Só os criminosos idolatram os genocidas

A Plataforma 27 de Maio defende que o presidente angolano, João Lourenço, na qualidade de mais alto representante da nação e do partido do poder há 45 anos, MPLA, deve pedir desculpas públicas às milhares de vítimas dos massacres ordenados por Agostinho Neto em “27 de Maio de 1977”. Por Orlando Castro (*) A proposta foi apresentada na reunião da Comissão de Reconciliação em Memória das Vítimas dos Conflitos Políticos (CIVICOP), altura em que foi feito um balanço de 2020, e contribui, segundo João Saraiva de Carvalho, ele próprio órfão…

Leia mais

Não brinquem com as vítimas, Sr. Ministro

Em entrevista dada ao “Jornal de Angola”, a 28 de Maio, o Ministro da Justiça e dos Direitos Humanos, Francisco Queiroz, volta a abordar o tema do 27 de Maio, repetindo incessantemente os mesmos argumentos ofensivos, ainda assim, sempre coerentes com a história e linha de actuação do regime de partido único, que foi e continuará a ser a cleptocracia/autocracia do MPLA. Por Francisco Valles No início da sua entrevista encontra as raízes do terrorismo de Estado, que caracterizou esses tempos, no contexto do mundo bipolar, pelo passado colonial e…

Leia mais

27 de Maio, nunca mais

Ascensão de Neto ao poder as causas longínquas do fraccionismo. (…) Segundo fontes seguras, em meados do ano de 1962, dois antigos militantes do Partido Comunista português (PCP)[1], o angolano Agostinho Neto e o guineense Vasco Cabral, saem clandestinamente de Portugal com o apoio do partido, a bordo dum iate que os leva até à costa do Marrocos (Dalila Cabrita & Álvaro Mateus, Purga em Angola, ASA, página 28). Segundo uma outra fonte, a bordo do barco de recreio que os transportou, conduzido por Nogueira, um oficial da marinha portuguesa…

Leia mais

Governo não aprende

Já foi votada a nova lei que se inscreve no Plano de Reconciliação em Memória das Vítimas dos Conflitos Políticos. Mas o regime não se deixa ensinar pelos tumultos da história destes últimos 45 anos e criar as condições de reconciliação. Talvez o executivo devesse ouvir Nelson Mandela. Por José Marcos Mavungo (*) Esta quinta-feira, 21 de Maio, os deputados angolanos votaram a Lei do Regime Especial de Justificação de Óbitos ocorridos no país na sequência do longo conflito armado desde 1975, em especial dos crimes de Maio de 1977…

Leia mais

Combater a fome matando
os milhões que têm… fome!

O I Fórum Económico Rússia-Africa integra uma ampla área de exposição de armamento russo, onde empresários de mais de 40 países africanos podem experimentar e encomendar “Kalashnikovs”, sistemas de defesa anti-aérea ou programas de reconhecimento facial. Nada como ajudar a combater a fome matando quem tem… fome. O presidente russo, Vladimir Putin, reuniu quarta-feira e hoje em Sochi chefes de Estado e de Governo de 43 dos 54 países africanos e aproveitou a ocasião para assinar novos acordos de cooperação nuclear e para expor as novidades da indústria militar aos…

Leia mais

Um genocida deve ser abraçado e perdoado?

A comissão liderada pelo Ministério da Justiça e Direitos Humanos de Angola para homenagear as vítimas do conflito político entre 1975 e 2002 aprovou hoje dois projectos de despacho e decreto presidencial, para emitir certidões de óbito. A informação foi avançada no final do sexto encontro da Comissão para a Implementação do Plano de Reconciliação em Memória das Vítimas dos Conflitos Políticos, no qual participou também o ministro da Comunicação Social, João Melo, e representantes dos partidos UNITA, FNLA, PRS e MPLA e organizações da sociedade civil. Segundo o porta-voz…

Leia mais

A macabra vergonha individual e colectiva

O príncipe Harry declarou-se hoje “honrado” ao refazer os passos da mãe, no hospital para as vítimas de minas, no Huambo, que a princesa de Gales visitou em 1997 e que foi hoje rebaptizado como “Centro Ortopédico Princesa Diana”. O duque de Sussex, que chegou ao hospital depois de ter estado num outro local icónico da visita de Diana, uma antiga estrada minada hoje conhecida como rua 28 de Maio, descerrou uma placa com a nova designação do centro. Na curta visita ao local, Harry passou pelo ginásio, ala pediátrica…

Leia mais

Homenagem a quem o MPLA cataloga como vítimas

Do alto da sua torre de sabedoria (que herdou de José Eduardo dos Santos mas à qual acrescentou mais uns degraus), o Presidente João Lourenço ordenou no passado dia 26 de Abril a criação de uma comissão para elaborar um plano geral de homenagem às vítimas dos conflitos políticos que ocorreram em Angola entre 11 de Novembro de 1975 a 4 de Abril de 2002. O plano será apresentado amanhã na Assembleia Nacional. Para mostrar a equidade, a equidistância e a imparcialidade da iniciativa, integram a comissão elementos da sua…

Leia mais

Homenagear ou (mais) um atestado de matumbez?

Do alto da sua torre de sabedoria, o Presidente João Lourenço ordenou hoje a criação de uma comissão para elaborar um plano geral de homenagem às vítimas dos conflitos políticos que ocorreram em Angola entre 11 de Novembro de 1975 a 4 de Abril de 2002. Para mostrar a equidade, a equidistância e a imparcialidade da iniciativa, integram a comissão elementos da sua confiança, todos do MPLA. Aplaudamos, irmãos! Segundo uma nota da Casa Civil do Presidente da República de Angola, João Lourenço inclui entre os conflitos a “intentona golpista…

Leia mais

Vítimas do 27 de Maio terão apoios ainda este… século!

O Governo angolano vai aprovar um estudo para reparar os danos sofridos pelas vítimas de repressão, pelos défices de governação e por perseguição política, anunciou, em Genebra, o ministro da Justiça e Direitos Humanos, Francisco Queiroz. Em tese serão incluídas as vítimas desse “pequeno incidente” em que foram assassinados pelo MPLA milhares e milhares de angolanos nos massacres do 27 de Maio de 1977. Segundo o governante, que falava na 125ª sessão ordinária do Comité para os Direitos Humanos das Nações Unidas, o estudo prevê ressarcir as vítimas dos massacres…

Leia mais