Sem tempo para viver, sem tempo para serem crianças

Crianças angolanas desde sempre e ainda trabalham no garimpo de rocha e extracção de areia até aos “limites da força física”, por menos de 50 euros mensais, para conseguirem pagar a escola, conclui uma investigação realizada pelo professor universitário Domingos da Cruz. O ensaio “Eu vivo das pedras”, apresentado hoje, Dia Mundial da Criança, analisa a situação das “crianças garimpeiras” em várias províncias de Angola, à luz do Direito ao Desenvolvimento infantil, e foi elaborado nos últimos meses por aquele docente e activista, um dos 17 angolanos condenados a prisão…

Leia mais

Ajudemos a Tonilsia

Os familiares da pequena Tonilsia Ferreira Vunge, de apenas 5 anos de idade, residente em Viana, lançam um grito de socorro à sociedade, para que os apoie na evacuação da menina para Portugal, onde deverá receber tratamento médico, a fim de curar-se duma enfermidade que já leva 2 anos. Impotente, a pequena Tonilsia Ferreira Vunge sofre de neoplasia vesical, um tumor maligno na zona genital, facto que gera um desespero na mãe, Isabel Ferreira. “Já fizemos tudo. Estivemos em hospitais como Josina Machel (Maria Pia), Américo Boa Vida, Instituto Angolano…

Leia mais

Assassinato de menino de 14 anos verga as FAA

O Estado Maior General das Forças Armadas Angolanas viu-se comprometido após o assassinato de uma criança de 14 anos de idade no Zango II por soldados da Região Militar de Luanda, sob o comando do tenente general Simão Carlitos Wala. Por Pedrowski Teca Uma onda de descontentamento de cidadãos angolanos (com estrondosa multiplicação internacional) de vários estratos sociais, que exigem justiça sobre o assassinato, obrigou a instância máxima das Forças Armadas a tomar posição quanto às ocorrências que designou como “circunstâncias trágicas”. “Sendo que as Forças Armadas Angolanas têm como…

Leia mais

Carta aberta para João Melo

João de Melo, o nome Rufino António diz-te alguma coisa? Eu posso relembrar. Foi mais uma criança fuzilada pelos kapangas que defendem o teu “socialismo democrático” de Angola, aquele miúdo que questionou as “ordens superiores” dos donos das metralhadoras e dos canhões pelo facto de estarem a demolir a muito pobre residência dos seus pais. Por Domingos Kambunji Por onde andas João, tu que és o defensor da contra-manifestação, quando a oposição reclama por justiça, liberdade, pão?… O João talvez ande a tentar inventar factores externos para explicar a paranóia…

Leia mais

Assassinos

Um menino de 13 anos de idade foi morto à queima-roupa no bairro Walale, zona do Zango 2 (Luanda, Angola), por agentes das forças de segurança do regime de José Eduardo dos Santos comandados pelo tenente-General Simão Carlitos Wala. O único crime que cometeu foi ter questionado a razão pela qual a casa dos seus pais, a sua casa, foi demolia. É a isto que chamam uma democracia e um Estado de Direito?

Leia mais

O fim da civilização

Com apenas 3 anos, o menininho, certamente, não compreendeu bem o que estava acontecendo. Seus pais o conduziram a um barco, dizendo que, após a travessia, tudo seria melhor. Por Gabriel Bocorny Guidotti (*) C omo todo bom filho, obedeceu sem pestanejar. Ele mal sabia da terrível guerra que deixou para trás. Não sabia, igualmente, que a aventura de barco seria a última de sua breve vida. Nessa semana, a foto do pequeno Aylan Kurdi – encontrado afogado em uma praia da Turquia – chocou o mundo, deflagrando os horrores…

Leia mais

Um ano devastador para milhões de crianças

Um ano devastador para milhões de crianças - Folha 8

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) considerou hoje 2014 como “um ano devastador para milhões de crianças”, com 15 milhões de menores apanhados no meio de violentos conflitos em todo o mundo. Por contabilizar ficam as criança que, em Angola por exemplo, são geradas com fome, nascem com fome e morrem pouco depois com… fome. E ste foi um ano devastador para milhões de crianças, afirmou em comunicado o director-executivo da UNICEF, Anthony Lake, ao apresentar o balanço anual da situação da infância no mundo. Crianças “foram…

Leia mais