Alô escritores e poetas angolanos

O Instituto Camões, em parceria com o grupo empresarial português dst, lançou esta quarta-feira, em Lisboa, um prémio literário anual no valor de 15 mil euros que visa distinguir trabalhos de poesia e prosa de escritores angolanos. O Prémio de Literatura dstangola/Camões, apresentado publicamente no auditório do Camões — Instituto da Cooperação e da Língua, visa distinguir, anualmente e de forma alternada, os trabalhos em poesia e prosa de artistas nascidos em Angola, residentes ou não, com obras publicadas no país ou no estrangeiro, nos dois anos anteriores, desde que…

Leia mais

Carta aberta para João Melo

João de Melo, o nome Rufino António diz-te alguma coisa? Eu posso relembrar. Foi mais uma criança fuzilada pelos kapangas que defendem o teu “socialismo democrático” de Angola, aquele miúdo que questionou as “ordens superiores” dos donos das metralhadoras e dos canhões pelo facto de estarem a demolir a muito pobre residência dos seus pais. Por Domingos Kambunji Por onde andas João, tu que és o defensor da contra-manifestação, quando a oposição reclama por justiça, liberdade, pão?… O João talvez ande a tentar inventar factores externos para explicar a paranóia…

Leia mais

Dois dias de “Munda Lusófono”

O 1º Encontro Literário de Montemor-o-Velho decorre no sábado e no domingo naquela vila do Baixo Mondego, em Portugal, e junta escritores, poetas e artistas plásticos de países lusófonos. Do lote de participantes, constam os escritores Rui Zink (Portugal), Maria Celestina Fernandes (Angola), Valentino Viegas (Goa, Índia) e Izabelle Valladares (Brasil), o poeta Arménio Vieira, primeiro cabo-verdiano a receber o Prémio Camões (2009), o ilustrador português Paulo Galindro, escritor e poeta galego Xurxo Nóvoa Martins, e o pintor moçambicano Roberto Chichorro. Intitulado “Munda Lusófono”, referência do rio Mondego no tempo dos Romanos,…

Leia mais