VISITAR OS DE ANGOLA, TRATAR-SE NOS DA EUROPA OU EUA

Os médicos angolanos suspenderam, por um mês, a greve que durava desde 21 de Março, devido à elevada mortalidade registada nos hospitais e acusam o Governo de ter iniciado “uma caça às bruxas”. Se, ao menos, os membros do Governo/MPLA tivesse de ir, quando estão doentes, aos mesmos hospitais a que recorrem os angolanos… O presidente do Sindicato Nacional dos Médicos de Angola (Sinmea), Adriano Manuel, diz que a decisão de interromper a greve, entre os dias 25 de Abril e 27 de Maio, foi tomada na assembleia-geral. “Temos vindo…

Leia mais

HOSPITAIS SEM CAPACIDADE DE RESPOSTA

Pacientes e familiares queixaram-se hoje da morosidade no atendimento e das condições de acomodação dos hospitais públicos de Luanda, onde o número de doentes nas urgências duplicou no primeiro dia de greve dos médicos “por tempo indeterminado”. A necessidade da melhoria dos serviços ambulatórios foi apontada como uma das dificuldades de quem acorre aos serviços de urgência das unidades hospitalares da capital angolana, sobretudo quando estes registam uma procura considerável, como constatou a Lusa numa ronda pelos principais hospitais de Luanda. Com os médicos em greve a partir das primeiras…

Leia mais

MÉDICOS EM GREVE PARA SALVAR A SAÚDE

O Sindicato Nacional dos Médicos de Angola (Sinmea) anunciou hoje greve nacional a partir de 6 de Dezembro exigindo um “sistema remuneratório especial, pagamento de subsídios e melhores condições laborais”, apesar da “abertura negocial” do Ministério da Saúde. O anúncio da observação de greve, previsto para se efectivar entre os dias 6 e 10 de Dezembro próximo, em todas as unidades sanitárias das 18 províncias angolanas, foi apresentado hoje em conferência de imprensa pelo secretário-geral do Sinmea, Pedro da Rosa. Segundo o sindicalista, a greve foi deliberada em assembleia geral…

Leia mais

UNITA “oferece” certidão (de incompetência) ao MPLA

O grupo parlamentar da UNITA, maior partido da oposição que o MPLA ainda permite em Angola, exigiu hoje ao Presidente da República, ao Presidente do MPLA e ao Titular do Poder Executivo, João Lourenço, o reforço das condições de trabalho nos hospitais, que nos últimos dias entraram em “evidente colapso”. A posição foi expressa num comunicado, alusivo à “dramática situação sanitária em Angola”, que nas últimas semanas, em diversas províncias do país, sobretudo em Luanda e em Benguela, é caracterizada pelo aumento exponencial do número de pacientes afectados principalmente pela…

Leia mais

Daqui a 55 anos estaremos bem

O Presidente angolano, João Lourenço, autorizou a despesa e abertura do procedimento de contratação simplificada para construção, apetrechamento e fiscalização de hospitais nas províncias de Benguela, Malanje e Lunda Norte, no valor de 154 milhões de euros. A decisão demorou muito tempo a ser tomada porque, como em qualquer democracia, o Presidente da República teve de auscultar o parecer do Presidente do MPLA e do Titular do Poder Executivo… No despacho presidencial 87/21 de 4 de Junho, João Lourenço autoriza o contrato de apetrechamento do Hospital Geral da Catumbela, província…

Leia mais

Tenham vergonha!

Profissionais de saúde pediram hoje a intervenção do Presidente Da República, Presidente do MPLA e Titular do Poder Executivo, João Lourenço, para “travar” a escassez de materiais descartáveis, medicamentos e de recursos humanos nas unidades sanitárias, sobretudo em Luanda, que registam enchentes e mortes nos bancos das urgências. É uma vergonha. Segundo alguns profissionais ouvidos pela Lusa, o sistema de saúde primário, sobretudo na capital, “colapsou” e as unidades hospitalares estão a registar em “média entre seis e dez mortes” associadas à malária e anemia. É claro que a culpa…

Leia mais

E se fossem gozar com o…?

Em Portugal, o total de mortos por Covid-19 desde o início da pandemia já é maior que o da Guerra Colonial que durou 13 anos. Está a morrer uma pessoa a cada cinco minutos. Com a devida vénia, transcrevemos o artigo «Miranda do Corvo. Hospital “recusado” pelo SNS transformado em cenário para publicidade», publicado pelo jornal português Expresso em 19 de Outubro pela Jornalista Isabel Paulo. «Multinacional francesa vai gravar esta semana, no Hospital Compaixão, um filme de tributo aos profissionais de saúde da linha da frente no combate à…

Leia mais

Reflexão sobre a saúde pública

A crise não é um mal, caso seja bem gerida. São oportunidades para fazer ajustes, para ir adaptando-se às novas exigências. A crise de saúde existente em Angola e seguirá por muitos anos, é um problema que não será resolvido em um dia, e muito menos com uma simples reforma legal. Num país onde nunca foi debatido um modelo de atenção primária de saúde ou modelo de médico que queremos, que saúde esperamos ter? Por Adão Xirimbimbi “AGX” Jurista A saúde pública em qualquer parte do mundo é um tema…

Leia mais

Catástrofe à vista

O presidente do Sindicato de Médicos de Angola, Adriano Manuel, disse hoje em Luanda que o sentimento entre a classe “é de frustração”, sobretudo pelas debilidades das medidas de biossegurança em relação à Covid-19. Pois, e nos hospitais falta tudo, desde organização, camas, oxigénio, balões respiratórios, casas de banho, água, sabão, papel higiénico, álcool, lençóis, alimentação adequada, higiene… Em declarações à agência Lusa, Adriano Manuel disse que de forma geral a classe médica angolana está preparada para a situação da Covid-19, com o registo já de três casos positivos no…

Leia mais

Agora sim. Só morrerão
os que estiverem… vivos

O combate às grandes endemias, como a malária, VIH/Sida, tuberculose, e a realização de acções para a melhoria na saúde materno-infantil são algumas das prioridades do Ministério da Saúde (Minsa) para este ano. A prioridade é repetida todos os anos, há muitos anos, o que revela mais um falhanço estrondoso do MPLA, o único partido que nos governa há 44 anos. Para a realização dessas actividades, o Minsa promete reforçar estratégias com os parceiros nacionais e internacionais, com quem reuniu para alinhar as necessidades ligadas ao capital humano e as…

Leia mais