Angola é Luanda. O resto?
Bem, o resto é só paisagem

A Associação dos Hotéis e Resorts de Angola (AHRA) lamentou hoje a falência de muitas unidades hoteleiras do país, originada pela “brutal redução das taxas de ocupação”, apontando, no entanto, uma “considerável subida” nas taxas de Luanda. Como nos tempos coloniais, Angola continua a ser Luanda e o resto paisagem. “T rouxemos também para o debate as causas que têm levado a termos maior constrangimento neste momento e que provoca uma brutal, para não dizermos dramática, baixa de taxas de ocupação e que tem estado a levar à falência muitas…

Leia mais

Operários (quem diria?) desesperam na pobreza

Mais de 1.700 ex-operários dispensados sem indemnizações e salários, à procura de reforma, são vistos como um ‘’fardo pesado’’ para o sector da indústria na província de Benguela, incapaz de solucionar o problema, escreve a VoA, acrescentando que de acordo com o Sindicato da Indústria, a falência de empresas atirou para o desemprego várias centenas de cidadãos, que se queixam de falta de condições financeiras para o sustento das suas famílias. A Califórnia recusou convite… Os casos da África Têxtil e da Lusalite e Previdente de Angola (Lupral), saltam à…

Leia mais

Crédito malparado e encerramento de bancos

A percentagem de crédito malparado em Angola diminuiu 0,5 pontos, para os 28,3% no final de Dezembro de 2018 face ao homólogo de 2017, de acordo com dados do Banco Nacional de Angola. FMI pode “ordenar” o encerramento, este ano, de mais bancos. Segundo os dados das Estatísticas Monetárias, o total de empréstimos durante o ano passado chegou a 4,16 biliões de kwanzas, o que equivale a 11,7 mil milhões de euros ao câmbio do final do ano passado, dos quais 3,33 mil milhões de euros eram relativos a crédito…

Leia mais

Dívidas de 2017 da CNE afundam hotelaria

O processo eleitoral de 2017 continua a estar envolto num mar de suspeições em toda a dimensão, pese ser, superiormente, gerida por um juiz, Silva Neto, talhado na alta corte do judiciário: Tribunal Supremo, onde se jubilou, mas cujos créditos, na condução da Comissão Nacional Eleitoral, têm ficado em mãos alheias. Desde as denúncias de procedimentos ilegais, feitas pelos comissários eleitorais, à fraude denunciada pelos partidos políticos, por não ter havido escrutínio em 15 das 18 províncias, as caloteirices aos prestadores de serviços, um pouco por todo o país. É…

Leia mais