“Se não fosse Portugal, estava morto. Morto”

Sofreu um grave acidente de moto em Angola. Veio para Portugal fazer reabilitação. Diz que a sua maior vitória é ter voltado a trabalhar. Este domingo, vota pela primeira vez numas presidenciais. Quinto capítulo da série sobre inclusão laboral. Por Ana Cristina Pereira (texto) e Nelson Garrido (fotografia) (*) Até às 16h30, quem liga para o número geral ouve a sua voz: “Centro de Reabilitação do Norte. Muito bom dia. Meu nome é António Jamba. Em que posso ajudar?” Muito se orgulha de trabalhar naquela unidade que presta cuidados de…

Leia mais

A Arte é um privilégio de Deus

Paulo Jazz faleceu na última quarta-feira, 16, no complexo hospitalar, Américo Boavida, em Luanda. Com a sua morte, o país perde um filho virtuoso, detentor de talento raro, e um dos pioneiros na internacionalização das artes plásticas angolanas, logo após a Independência. Paulo Jazz faleceu, aos 63 anos, deixando um enorme vazio no seio dos artistas e familiares. A sua figura imortaliza-se no desenho e na pintura. O finado artista foi uma personalidade incontornável no mosaico cultural angolano. Paulo Jazz, nome artístico de José Paulo Esteves, nasceu em Luanda, em…

Leia mais

Morreu Sindika Dokolo

O marido de Isabel dos Santos, Sindika Dokolo, morreu, esta quinta-feira, no mar no Dubai. A notícia do óbito foi avançada por jornais internacionais, especialmente congoleses, e confirmada por fontes ligadas à família. Tinha 48 anos. A imprensa congolesa adianta que Sindika Dokolo morreu no Dubai, enquanto praticava mergulho. Outras fontes indicaram que a causa da morte foi uma embolia. Sindika Dokolo nasceu em Kinshasa, na República Democrática do Congo, em 1972. Casou com Isabel dos Santos em 2002. O marido da mulher mais rica de África, filha de José…

Leia mais

Todos contra a violência

A violência da polícia angolana (que, como se sabe, é uma falsa acusação posta a circular pelos marimbondos) durante a pandemia de Covid-19 que já fez mais de uma dezena de vítimas, entre as quais o médico Sílvio Dala que, por não usar máscara dentro da sua viatura, foi levada para uma esquadra na qual se… “suicidou”, vai levar os angolanos a sair à rua amanhã, sábado, com duas manifestações marcadas para Luanda. “N ão à brutalidade policial” é o mote do protesto organizado por um grupo de jovens, entre…

Leia mais

MPLA irá concluir que Dala morreu porque estava vivo

A UNITA diz estar indignada com o silêncio do Presidente da República diante da morte do médico Sílvio Andrade Dala, ocorrida numa esquadra da Polícia, em Luanda, em circunstâncias ainda não devidamente esclarecidas. O comandante geral da Polícia, Paulo de Almeida, negou enfaticamente que o médico tenha sido morto por agentes da polícia. Pois. É claro. Terá sido um… suicídio? O secretário-geral do maior partido da oposição que o MPLA ainda permite, Álvaro Chicuamanga, disse à VOA que o mais alto mandatário do país devia ter-se pronunciado nas primeiras horas…

Leia mais

E agora?

A Ordem dos Médicos de Angola (ORMED) solicitou uma nova investigação, independente, sobre as circunstâncias em torno da morte do médico Sílvio Dala, falecido, depois de ter sido abordado pela polícia e levado para uma esquadra por não usar máscara facial. Num comunicado de imprensa, assinado pela bastonária, Elisa Gaspar, a ORMED solicita “imediata revisão do decreto Presidencial, que obriga o uso de máscara a indivíduos que transitem sozinhos em suas viaturas, uma vez que apesar de haver alguma controvérsia sobre o assunto, não existem evidências científicas suficientes para sustentar…

Leia mais

Ainda vão provar que foi suicídio…

O Ministério da Saúde de Angola apelou hoje à calma da comunidade médica, depois da morte do médico Sílvio Dala numa esquadra policial, para onde foi levado por não estar a usar máscara facial, em circunstâncias ainda por esclarecer. Numa nota de condolências, lida pelo secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda, as autoridades expressaram a sua “mais profunda consternação” pela morte de Sílvio Dala, director clínico do hospital materno-infantil de Ndalatando, “destacado em missão de formação no Hospital Pediátrico David Bernardino, em Luanda, na noite do dia…

Leia mais

Médico morre na esquadra

O Ministério do Interior de Angola confirmou a morte de um médico angolano, conduzido pela polícia a uma esquadra, em Luanda, por supostamente circular na via pública sem máscara, obrigatória devido à Covid-19. “Queda aparatosa que provocou ferimentos ligeiros na região da cabeça… Devido ao seu estado grave”? Colegas não acreditam na versão oficial. Certo, dirá um dia destes o ministro das polícias, é que o médico antes de morrer estava… vivo. Em comunicado de imprensa, o Ministério refere que o incidente ocorreu na terça-feira, e após dirigir-se à esquadra…

Leia mais

A (c)ERCA do MPLA

O jornal satírio Charlie Hebdo republicou os cartoons de há cinco anos, que levaram à indignação dos terroristas. A publicação foi feita na página digital do jornal, na véspera do inicio do julgamento dos atentados que espalharam o terror por Paris e provocaram a morte de 17 pessoas. Um ataque terrorista de extremistas islâmicos, em Paris, contra o semanário satírico Charlie Hebdo, no dia 7 de Janeiro de 2015, fez vários mortos, entre os quais alguns jornalistas. Mataram alguns mensageiros. A liberdade, essa continua viva. Assassinaram jornalistas e polícias, em…

Leia mais

Os bons e os…

Faleceu na manha desta quarta-feira, em Luanda, aos 67 anos de idade, o músico Carlos Burity. Encontrava-se doente há já algum tempo. Na segunda-feira falecera Waldemar Bastos. “Se Deus tivesse uma voz seria a de Waldemar Bastos”, disse a cantora portuguesa Dulce Pontes. Por sua vez o MPLA rejeitou a propostas da UNITA para o Parlamento prestar uma homenagem a Waldemar Bastos. Carlos Fernandes Burity Gaspar nasceu em Luanda, no dia 14 de Novembro de 1952, e viveu parte da adolescência no Moxico onde integrou, em 1968, a formação pop-rock…

Leia mais