De crise em crise até à derrota final

O secretário-geral do Comité Olímpico Angolano, António Monteiro Bambino, considerou que a participação dos atletas angolanos nos Jogos Olímpicos esteve um pouco aquém da expectativa devido a razões financeiras. Em declarações a Agência Lusa, considerou que 99% da culpa pelo desempenho não satisfatório (ou seja… um pouco aquém da expectativa) dos atletas angolanos deve-se ao tardio apoio financeiro prestado pelo Governo angolano (que desde 1975 é do MPLA), que disponibilizou as verbas apenas no final do mês de Junho. Em relação às prestações, referiu que a selecção feminina de andebol…

Leia mais

Negro da cor do contratado!

Produtores de café solicitaram ao Governo mais apoio para tornar o produto mais rentável e contribuir para o desenvolvimento económico do país. Esta posição foi manifestada durante a abertura da Campanha da Colheita de Café 2021, no município do Golungo Alto, província do Cuanza-Norte. No acto, orientado pelo secretário de Estado para a Agricultura e Pesca, João Manuel Bartolomeu Cunha, os produtores afirmaram que o sector precisa de mais atenção no que concerne à aquisição de instrumentos de trabalho, produtos fitossanitários e meios de transporte. Na ocasião, o secretário de…

Leia mais

Facínoras impunes

Nestas últimas duas ou três semanas, estou como o tolo em cima da ponte quando leio as notícias e comentários que jorram sobre os últimos acontecimentos em Angola. Das desculpas presidenciais sobre os massacres do 27 de Maio de 1977 à comissão para homenagear o genocida Agostinho Neto… Por Carlos Pinho (*) No passado ano de 2020 o ministro Queiroz, ao falar no âmbito do processo de reconciliação nacional, CIVICOP e quejandos, e na condição de líder da comissão CIVICOP, dava a entender despudoradamente ao que vinha, referindo hipocritamente que…

Leia mais

Um genocídio não se desculpa

O Presidente João Lourenço pediu hoje desculpas em nome do Estado angolano pelas execuções sumárias levadas a cabo após o alegado golpe de 27 de Maio de 1977, salientando que se trata de “um sincero arrependimento”. Mas, é claro, o assassino responsável pelos massacres, Agostinho Neto, continua incólume e a ser, por imposição expressa de MPLA, o único herói nacional. É fartar vilanagem. Por Orlando Castro “Não é hora de nos apontarmos o dedo procurando os culpados. Importa que cada um assuma as suas responsabilidades na parte que lhe cabe.…

Leia mais

Culpados escapam desde 1576…

Chuvas torrenciais provocaram inundações, queda de árvores e de casas, congestionamentos e deixaram ruas intransitáveis em Luanda, onde uma zungueira morreu electrocutada e duas crianças estão desaparecidas. Culpados? Os mesmos dos últimos 500 anos. Faustino Miguéns, porta-voz do Serviço de Protecção Civil e Bombeiros de Luanda, citado pela TPA, revelou que a chuva ininterrupta afectou 80% da cidade e que além da morte de uma pessoa, duas crianças estão dadas como desaparecidas no distrito urbano do Nova Vida. No distrito urbano da Samba, a estrada principal ficou intransitável com extensos…

Leia mais

Presidente mente e valida mentiras da Polícia

O Presidente angolano, João Lourenço, falou hoje, pela primeira vez, sobre o massacre em Cafunfo, condenando o que sabe ser uma monumental mentira (“acto de rebelião”, como lhe chamaram os algozes da Polícia), mas garantindo também que serão responsabilizados os polícias que terão “praticado actos considerados desumanos”. Por Orlando Castro Um mês depois dos acontecimentos violentos, que, segundo a versão oficial, causaram seis mortos durante uma alegada invasão de uma esquadra, mas que testemunhas locais e organizações locais da sociedade civil (Igreja Católica incluída) e internacionais (como a Amnistia Internacional…

Leia mais

Só os criminosos idolatram os genocidas

A Plataforma 27 de Maio defende que o presidente angolano, João Lourenço, na qualidade de mais alto representante da nação e do partido do poder há 45 anos, MPLA, deve pedir desculpas públicas às milhares de vítimas dos massacres ordenados por Agostinho Neto em “27 de Maio de 1977”. Por Orlando Castro (*) A proposta foi apresentada na reunião da Comissão de Reconciliação em Memória das Vítimas dos Conflitos Políticos (CIVICOP), altura em que foi feito um balanço de 2020, e contribui, segundo João Saraiva de Carvalho, ele próprio órfão…

Leia mais

Vilanagem até dizer… basta!

O Presidente de Angola, Presidente do partido no Poder há 45 anos (o MPLA) e Titular do Poder Executivo, João Lourenço, disse hoje que o ano de 2020 foi “de muito sofrimento”, mas acrescentando que “uma luz de esperança já se vislumbra no horizonte”, augurando que 2021 seja da retoma da economia angolana. João Lourenço dirigiu hoje uma mensagem de fim de ano à nação, na qual considerou que o ano que finda “não foi bom, não foi generoso para com ninguém”, lembrando que prejudicou a vida familiar e profissional…

Leia mais

Colonização mental ocidental é contínua contra África

O mundo… parou! A minha “topografia-umbilical”, qual mundo, orgulhosamente, de utopia, carrega hoje, mais do que ontem, vergonha incontida, face à nossa colectiva omissão, inacção ou voto depositado, na maioria das vezes, ingenuamente, a favor de uma casta governante, incompetente, ditatorial, corrupta, malfeitora e assassina, cujo “mérito” é a criminosa liderança de países africanos e subdesenvolvidos, para o abismo sub-humano, superando os índices do colonizador. Por William Tonet A COVID-19 está aí, como prova acabada… O MPLA/actual, infelizmente, não se distingue, dos demais, pelo contrário… Estes falsos revolucionários, no período…

Leia mais

(Só) somos auto-suficientes em incompetência

Por sugestão do Presidente do MPLA e do Titular do Poder Executivo, o Presidente angolano, João Lourenço, autorizou a despesa e abertura de concurso para a aquisição de insumos agrícolas, entre os quais fertilizantes, para não comprometer o ano agrícola 2020-2021, ameaçado pela Covid-19 e pelo MPLA-45. O Decreto Presidencial nº 147/20, de 15 de Outubro refere que o ano agrícola 2020-2021 teve início no dia 9 deste mês, e por força do estado de emergência e posterior situação de calamidade que o país tem passado, bem como os constrangimentos…

Leia mais