Está difícil viver sem… comer

Cidadãos em Luanda dizem-se “desiludidos” com a governação de João Lourenço, eleito (não nominalmente) há quatro anos, apontando a “degradação socioeconómica, o desemprego e altos preços dos produtos” como “grandes males”, enaltecem o combate à corrupção, mas pedem “resultados práticos”. João Lourenço foi eleito como cabeça-de-lista do partido vencedor, o MPLA, em 23 de Agosto de 2017 como novo Presidente da República em substituição de José Eduardo dos Santos, que esteve no Poder durante 38 anos. Populares em Luanda consideraram hoje crítica a situação do país, com o “escalar” do…

Leia mais

Presidente procura-se!

A UNITA, o maior partido da oposição que o MPLA ainda permite que existe em Angola, considerou hoje que o Presidente angolano (igualmente presidente do MPLA e Titular do Poder Executivo), João Lourenço, “foi sequestrado por uma elite antipatriótica, insensível, corrupta e antidemocrática”, referindo que os seus discursos e acções de há três anos “foram substituídos pela hipocrisia”. “Procura-se o Presidente João Lourenço de 2017, 2018 e 2019”, afirmou hoje o presidente do grupo parlamentar da UNITA, Liberty Chiyaka. Para o político da UNITA, que falava hoje em conferência de…

Leia mais

A frustração da primavera Lourencista

Quando, em 2017, João Lourenço tomou posse como Presidente de Angola, gerou-se uma enorme expectativa. Com o fim do consulado de Eduardo dos Santos, vinha uma nova equipa que prometia progresso, combate à corrupção endémica, desenvolvimento, maior qualidade de vida. Por Paulo de Morais (*) É certo que Lourenço e o seu vice-presidente, Bornito de Sousa, pertenciam à nomenclatura que, com Dos Santos, tinha governado o país de forma corrupta e tinha afastado os angolanos dos caminhos do desenvolvimento. Mas, mais do que expectativa, foi a esperança que se instalou.…

Leia mais

A (des)ilusão do aprendiz de presidente

Já vai muito longe, o tempo em que João Lourenço queria que acreditássemos que era o presidente da mudança, o tempo em que tentava mostrar-nos que era um presidente normal que podia parar na estrada perante o sinal vermelho do semáforo. Por Osvaldo Franque Buela Esses tempos de aprendizagem do cargo de presidente já fazem parte da história, e que infelizmente ninguém irá lembrar-se, dados os danos já causados pelo seu estilo de governação. Um estilo de governo marcado pela covardia, pela traição, pelo aumento da violência de todos os…

Leia mais

Angola em tempos de incertezas

O discurso do Presidente da República de Angola, João Lourenço, na abertura da 4ª sessão Legislativa da IV Legislatura não tem credibilidade. A intervenção é pobre para a crise instalada há 45 anos. Na quinta-feira, 15 de Outubro, o Presidente da República destacou os efeitos provocados pela pandemia da Covid-19 na economia e assegurou que seu Governo “vai continuar a apostar na política de desenvolvimento e diversificação económica, bem como na estabilidade macroeconómica”. Por José Marcos Mavungo (*) Li ao pormenor o bonito discurso do Chefe de Estado angolano, na…

Leia mais

Angola: esperanças em baixa

O combate à corrupção desencadeado pelo presidente João Lourenço tem como alvo pessoas ligadas ao seu antecessor, José Eduardo dos Santos. Só que começam a surgir casos que envolvem figuras próximas do atual presidente de Angola. Por Sarsfield Cabral (*) Prossegue a campanha do presidente de Angola, João Lourenço, contra a corrupção e em especial contra alegadas ações ilegais cometidas por próximos do seu antecessor, José Eduardo dos Santos – a começar pela filha do ex-presidente, Isabel dos Santos. Relativamente a operações suspeitas, João Lourenço diz que terão sido desviados…

Leia mais

(Des)iludido para sempre?

Antigo primeiro-ministro, Marcolino Moco manifesta-se “desiludido” com o rumo do país na actual governação de João Lourenço. Em exclusivo ao Novo Jornal, critica a metodologia adoptada para o funcionamento das instituições do Estado e a forma como está a ser levado a cabo o processo de combate à corrupção no país. Por Orlando Castro Sobre o (suposto e fátuo) combate à corrupção, Marcolino Moco considera que “não passa de uma decepção”, uma vez que o poder político continua a interferir nos tribunais. “Colocar esta questão do combate à corrupção no…

Leia mais

A memória de cada um… de nós

E, agora, é chegado o segundo (horário) de cada um de nós, reconhecer a contribuição, voluntária ou involuntária, sobre o estado vegetativo em que, desgraçadamente, se encontra o país. É o minuto de assumir, se havia consciência-nacionalista do que seria a pedra de cada “eu”, no cabouco independência/1975. Por William Tonet É a hora de reconhecer se houve competência em se elaborar um verdadeiro “projecto-país”, no virar da página colonial ou, apenas, a implantação de projecto partidocrata de viés neocolonial, sob o nosso silêncio cúmplice? É, pois, chegado o momento,…

Leia mais

JLo à luz de Picasso

É sobejamente conhecida aquela sensação de amor à primeira vista e de que como esta determina o início uma nova era tal como numa epifania ou num achaque religioso evangélico. Subitamente, libertámo-nos de amarras antigas ingressando de rompante num admirável mundo novo (não propriamente o de Aldous Huxley – o neto – que em parábolas assombrosas discorreu sobre a desumanização e subjugação dos seres humanos o que não raramente acontece em amores à primeira vista). Por Brandão de Pinho Senti isso algumas vezes na vida. Em relação a questões íntimas…

Leia mais

Eram escudo e lança forte, as palavras!

1991 foi um ano muito importante para os Angolanos. Vivíamos um tempo de esperança. Acreditámos que era possível mudar, libertarmo-nos da ditadura marxista-leninista, dos populismos castrantes e das perseguições políticas absolutamente gratuitas que vitimaram milhões de inocentes. Queríamos mudança, viver em paz e em democracia. Queríamos ser livres e aspirávamos à prosperidade. A felicidade parecia-nos então tão perto, tão próxima que quase a podíamos ter nas mãos. Por Adriano Parreira Doce ilusão, miragem num deserto de intolerância. Na verdade, nunca estivemos tão longe dos nossos sonhos, que nunca chegariam a…

Leia mais