PAPEL DA UNIÃO AFRICANA NA DÍVIDA À CHINA

África é um continente que é mencionado múltiplas vezes por causa das suas vastas riquezas naturais. Desafortunadamente, isso não se reflecte na riqueza das populações africanas, que consequentemente sofrem variadas privações. Por Associação Cedesa (*) este contexto, a questão da dívida dos países africanos à China vai ganhando contornos algo preocupantes. Os empréstimos contraídos pelos países da África Subsariana à China conheceram um grande impulso, principalmente a partir do momento que foi estabelecida a Road and Belt Initiative (RBI), em 2013. Esta ambiciosa iniciativa chinesa, que teve como fundamental motivador,…

Leia mais

2ªS, 4ªS e 6ªS COM OS EUA. 3ªS, 5ªS E SÁBADOS COM A CHINA

A consultora BMI Research considerou hoje que a política externa angolana vai aproveitar-se do renovado interesse dos Estados Unidos da América em África, mas sem perder as fortes ligações à China, o maior parceiro comercial de Angola. Isto para além de manter a Rússia no limbo. o sábado já o Folha 8 pergunta: “Em quantos tabuleiros joga o MPLA?”. Na verdade, a estratégia do general João Lourenço é simples. Às segundas, quartas e sextas alinha com os EUA, às terças, quintas e sábados está com a China. Aos domingos mantém…

Leia mais

EM QUANTOS TABULEIROS JOGA O MPLA?

O ministro das Relações Exteriores, Téte António, recebeu ontem o embaixador da Rússia em Angola, Vladimir Tararov, com quem avaliou o estado das relações bilaterais e a exploração de novas oportunidades de cooperação entre os dois países. Pelo sim e pelo não, o MPLA (governo) mantém o divórcio com Moscovo em… “stand by”. urante o encontro, realizado no edifício sede da diplomacia angolana, os dois diplomatas falaram, igualmente, da agenda internacional, com realce para o Fórum Global dos Ministros dos Negócios Estrangeiros, a ter lugar em Socchi, na Rússia, e…

Leia mais

TROCAS COMERCIAIS COM A CHINA CAEM 20% EM 2023

As trocas comerciais entre Angola e a China registam um decréscimo de 20% este ano, comparativamente a 2022, resultado influenciado pela crise financeira mundial, segundo o presidente da Câmara de Comércio Angola-China, em Luanda. uís Cupenala falou à imprensa à margem da Conferência Internacional “Caminhos para o Desenvolvimento: Estudos e Práticas na China e em Angola”, organizada pela Universidade Católica de Angola e pela representação diplomática chinesa no território angolano. Segundo Luís Cupenala, em 2022 as trocas comerciais entre os dois países atingiram os 27,3 mil milhões de dólares (24,8…

Leia mais

CHINA, SOLUÇÃO PARA O PROBLEMA OU PROBLEMA PARA A SOLUÇÃO?

O director do departamento de mercados emergentes da Oxford Economics considera que Angola e Moçambique (países governados desde a independência sempre pelos mesmos partidos, MPLA e FRELIMO) são os estados lusófonos africanos em maior risco de uma reestruturação da dívida, o que seria um processo muito demorado. m resposta a questões da Lusa, Gabriel Sterne disse que “os dois países lusófonos africanos mais em risco de uma reestruturação da dívida soberana são Angola e Moçambique, apesar de ambas as economias terem estado melhor devido aos níveis de produção e preço…

Leia mais

CHINA MANDA, MPLA MAMA, POVO MORRE

Energia e transportes foram os sectores que beneficiaram de empréstimos chineses ao MPLA (Angola), entre 2000 e 2022, num total de 45 mil milhões de dólares (42 mil milhões de euros), um quarto do montante concedido pela China a África neste período. Angola é, aliás, o país que mais dinheiro deve à China. s dados do Centro de Política de Desenvolvimento Global da Universidade de Boston mostram que o maior empréstimo das últimas duas décadas destinou-se à petrolífera do MPLA, a Sonangol. Angola contratualizou 258 empréstimos, somando 45 mil milhões…

Leia mais

A ACTUAL SITUAÇÃO ECONÓMICA NA CHINA E ANGOLA

Crise da economia chinesa: factos e causas. Está a existir um problema na economia chinesa que parece estrutural e poderá afectar as relações com países devedores, como Angola. Vários factores estão a contribuir para uma diminuição do crescimento económico na China e o aumento do desemprego, sobretudo jovem, o que poderá também implicar alguma instabilidade política dentro da própria China. Por CEDESA (*) omecemos por referir alguns dados avulsos recentes[1]: – Os dados de crédito de Julho divulgados no passado dia 11 de Agosto mostraram uma queda na procura de…

Leia mais

VASELINA PARA QUÊ?

Segundo o ministro de Estado para a Coordenação Económica, José de Lima Massano, o Governo angolano, há 48 anos nas mãos do MPLA, diz que tem vindo a intensificar acções para o desenvolvimento do potencial económico do país e dos seus cidadãos com vista a garantir o progresso, a segurança alimentar e nutricional. alando hoje na abertura da II Reunião Orientadora para a Cooperação Económica e Comercial Angola-China, o ministro de Estado reiterou que o Executivo angolano tem procurado melhorar o ambiente de negócios como condição fundamental para a contínua…

Leia mais

A SUA BÊNÇÃO, XI JINPING!

O ministro de Estado para a Coordenação Económica de Angola, José de Lima Massano, pediu hoje aos empresários chineses “mais investimentos” para a produção de alimentos, para o sector da habitação, indústria transformadora e comércio para potenciar a economia angolana. Qual será mesmo o quociente de inteligência desta criatura? osé de Lima Massano, que discursava hoje na abertura do Fórum de Negócios Angola — China (FONAC), enquadrado nos 40 anos de cooperação e relações bilaterais entre ambos os países, disse que o país vai continuar com reformas que concorrem para…

Leia mais

ALÉM DE MAMAR O QUE MAIS FARÁ O MPLA?

O embaixador chinês em Angola, Gong Tao, disse hoje que a China está disponível para continuar a financiar infra-estruturas e a investir no país, destacando igualmente o aumento homólogo de 25% nas trocas comerciais entre os dois países. Ou seja, Pequim quer amarrar (ainda) mais curto o MPLA. ong Tao que foi recebido em audiência pelo Presidente general João Lourenço, abordou com o chefe de Estado (Presidente do MPLA e Titular do Poder Executivo) as relações bilaterais, sublinhando que estão “num bom período do seu desenvolvimento”, no ano em que…

Leia mais