PARECER (SÉRIO) NÃO É SINÓNIMO DE SER (SÉRIO)

Os indicadores de confiança das empresas angolanas mantiveram tendência ascendente no primeiro trimestre de 2022, com a conjuntura a apresentar-se favorável para todos os sectores analisados excepto a construção. São, pelo menos, as perspectivas do Instituto Nacional de Estatística (INE). Os dados constam da Folha de Informação Rápida (FIR) sobre a conjuntura económicas às empresas no primeiro trimestre de 2022 divulgado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), revelando a intensidade das principais variáveis do Indicador de Confiança (IC) dos sectores da Indústria Extractiva, Indústria Transformadora, Construção, Comércio, Turismo e Transportes,…

Leia mais

Tirando o que está mal… tudo está bem

A economia de Angola terá registado um crescimento de 1,2% no segundo trimestre deste ano face ao período homólogo de 2021, mas teve uma queda de 2,4% face aos primeiros três meses do ano, segundo dados oficiais. Bem que INE poderia omitir qualquer comparação homóloga… De acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), a economia de Angola registou uma expansão de 1,2% de Abril a Junho deste ano, o que representa o maior crescimento desde o primeiro trimestre de 2019, ainda antes da pandemia de Covid-19, quando…

Leia mais

Nada como ter a barriga cheia para aprender a medir a pobreza

Um grupo de 22 técnicos do Instituto Nacional de Estatística (INE) angolano recebeu formação, de forma virtual, sobre a elaboração do índice de Pobreza Multidimensional (IMP), informou hoje o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). No terreno, refira-se, a pobreza não é virtual tal como os locais onde 20 milhões de angolanos se abastecem de forma livre e gratuita – as lixeiras. Numa nota, o PNUD, que apoiou a formação em colaboração com o INE, sob a égide do Ministério da Economia e Planeamento de Angola, refere que…

Leia mais

Crescer para baixo é o que está a dar…

A economia de Angola registou um crescimento negativo de 5,2% no ano passado, de acordo com os dados preliminares do Instituto Nacional de Estatística (INE), confirmando a maior queda da economia nos últimos cinco anos. Culpados? Todos e tudo… menos o MPLA que, reconheça-se, só chegou ao Poder há… 45 anos. “O Produto Interno Bruto (PIB) em volume encadeado do quarto trimestre de 2020, em comparação com o trimestre anterior, ajustado sazonalmente, registou um crescimento de 0,6%, e em comparação com o quarto trimestre do ano anterior registou uma queda…

Leia mais

Paguemos a ceita para a seita ficar feliz

A economia de Angola registou um crescimento negativo de 8,8% no segundo trimestre deste ano face ao período homólogo, anunciou hoje o Instituto Nacional de Estatística, atribuindo esta “desaceleração acentuada” à pandemia de Covid-19. Em bom rigor a crise deve-se a uma pandemia que, contudo, tem outro nome. Chama-se MPLA-45. “A desaceleração acentuada da actividade económica reflectiu o impacto da pandemia da Covid-19, que se fez sentir no referido trimestre”, lê-se no comunicado sobre as contas de Abril a Junho, que salienta que “a variação negativa é atribuída, fundamentalmente, às…

Leia mais

Contra ordens superiores, crescemos ao… contrário!

O Instituto Nacional de Estatística (INE) de Angola disse hoje que a economia angolana regressou aos crescimentos… negativos no primeiro trimestre, de 0,4%, depois de no último trimestre de 2018 ter crescido 2,6%. Está difícil aos peritos de João Lourenço (muitos já o tinham sido de José Eduardo dos Santos) pôr a carripana a trabalhar. “O desempenho das actividades económicas no primeiro trimestre de 2019 em relação ao primeiro trimestre de 2018, em termos de variação negativa, é atribuído fundamentalmente às actividades de Comércio (-3,2%), Financeiras (-4,8%), Indústria Transformadora (-6,5%),…

Leia mais

Urge exonerar a poeira

O director geral do Instituto Nacional de Estatística (INE) de Angola, Camilo Ceita, assegurou hoje que as cerca de 600 viaturas utilizadas no censo geral da população de 2014 “não estão abandonadas”, mas sim “ao serviço do Estado”. “E ssas viaturas não estão abandonadas, elas serviram para o Registo Eleitoral, Campanha de Vacinação contra a Febre-amarela, Registo Civil e Bilhete de Identidade, e apoiaram, e ainda apoiam, várias actividades da província da Huíla”, disse hoje Camilo Ceita em Luanda. Respondendo aos jornalistas sobre o estado das viaturas, face a relatos…

Leia mais

Censo agro-pecuário nasceu hoje depois de ter nascido em Novembro

Angola lançou hoje, 58 anos depois, a primeira fase do primeiro censo agro-pecuário da sua história enquanto país independente, projecto orçado em 24,9 milhões de dólares (21,6 milhões de euros) financiados pelo Banco Mundial (BM), indicou hoje fonte oficial. Na verdade é, pelo menos, um segundo lançamento. O primeiro foi em Novembro e chamava-se Recenseamento Agro-Pecuário e Pescas (RAPP). A cerimónia de lançamento da primeira fase do censo, virada essencialmente para a formação técnica, foi hoje realizada na província de Benguela pelo director do Instituto Nacional de Estatística (INE) de…

Leia mais

É obra crescer, estagnar e recuar ao mesmo tempo!

O gabinete de estudos do Banco Fomento Angola considera que a economia petrolífera de Angola vai “seguramente” ter uma quebra acima de 10% no último trimestre de 2018, mantendo o país novamente em recessão económica. “N o caso da economia petrolífera, os dados existentes das exportações permitem antecipar uma quebra anual em torno dos 10%, com o último trimestre do ano a apresentar uma quebra homóloga seguramente superior a esta percentagem”, lê-se na nota do BFA enviada aos investidores. No comentário semanal à economia angolana, o BFA vinca que os…

Leia mais

Não é bem recessão. Então o que é? É apenas… recessão

O departamento de estudos económicos do Banco Fomento Angola (BFA) alerta para a possibilidade de os investimentos em infra-estruturas em Angola serem adiados se for necessária maior consolidação orçamental, mas elogiou o programa do FMI no país. “O programa do Fundo Monetário Internacional (FMI) que foi acordado parece-nos, em geral, moderado e bem desenhado; não assume esforços orçamentais desmesurados (a grande parte da consolidação orçamental ocorreu já por iniciativa do Governo em 2018), e não prevê crescimentos nominais absurdos para justificar a descida da dívida em percentagem do PIB”, escreveram…

Leia mais