Estamos (quase) lá!

O Plano Nacional de Geologia (Planageo) angolano, que concluiu o levantamento aéreo geofísico do potencial mineral e geológico do país, a uma altura média de 120 metros, já absorveu quase 260 milhões de dólares (213 milhões de euros), foi hoje anunciado. Segundo o presidente do Conselho de Administração do Instituto Geológico de Angola (Igeo), Canga Xiaquivuila, já foram investidos neste projecto 259,4 milhões de dólares o que corresponde a uma execução financeira de 64%, contando com uma execução física de 66%. O Planageo foi lançado em Maio de 2014 com…

Leia mais

Há minas e… minas

Angola registou este ano 55 acidentes com minas e explosivos não-detonados, segundo o assessor da comissão nacional de desminagem, acrescentando que o país possui ainda 613 áreas afectadas por minas. Será mesmo do interesse do Estado/MPLA acabar com este flagelo? É que as minas podem (continuar a) ser uma mina. Adriano Gonçalves informou que, segundo o registo provisório até à data, a maior parte dos acidentes deu-se com artefactos explosivos não-detonados (bomblets — munições, ‘rockets’, entre outros, lançados por via aérea ou terrestre, através de artilharia, que se espalham pelo…

Leia mais

A mina das terras raras

A Pensana Rare Earths Plc, que detém a concessão do projecto de terras raras de Longonjo, na província do Huambo, anunciou que está em negociações com uma empresa chinesa para a construção da mina. Num comunicado enviado à Bolsa de Valores da Austrália, a Pensana anunciou que a empresa estatal chinesa China Great Wall Industry Corp poderá ser nomeada como empreiteira dos trabalhos de engenharia, contratação e construção do projecto em Angola. A China Great Wall prometeu ainda ajudar a Pensana a obter financiamento junto de bancos comerciais chineses, recorrendo…

Leia mais

Minas (das que matam) não nos largam

Angola libertou, nos últimos cinco anos, 90% das áreas suspeitas de contaminação por minas, mas os progressos não retiraram o país da lista dos 10 estados mais contaminados, segundo um relatório hoje divulgado. Sejamos justos e não imputemos responsabilidades ao Governo de João Lourenço que, como é visível, tem outras prioridades mais importantes e que não passam por salvar angolanos de serem mortos, ou feridos, pelas minas da nossa vergonha. De acordo com o relatório anual da Campanha Internacional para a Erradicação de Minas Terrestres (ICBL, na sigla em inglês),…

Leia mais

A macabra vergonha individual e colectiva

O príncipe Harry declarou-se hoje “honrado” ao refazer os passos da mãe, no hospital para as vítimas de minas, no Huambo, que a princesa de Gales visitou em 1997 e que foi hoje rebaptizado como “Centro Ortopédico Princesa Diana”. O duque de Sussex, que chegou ao hospital depois de ter estado num outro local icónico da visita de Diana, uma antiga estrada minada hoje conhecida como rua 28 de Maio, descerrou uma placa com a nova designação do centro. Na curta visita ao local, Harry passou pelo ginásio, ala pediátrica…

Leia mais

Minas (ainda) andam por aí

Verbas do Orçamento Geral do Estado diminuíram, assim como financiamento internacional. Estima-se que existam em Angola entre 40 a 60 mil vítimas de minas, número que o Governo quer apurar com mais rigor mas que, certamente, precisam do reforço orçamental que o Executivo diz não ter. Angola tem ainda mais de mil campos minados para eliminar, mas perdeu cerca de 90% do seu financiamento internacional para combater o flagelo, o que torna mais difícil cumprir a meta de libertar o país destes engenhos até 2025. Sucedem-se, aliás, as metas, as…

Leia mais

Twapandula Harry!

O Príncipe Harry inicia segunda-feira uma visita a África que inclui no roteiro Angola, onde vai percorrer um antigo campo de minas terrestres visitado há 22 anos pela mãe, Princesa Diana, e encontrar-se com o presidente, João Lourenço. A escala em Angola começa no final do dia de quinta-feira, quando o Príncipe viaja para o sudeste de Angola, para Dirico (Cuando Cubango), onde vai passar a noite num campo de desminagem da organização britânica Halo Trust. É na província do Cuando Cubango que a Halo Trust iniciou recentemente um projecto…

Leia mais

Do rio Okavango às minas e aos chimunos do re(i)gime

O Governo angolano anunciou hoje o investimento de 60 milhões de dólares (54 milhões de euros) para a remoção de minas terrestres da bacia do rio Okavango, no âmbito de uma conferência em Londres. O financiamento, a aplicar num projecto da organização não-governamental britânica Halo Trust ao longo de cinco anos, destina-se a limpar 153 campos minados dentro dos parques naturais de Mavinga e Luengue-Luiana, na província de Cuando Cubango. Na região, disse James Cowan, presidente executivo da Halo Trust, vive 50% da população de elefantes do mundo e tem…

Leia mais

“Novo” milagre dourado

Não é por falta de promessas, previsões, comissões, exonerações e nomeações que a “coisa” não avança. Assim, Angola prevê para este ano o arranque de quatro projectos de exploração de ouro, que vão garantir (diz o Governo) no total a produção anual de 25 mil onças (mais de 700 quilogramas), informou hoje o administrador da concessionária estatal angolana Ferrangol. Kayaya Cahala apresentou hoje, em Luanda, numa palestra “Dados sobre a Actual Actividade do Ouro em Angola”, no âmbito da comemoração do Dia do Trabalhador Mineiro Angolano, que se assinala a…

Leia mais

Toca a procurar… ouro

O Governo angolano atribuiu quatro novas concessões para prospecção de ouro, envolvendo parcerias entre a empresa estatal Ferrangol e privados, numa área total superior a 5.000 quilómetros quadrados (km2) e um investimento de oito milhões de euros. Em causa estão quatro despachos assinados no final de Junho pelo ministro dos Recursos Minerais e Petróleos de Angola, Diamantino Pedro Azevedo, aprovando outros tantos contratos de investimento mineiro para a concessão de direitos de prospecção de ouro. É o caso da concessão situada nas localidades de Candavira e Samboto, no município de…

Leia mais