Sem tempo para… governar

O Chefe de Estado angolano, João Lourenço, viaja hoje do Qatar para a capital da República do Congo, Brazzaville, a fim de participar amanhã, terça-feira, nos trabalhos do 5º Fórum “Investir em África”. Não tem mãos a medir. É um presidente todo-o-terreno. Não admira, por isso, que não tenha tempo para fazer o que os angolanos esperam dele: que governe Angola. O evento, cuja primeira edição aconteceu em 2015 na capital etíope, Addis Abeba, é uma plataforma internacional para promover a cooperação multilateral e as oportunidades de investimento no continente…

Leia mais

Situação “preocupante e degradante” em Cabinda

O advogado e activista de Cabinda, Arão Tempo, criticou hoje a manutenção da repressão no enclave, afirmando que, se o povo angolano continua a viver em crise, o do território vive “num inferno”. A FLEC diz que há mais de três semanas que vários grupos da sociedade civil congolesa na província do Congo Central e do sector de Kakongo na República Democrática do Congo alertaram as autoridades congolesas sobre as repetidas incursões de soldados das Forças Armadas Angolanas. Em entrevista à agência Lusa, em Luanda, o também presidente do Movimento…

Leia mais

MPLA sedou a nação

Se no vizinho Congo existe uma atmosfera estimulante, mesmo que não seja pelos melhores motivos – mas a verdade é que são as coisas más que espevitam as pessoas e tomam de assalto as redacções sedentas de notícias que alimentem a onda crescente de excitação da população – como existe no Gabão ou no Quénia, já o mesmo não se pode dizer de Angola. Nem para o bem nem para o mal. Por Brandão de Pinho Mais do que letargia e brandura parece que o MPLA ou o Governo descobriu…

Leia mais

Violência? Refugiados?
Não. Com o MPLA… nunca

A organização não-governamental (ONG) Human Rights Watch (HRW) defendeu hoje a suspensão imediata da deportação dos refugiados da República Democrática do Congo e o início de uma investigação aos alegados abusos por parte das forças de segurança angolanas. É claro que o Governo do MPLA se está nas tintas para a HRW, acreditando que a razão da sua força supera a força da razão de qualquer ONG. “O Governo angolano deve imediatamente suspender a deportação de refugiados da RD Congo e levar a cabo uma investigação rápida e imparcial sobre…

Leia mais

“Tratamento deplorável”
aos imigrantes ilegais

O Mosaiko – Instituto para Cidadania, organização não-governamental angolana de defesa dos direitos humanos denuncia o “tratamento deplorável” das autoridades angolanas a “imigrantes ilegais” da República Democrática do Congo, incluindo crianças e grávidas, no quadro da “Operação Transparência” que decorre em Angola. Numa nota de imprensa, o Mosaiko (que teima em julgar que Angola já é o que não é – um Estado de Direito) manifesta-se “bastante preocupado” com a operação de “combate à imigração e exploração ilegal de diamantes”, iniciada a 25 de Setembro. De acordo com o Mosaiko,…

Leia mais

RD Congo reitera boas relações com Angola

De acordo com o Governo angolano, as autoridades da RD Congo foram informadas sobre os “procedimentos” da “Operação Transparência”, iniciada em 25 de Setembro e que já levou mais de 2.600 congoleses a regressar ao país, tendo Kinshasa garantido que a relação bilateral continua “saudável”. Num comunicado do Ministério das Relações Exteriores (MIREX) angolano, é referido que as informações foram prestadas durante um encontro com o embaixador da República Democrática do Congo (RD Congo) em Angola, Didier Kazadi Nyembwa, realizado em Luanda. No documento lê-se que Didier Kazadi Nyembwa foi…

Leia mais

Imigrantes congoleses assassinados em Angola

Imigrantes congoleses e fontes oficiais disseram que dezenas de pessoas foram assassinadas este mês em Angola, num acto de repressão contra a extracção artesanal de diamantes, uma acusação que as forças de segurança angolanas negaram veementemente. Angola, o quinto maior produtor de diamantes do mundo, lançou uma operação nas últimas semanas para afastar dezenas de milhares de pessoas envolvidas na extracção de pedras preciosas no Noroeste do país com o objectivo de atrair mais investimento privado. Muitos são oriundos da vizinha República Democrática do Congo e centenas de milhares convergiram…

Leia mais

CFB reinicia transporte
de minério da RD Congo

O reinício, amanhã, do transporte de minérios da RD Congo (RDC) para o porto do Lobito, através do Caminho-de-Ferro de Benguela (CFB), é uma vantagem para Angola, a julgar que os valores a arrecadar que podem contribuir para o desenvolvimento desta região, disse hoje, domingo, no Luau, a administradora adjunta local, Nora Mahongo. Em declarações à Angop, a responsável considerou de mais-valia a reactivação da operação paralisada há muitos anos, por constituir uma das formas de contribuir na diversificação da económica angolana. “Com a circulação do minério nessa via, o…

Leia mais

Novo campo para recolher refugiados da RDCongo

Os refugiados congoleses distribuídos por dois centros provisórios, esgotados, na localidade angolana do Dundo, começam a ser colocados em Julho no novo campo, com capacidade para 50.000 pessoas, já em preparação e onde vão poder construir o próprio refúgio. A informação foi avançada, no Dundo, pelo director provincial na Lunda Norte do Ministério da Assistência e Reinserção Social (Minars), Wilson Palanca, numa altura em que os dois centros, de carácter temporário e utilizados para registo dos refugiados, implantados à volta da cidade, já esgotaram a capacidade, ultrapassando esta semana as…

Leia mais

A razão da força é connosco

Sua majestade o rei de Angola, José Eduardo dos Santos, reiterou hoje o apoio de Angola para apoiar a República Centro Africana (RCA) na elaboração e execução de um programa para a reorganização e reforço das forças armadas e da polícia nacional daquele país. José Eduardo dos Santos, presidenta há 37 anos no poder sem nunca ter sido nominalmente eleito, discursava hoje no início das conversações entre delegações dos dois países por ocasião da visita de Estado que o seu homólogo da RCA, Faustin Toauderá, realiza a Angola. O chefe…

Leia mais