FMI vai de férias e Angola espera

O adiamento da decisão do Fundo Monetário Internacional (FMI) sobre o reforço do empréstimo a Angola (740 milhões de dólares) vai agravar os problemas de liquidez do Tesouro e pressionar as divisas que se encontram ao nível mais baixo de 2020, segundo uma nota do BFA. Segundo a Bloomberg, o FMI decidiu adiar a terceira avaliação do Programa de Financiamento Ampliado, pelo menos até à segunda quinzena de Agosto (quando os seus decisores regressarem de férias), um adiamento “bastante prejudicial”, refere uma nota do Gabinete de Estudos Económicos do Banco…

Leia mais

BFA vai produzir… loengos

O antigo ministro de José Eduardo dos Santos, Rui Mangueira, foi hoje eleito novo presidente do Conselho de Administração do Banco de Fomento Angola (BFA), numa deliberação unânime dos accionistas, informou o banco angolano. Acredita-se que pela primeira vez na história mundial, o MPLA vai conseguir pôr a mangueira a produzir loengos. Os accionistas Unitel, que detém 51,9% do capital, e BPI (os restantes 48,1%) elegeram hoje os seus órgãos sociais para o triénio 2020/2022, designando além de Rui Mangueira, António Domingues e Osvaldo Salvador de Lemos Macaia como vice-presidentes.…

Leia mais

O que hoje custa 100, no
fim do ano custará 124

As perspectivas para a inflação em Angola, não considerando a superior análise dos peritos dos peritos do MPLA, mantêm-se negativas nos próximos meses, estimando-se que chegue aos 24% no final de 2020, segundo o gabinete de estudos económicos do Banco Fomento Angola (BFA). A nota informativa refere que a inflação homóloga, que foi de 16,9% em Dezembro, deverá ir subindo gradualmente “em resultado dos efeitos desfasados da significativa depreciação em Outubro, devendo chegar perto dos 24% no final de 2020”. Em resultado disso, a política monetária deverá manter-se restritiva, servindo…

Leia mais

É obra crescer, estagnar e recuar ao mesmo tempo!

O gabinete de estudos do Banco Fomento Angola considera que a economia petrolífera de Angola vai “seguramente” ter uma quebra acima de 10% no último trimestre de 2018, mantendo o país novamente em recessão económica. “N o caso da economia petrolífera, os dados existentes das exportações permitem antecipar uma quebra anual em torno dos 10%, com o último trimestre do ano a apresentar uma quebra homóloga seguramente superior a esta percentagem”, lê-se na nota do BFA enviada aos investidores. No comentário semanal à economia angolana, o BFA vinca que os…

Leia mais

Não é bem recessão. Então o que é? É apenas… recessão

O departamento de estudos económicos do Banco Fomento Angola (BFA) alerta para a possibilidade de os investimentos em infra-estruturas em Angola serem adiados se for necessária maior consolidação orçamental, mas elogiou o programa do FMI no país. “O programa do Fundo Monetário Internacional (FMI) que foi acordado parece-nos, em geral, moderado e bem desenhado; não assume esforços orçamentais desmesurados (a grande parte da consolidação orçamental ocorreu já por iniciativa do Governo em 2018), e não prevê crescimentos nominais absurdos para justificar a descida da dívida em percentagem do PIB”, escreveram…

Leia mais

Recessão, recuo e (manda
a tradição…) retrocesso

A economia de Angola, que há pelos menos 16 anos aguarda a chegada ao Governo de alguém que saiba o que está fazer, deve contrair-se 1,7% este ano, depois de uma recessão de 0,2% em 2017, e as reservas internacionais devem cobrir 3,5 meses de importações, considera o Governo e o Fundo Monetário Internacional (FMI). De acordo com um conjunto de documentos colocados no site do FMI, o Produto Interno Bruto (PIB) real deve contrair-se em 1,7%, acentuando os 0,2% negativos de 2017, reflectindo um declínio na produção de gás…

Leia mais

Três erres sísmicos: recuo, retrocesso e? E… recessão

O departamento de estudos económicos do Banco de Fomento Angola (BFA) antecipa (sem, como mandam as ordens superiores, o aval da equipa de João Lourenço) que só em 2019 a economia deve estagnar ou recuperar ligeiramente. Isto é, a recessão deve rondar os 4% este ano e, talvez, em 2019 a economia deve estagnar. “2 018 está a ser um ano de declínio económico duro, de 6% no primeiro semestre, e olhando para as exportações petrolíferas programadas até final do ano, o Produto Interno Bruto petrolífero deverá cair 8 a…

Leia mais

Isabel dos Santos quer
novos investidores no BFA

A empresária Isabel dos Santos quer a entrada de novos accionistas no Banco de Fomento de Angola (BFA), onde detém uma participação maioritária, disse em entrevista à agência de informação financeira Bloomberg. Isabel dos Santos falou desta intenção numa entrevista no Egipto, onde está a participar numa conferência numa estância balnear do país, tendo detalhado que a venda deverá ser de 25% do capital do BFA através de uma oferta de acções (IPO – Initial Public Offering, em inglês) a ocorrer em bolsa já no primeiro trimestre de 2018. O…

Leia mais

Mesmo em crise, Angola salva o BPI

O resultado líquido do banco português BPI, no primeiro semestre do ano, ficou acima do esperado. Angola (o país onde, segundo Fernando Ulrich, não existe corrupção) justifica 75% do lucro. Os lucros foram de 105,9 milhões de euros nos primeiros seis meses, mais 39,1% do que no mesmo período do ano anterior. As contas dos primeiros seis meses foram melhores do que o estimado pelo CaixaBI, que apontava para um resultado líquido de 97,5 milhões para o primeiro semestre do BPI. Para apenas o segundo trimestre, a previsão era de…

Leia mais

Frente luso-espanhola contra Angola

Portugal está a fazer o jogo do CaixaBank. É a resposta de Isabel dos Santos à Oferta Pública de Aquisição do BPI, lançada pelo CaixaBank. Justifica a filha do presidente de Angola, através da sa empresa, a Santoro, que “o acordo entre Santoro e CaixaBank nunca foi finalizado”. Não é, formalmente, uma declaração de guerra por parte da filha de sua majestade o rei de Angola, José Eduardo dos Santos, mas está lá perto. Aliás, no principal areópago do regime angolano (o clã presidencial), prepara-se uma resposta violenta que deverá…

Leia mais