sul de Angola (CCGSA), que deve em três anos acelerar a produção de carne de 20 para 40% ano, um valor que deve em breve ser disponibilizado pelo governo, diz a Angop. Ainda segundo a Angop, “a província da Huíla, através da CCGSA tem nas mãos a oportunidade de tornar a região numa referência mundial de produção de carne. O governo dá indicações de que o valor deve ser disponibilizado…

Leia mais

Papel higiénico, carapau
(do Cunene) e muito mais

O Executivo e, por inerência, o MPLA e o Presidente da República (a ordem é arbitrária) diz dia sim, dia… sim, que está a trabalhar para restaurar a confiança dos investidores, variável fundamental para que o país possa retomar (quem diria, não é?) a trajectória do crescimento económico interrompido nos últimos cinco anos por força da crise. O ministro de Estado do Desenvolvimento Económico e Social, Manuel Nunes Júnior, é perito nesta matéria de repetir até à exaustão a teoria, esperando que um dia as intenções se tornem realidade. Manuel…

Leia mais

País sério procura-se!

Angola desembolsou cerca de 1,5 mil milhões de dólares (1,3 mil milhões de euros) em 2016 e 2017, para importação de bens da cesta básica, montante que não inclui custos de transporte e seguros. Por outro lado, o peso da dívida pública de Angola face ao Produto Interno Bruto (PIB) mais do que duplicou nos últimos quatro anos, passando de 39%, em 2014, para 84%, em 2018. Conclusão: país sério procura-se! Relativamente à importação de bens da cesta básica, o valor foi hoje avançado pelo ministro de Estado do Desenvolvimento…

Leia mais

A vertente agrícola
da pedra filosofal…

O Governo angolano (ou seja, do MPLA desde 1975) garantiu hoje que a dotação para o sector da Agricultura, de 1,6% de todas as despesas inscritas no Orçamento Geral do Estado para 2019, vai concorrer para o “alcance da auto-suficiência alimentar”, promovendo diversas culturas. Foi assim descoberta a pedra filosofal, na sua vertente agrícola. É obra! “A nossa prioridade continua a ser o alcance da auto-suficiência alimentar e procuramos com que consigamos a nível do país obter mais divisas, implantando culturas como o milho, cacau e café”, afirmou hoje (perante…

Leia mais