Só falta pôr a data na certidão de óbito

O Sindicato dos Jornalistas Angolanos (SJA) manifestou-se hoje preocupado com o “recuo sistemático” da liberdade de imprensa em Angola, sobretudo com o “afrouxar da abertura” dos media públicos, lamentando a “suspensão” do canal SIC Notícias no país. Em síntese, tal como o Folha 8 alertou há três anos, não há jacarés vegetarianos e os seus filhos só podem ser… jacarés. “N ão há dúvidas de que a sociedade, do modo geral, e a própria classe jornalística vai sentindo já um recolhimento, ou se quisermos um afrouxar da abertura que os…

Leia mais

A verdade é um “vírus” que
às vezes dói, mas que salva

O Sindicato dos Jornalistas Angolanos (SJA) exortou hoje os profissionais a observarem a ética ao extremo na publicação de matérias associadas ao novo coronavírus, principalmente nas redes sociais, aplaudindo o empenho e prontidão dos órgãos da comunicação social. O posicionamento foi manifestado pelo secretário-geral do SJA, Teixeira Cândido, apelando aos jornalistas para terem sempre como recurso as fontes oficiais na divulgação de informações relacionadas com a pandemia da Covid-19, sobretudo nas redes sociais. “Nesta fase [do novo coronavírus] é um apelo à ética da classe, porque devemos levar a ética…

Leia mais

Toca a usar fato, gravata
e, diz o MPLA, bico calado!

O Sindicato dos Jornalistas Angolanos (SJA) repudia de forma “veemente” a atitude dos funcionários do governo (MPLA) da Província da Lunda Norte, que impediram jornalistas de fazerem a cobertura de um evento por não usarem fato e gravata. Provavelmente esses sipaios não sabem contar até 12 sem se descalçarem, mas quando se é do governo… tudo é permitido. Em comunicado, o sindicato refere que os jornalistas da Rádio Nacional de Angola e do Jornal de Angola (apesar  de serem de órgãos afectos ao Governo, ou talvez por isso mesmo) foram…

Leia mais

Portugal ou engole sapos
ou terá de engolir… sapos

O Sindicato das Indústrias Transformadoras e Energia do Norte de Portugal admitiu hoje “apreensão” com o arresto das contas e participações em empresas da empresária angolana Isabel dos Santos, mas avisa que não pode ser pretexto para novos despedimentos na Efacec. Pois é. E que terá, agora, a dizer o Governo socialista de António Costa que colocou Isabel dos Santos nos píncaros da imaculidade empresarial? Num esclarecimento enviado à comunicação social, o Site-Norte admite “apreensão” com a situação, apesar de o arresto “não abranger as empresas em Portugal, nomeadamente o…

Leia mais

A luta continua

Exercer actividade jornalística em Angola, sem possuir um documento emitido pela Comissão da Carteira e Ética é crime, revelou, em Luanda, a presidente da comissão, Luísa Rogério. A casa, que se quer comum a todos os jornalistas, começa a ser construída. A luta continua porque não há comparação entre o que se perde por não tentar e o que se perde por fracassar. Apenas por uma questão de memória, recordamos que em Julho de 2015 a então Secretária-Geral do Sindicato dos Jornalistas, Luísa Rogério, disse que os jornais Folha 8…

Leia mais

Médico com emprego só se
for bom (ou seja, do MPLA)

O Sindicato Nacional dos Médicos de Angola, provavelmente infectado pelo vírus de algum marimbondo, acusou hoje o Ministério da Saúde de cometer “várias irregularidades”, nomeadamente “falta de definição” nos resultados do concurso público de Janeiro de 2019 e a “pretensão de trabalhar com médicos voluntários”. Assim não vale! Todos temos de deixar de azucrinar a equipa de João Lourenço que, afinal, ainda preciso de mais uns anos – provavelmente muitos – para pôr a casa na ordem. “O facto de o Ministério apelar ao voluntariado aos médicos recém-formados, ou seja,…

Leia mais

Jornalistas da RNA e da TPA acordaram? Será mesmo?

Os jornalistas da rádio e televisão públicas de Angola (RNA e TPA) ameaçaram hoje convocar uma greve caso as administrações das duas empresas se recusem a aceitar as exigências contidas num caderno reivindicativo a entregar segunda-feira de manhã. A decisão foi tomada por cerca de cinco dezenas de profissionais da comunicação social da Rádio Nacional de Angola (RNA) e da Televisão Popular de Angola (TPA) durante uma reunião com o Sindicato dos Jornalistas Angolanos (SJA), em que foi redefinido o caderno de reivindicações exigidas há quase um ano. Em declarações…

Leia mais

Ética, sim. Açaimo, não!

Os jornalistas angolanos ainda exercem a actividade sem carteira profissional, situação que associações e sindicatos do sector querem ver ultrapassada “com urgência”, inicialmente, com a aprovação do Código de Ética e Deontologia, cuja consulta pública decorre, foi hoje anunciado. A situação foi relatada hoje à agência Lusa pelo secretário-geral do Sindicato dos Jornalistas Angolanos (SJA), Teixeira Cândido, referindo que Angola é dos poucos países, na África Austral, com jornalistas sem uma carteira profissional, afirmando que o Código de Ética deve dar lugar à Comissão de Carteira e Ética. “Estamos a…

Leia mais

Professores ameaçam com mais uma greve nacional

O Sindicato Nacional dos Professores Angolanos (Sinprof) ameaça condicionar a realização das próximas provas de avaliação no ensino geral e avançar para uma nova greve nacional, alegando incumprimentos do Governo, sobre o memorando de entendimento assinado em Abril. Num comunicado de imprensa (que se reproduz na íntegra), o Sinprof acusa o Governo de incumprimentos no cronograma das acções previstas no memorando que em Abril levou ao levantamento da terceira fase da greve dos professores no ensino geral. Segundo o sindicato, o Governo não cumpriu a terceira acção do referido memorando,…

Leia mais

Funcionária falecida foi suspensa. Na ENP, pois claro

A direcção da Empresa Nacional de Pontes de Angola, que não paga salários há 54 meses, suspendeu 82 trabalhadores, mais de 70 em idade de reforma, e toda a comissão sindical, denunciou hoje o sindicato. A razão da força volta a impor-se à força da razão. Se o regime é o mesmo há quase 43 anos… A informação foi transmitida hoje pelo primeiro secretário da comissão sindical daquela empresa pública, Mateus Alberto Muanza, que considerou “inaceitável, desumana e ilegal” a medida da direcção da empresa, porque deveriam antes ser liquidados…

Leia mais