Pó-de-arroz

O Estado (ou seja, há 45 anos, o MPLA) assumiu recentemente a gestão de vários grupos de comunicação social privados, constituídos (como o próprio MPLA, como tudo em Angola) com fundos públicos, entre os quais o Media Nova S.A, que integra a TV Zimbo e a Rádio Mais. Pelas mesmas razões, foram criadas comissões de gestão na TV Palanca, Rádio Global e Agência de Produção de Programas de Áudio e Visual, detidas, até ao dia 28 de Agosto, pela empresa Interactive Empreendimentos Multimédia, Lda. De acordo com os manuais, a…

Leia mais

A (c)ERCA do MPLA

O jornal satírio Charlie Hebdo republicou os cartoons de há cinco anos, que levaram à indignação dos terroristas. A publicação foi feita na página digital do jornal, na véspera do inicio do julgamento dos atentados que espalharam o terror por Paris e provocaram a morte de 17 pessoas. Um ataque terrorista de extremistas islâmicos, em Paris, contra o semanário satírico Charlie Hebdo, no dia 7 de Janeiro de 2015, fez vários mortos, entre os quais alguns jornalistas. Mataram alguns mensageiros. A liberdade, essa continua viva. Assassinaram jornalistas e polícias, em…

Leia mais

Quem (m)ERCA sempre mama

A Assembleia Nacional recomendou à Entidade Reguladora da Comunicação Social (ERCA) de Angola que passe a anexar, nas próximas vezes, ao relatório de actividades o de execução financeira. A recomendação foi hoje feita na reunião de apreciação do Relatório de Actividades da ERCA de 2019, pelas primeira, quarta, quinta e sétima comissões de especialidade parlamentar. Para além da referida recomendação, os deputados exortam igualmente que a ERCA seja beneficiada com recursos para aquisição de bens, serviços e equipamentos para o cumprimento das suas competências e que continue a acompanhar a…

Leia mais

Porta-moedas profissional

Constituem direitos do jornalista: A liberdade de criação, expressão e divulgação; A liberdade de acesso às fontes de informação; Acesso aos locais públicos, quando no exercício da sua actividade; A garantia de sigilo profissional; A garantia da independência e da cláusula de consciência; A liberdade de associação nas organizações socioprofissionais e sindicatos; Eleger e ser eleito como membro do Conselho de Redacção; Ser titular da Carteira Profissional. Sem prejuízo do disposto na Lei de Imprensa e no respectivo Código de Ética e Deontologia Profissional, constituem deveres do jornalista: Exercer a…

Leia mais

O “herói” do MPLA

O decorrer do tempo é muito sacana para desmascarar os demagogos… Ainda há poucos dias o Comité Central do MPLA estabeleceu um “acordo de cooperação de interesse mútuo” com a Fundação Agostinho Neto para apresentarem uma queixa na ERCA do MPLA contra o Folha 8 (F8), por, num post no Facebook, ter publicado uma crítica sarcástica ao Pai dos Fuzilamentos do 27 de Maio e Fundador da Guerra Civil, Agostinho Neto. Por Domingos Kambunji A notícia que caiu do céu ou subiu do inferno diz que o Tribunal da Comarca…

Leia mais

Jornalismo imparcial

O 3 de Maio, Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, assinalou-se este ano sob o lema: “Por um jornalismo independente e imparcial”. O texto que se segue é da autoria da ERCA – Entidade Reguladora da Comunicação Social Angolana e, como todos os artigos de opinião, responsabiliza apenas e só o seu autor, não vinculando o Folha 8. Por ERCA – Entidade Reguladora da Comunicação Social Angolana (*) A Agência da ONU para a Educação e Cultura/UNESCO, que tutela esta celebração, está preocupada com a sobrevivência do jornalismo profissional de…

Leia mais

O re(i)gime no seu melhor

O país, segundo Irene Neto, filha de Agostinho Neto e presidente do Conselho de Administração da Fundação com o mesmo nome, é não só um clã familiar, como também ideológico à boa moda das monarquias romanas. No caso angolano, estando no poder, uma monarquia partidocrata, esta não deve prescindir das arenas, onde se lançam os adversários e inimigos às feras, para serem degolados, sempre que divergirem das ideias da corte, rejeitarem a boçalidade imperial ou prescindirem da escravatura. Nestes casos e por entristecerem a princesinha do reino, a justiça não…

Leia mais

MPLA inaugura precedente revisionista da História

Mário Pinto de Andrade, primeiro presidente do MPLA, morreu no exílio, tal como Viriato da Cruz, criador do manifesto do amplo movimento de libertação de Angola. Porém, se Viriato da Cruz morreu em 1973, já o primeiro presidente do MPLA “viu” (por um binóculo) a celebração da Independência do país pelo qual se bateu e só faleceu em 1999, depois de ter sido cooptado pela Guiné Bissau, onde exerceu o cargo de Ministro da Cultura. Por José Luís Mendonça (*) O ostracismo de figuras adversas à linha ideológica da cúpula…

Leia mais

O vírus dos néscios

Para fazer parecer, nada mais do que isso, que Angola é um Democracia e um Estado de Direito, o MPLA copiou algumas coisas de outros países, entre elas a Entidade Reguladora da Comunicação Social Angolana (ERCA). Foi, como acontece com outras “coisas” similares, uma cópia foleira. Por Orlando Castro Já em Junho de 2018 a ERCA assinalou «com preocupação, a publicação, pelo jornal “Folha 8”, em edições “on line”, de fotomontagens que atentam contra os direitos de personalidade de dignitários do Estado angolano, como o Chefe de Estado, os antigos…

Leia mais

Cérebro no intestino grosso

A Entidade Reguladora da Comunicação Social Angolana (ERCA) condenou o que erradamente considerou gravíssimos abusos de Liberdade de Imprensa por parte do Folha 8 que, por uma questão de respeito ao jornalismo e aos jornalistas, considero um respeitável Jornal. Por José A.R. Quimo Aquilo que defende uma aberração genética que dá pelo nome de Artur Queiroz, o sanzaleiro, é outra coisa que tem mais a ver com extorsão, chantagem e venda de intrigas e calúnias no mais absoluto desprezo pela Lei, a Ordem Pública e o regime democrático. É um…

Leia mais