MINISTÉRIO DA LUSOFONIA PROCURA-SE!

No dia 9 de Julho de 2004, o então presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia (Portugal), Luís Filipe Menezes, defendeu a criação de um Ministério para a Lusofonia, independente do Ministério dos Negócios Estrangeiros, e a “naturalização de todos aqueles que queiram ser portugueses”. Por Orlando Castro ais tarde, agora pela mão eleitoral do PS, partido que governa Portugal, surgiu a ideia do Estatuto do Cidadão da CPLP, que na prática poderia proporcionar a livre circulação de pessoas oriundas dos países de expressão portuguesa. Embora o primeiro…

Leia mais

MPLA PROMOVE, 47 ANOS DEPOIS, NOVO COLONIALISMO

A esquina 47 é aqui: Fome & Pobreza! A próxima, esquina 47, é ali: Discriminação e injustiças. O ali, qual Morro do Mbinda (Uíge-Norte), pelas três tribos políticas, em disputa (1974-75) para o controlo do Reino do Kongo, com o “vencedor” a esmerar-se, competentemente, no assassínio do bago vermelho (café), 3.º produtor mundial (230.000 ton.) e, mais grave, ainda, foi a desconstrução total da geografia mental do Mbinda do Morro e de todos outros, cuja geografia mental, que sem curvas territoriais geográficas, caboucava nas mentes sonhadas de milhões, canções de…

Leia mais

AINDA SE LEMBRAM DE CARLOS CARDOSO?

Passa dentro de dias mais um aniversário da morte de Carlos Cardoso. Foi assassinado, em Moçambique, porque como Jornalista fazia uma séria investigação à corrupção que rodeava o programa de privatizações apoiado pelo Fundo Monetário Internacional. Por Orlando Castro Escrevo antes do dia da sua morte para dar tempo, se é que alguém se importa com isso, aos donos da verdade que imperam na imprensa lusófona para não dizerem que ninguém os lembrou… Para Mia Couto, «não foi apenas Carlos Cardoso que morreu. Não mataram somente um Jornalista moçambicano. Foi…

Leia mais

A NOVA ARQUITECTURA COLONIAL DE JOÃO LOURENÇO

Os patriotas de todas as tribos políticas, incluindo os do MPLA, não poderão, até o final de 2027, continuar impávidos e serenos a assistir à implantação de um sistema económico neoliberal escravocrata, na linha de um “novo colonialismo”, que oprime a maioria dos angolanos através do controlo e domínio da maioria da soberania económica. É preciso uma revolução capaz de enveredar o barco para uma independência imaterial. Por William Tonet A maioria dos autóctones discriminados, hoje, mais do que nunca, têm a certeza de estarem a ser conduzidos para uma…

Leia mais

TRIBO POLÍTICA DOMINANTE COM PARAFUSO A MENOS

As águas do rio, foram, mais uma vez (1975-2022), ensanguentadas na foz, quando o oceano as aguardava, com uma solenidade, que cobriria já o 24 de Agosto de 2022, emprestando-lhe as novas sementes da democracia cidadã, exercida nas localidades, através do voto de proximidade. Infelizmente, elas não constituíram o barómetro e, agora (2022), mais uma vez, ditatorialmente, os eternos prometedores, assanhadamente, vêm mostrar que mandam, mais que as instituições e, se depender deles, nunca haverá autarquias. Por William Tonet O país, oh “kunçaraças” parou! A tão ansiada afirmação do poder…

Leia mais

(DES)ENCANTOS JORNALÍSTICOS

Hoje, no duaslinhas.pt, o Jornalista Carlos Narciso apresenta-nos um excelente trabalho – dos muitos que fez – em Timor-Leste e que data do tempo em que havia Jornalistas. Hoje, diz-nos que há, pelo menos, 825 cidadãos timorenses a viver em Portugal, sem casa, sem trabalho, vítimas de exploração e de toda a sorte de abusos. Por Orlando Castro Em Abril de 2012, um jornalista francês tinha desaparecido no sul da Colômbia, na sequência de um ataque da guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) contra o exército. Os jornais…

Leia mais

A NOVA PRESA POLÍTICA DE JOÃO LOURENÇO

Há razões para supor que João Lourenço inaugurou uma nova guerra, desta com o clã Dias dos Santos (no qual se inclui a 1.ª Dama) estando disposto a correr todos os riscos, incluindo o de ser, mais uma vez, copiosamente derrotado, em 2027, por uma margem de votos, ainda maior, que os de 2022. Por William Tonet Depois dos péssimos resultados eleitorais colhidos com a perseguição, até à morte do ex-presidente da República, José Eduardo dos Santos, o novo e último quinquénio, de acordo com a Constituição (n.º 2, do…

Leia mais

JOÃO LOURENÇO ERROU, ERROU, ERROU, E…

O actual presidente do MPLA e da República não soube interpretar Maquiavel, quando este disse: “o príncipe tem de ter virtude e fortuna”. João Lourenço tem fortuna, falta-lhe a virtude. João Lourenço tem armas, falta-lhe a virtude. João Lourenço tem poder, falta-lhe a virtude. João Lourenço tem a legalidade, falta-lhe a virtude da legitimidade. Por William Tonet O quadro é de rejeição ao regime (47 anos de poder autocrático), ao presidente do MPLA, João Lourenço, ao Presidente da República, João Lourenço e ao comandante-em-chefe, João Lourenço. É triste, hoje, ter…

Leia mais

TOMÁS COMETEU CRIME PASSIONAL, CÍVEL OU DE PECULATO

O MPLA é uma organização criminosa? Verdade ou mentira, tudo incrimina… A tribo política angolana, ao longo de 47 anos, de mando único: MPLA, assiste coisas e loisas indecifráveis, ao comum dos cidadãos, mesmo com lupa. É o apogeu da competência da incompetência da gestão da coisa pública e da aplicação de justiça inquisitorial. Por William Tonet O juiz Daniel Modesto Geraldes dá pistas inquisitoriais reluzentes ao considerar, no 27 de Setembro de 2022, CRIMINOSO, o cidadão Mbinda, Augusto da Silva Tomás, antigo ministro dos Transportes do MPLA, para negar…

Leia mais

RACISMO É RACISMO, SEJA PORTUGUÊS OU ANGOLANO

A activista social angolana e promotora da marcha contra a imposição de penteados nas escolas, Arminda Milena Ernesto, defendeu hoje que é preciso “desmistificar” o problema do uso de cabelo crespo e promete continuar a lutar contra o “racismo capilar”, culpando os colonos portugueses que já cá não estão há 47 anos. Por Orlando Castro (*) Arminda Milena Ernesto, em declarações à agência Lusa, manifestou a sua indignação sobre os regulamentos internos de algumas escolas sobre o uso de cortes de cabelo, que associou a uma imposição de valores associada…

Leia mais