Canino e galináceo sipaio do MPLA

Ontem, João Pinto, um invertebrado sipaio/deputado do MPLA, escreveu sobre agressões dos manifestante pró-UNITA a jornalistas da TV Zimbo, recorrendo a uma foto do jornalista guineense Adão Ramalho, espancado no passado dia 12 de Março, em Bissau. Por Orlando Castro A detenção, em 2015, nos Estados Unidos da América, de várias pessoas acusadas de apoiarem a organização terrorista “Estado Islâmico” foi usada pelos invertebrados sipaios do regime do MPLA como pretexto para afirmarem que a prisão de várias pessoas acusadas de quererem derrubar o governo de Angola é algo “perfeitamente…

Leia mais

A ausência de memória

Esta reflexão é uma singela homenagem ao Rui Oliveira, recentemente falecido, e um grito de revolta pela falta de memória de quem dirige a UNITA. O facto de eu ter sido militante da UNITA (nº 53 149 e membro nº 11 da JURA no Huambo, da qual, aliás, fui secretário do Departamento Cultural do Comité do Huambo) não me dá qualquer especial legitimidade. Mas também não ma tira. Por Orlando Castro Não sei se qualquer reflexão que ultrapasse o círculo de bajuladores, nesta caso da UNITA, onde também os seus…

Leia mais

Fuga ao apuramento eleitoral municipal

Um autóctone honesto, que acompanha os 46 anos de (des)governação “made in MPLA”, afinal o verdadeiro CORONA VÍRUS dos angolanos, não acredita que uma “víbora possa virar minhoca”, mesmo estando na Angola profunda, onde o sol queima mais, a fome é severa e a miséria indescritível. Por William Tonet O cepticismo inicial nunca me levou a condenar quem, ingenuamente, tinha uma réstia de esperança na higiene intelectual de muitos dirigentes do MPLA e, fundamentalmente, dos seus deputados, neste momento crucial, em que estão preparadas as condições, objectivas e subjectivas, para…

Leia mais

Quando o incrível invade o jurídico

O mundo, desde a antiguidade, nas congregações gregárias, sempre teve condutores de homens, talhados por acções positivas, quando escravos das normas e práticas costumeiras, que os impele a servir, indistintamente, os cidadãos e o espaço geográfico. Em Angola, infelizmente, desde 1975 a ideologia autoritária e discriminatória, acaparou-se do poder, elegendo, desde então, o cartão de militante como critério de direcção e gestão dos órgãos públicos, ao invés do bilhete da competência e cidadania. Por William Tonet A competência deixou de ser um atributo válido para o exercício de funções nos…

Leia mais

Amém Presidente!

O Presidente angolano (João Lourenço), bem como o Presidente do MPLA (João Lourenço) e o Titular do Poder Executivo (João Lourenço) “disseram” hoje que um país não se constrói em dez anos, tempo de mandato permitido constitucionalmente, e que vem cumprindo as suas promessas eleitorais. Deve ser verdade. Se o MPLA está no Poder há quase 46 anos e ainda não conseguiu… Por Orlando Castro (*) João Lourenço, que falava à imprensa no final da cerimónia de inauguração do Polo de Desenvolvimento Industrial de Saurimo, na província da Lunda Sul,…

Leia mais

MPLA já sabe a percentagem da sua vitória em 2022

Em 2012, o secretário do Bureau Político do MPLA para a Informação, Rui Falcão Pinto de Andrade, disse ao jornalista Peter Wonacott (“The Wall Street Journal”) que “o fantasma da fraude, ou de qualquer outra coisa, advém daqueles que sabem, antecipadamente, que não têm capacidade para ganhar as eleições”. Por Orlando Castro Dez anos depois, se acaso o MPLA aceitar fazer eleições, a receita é a mesma. No entanto, reconheça-se, Rui Falcão tinha razão. E, sendo do MPLA, a razão é sua propriedade privada. E tem não porque a Oposição,…

Leia mais

Adalberto e Chivuku “aterrorizam” Lourenço

Um projecto país, nunca como agora, se impõe, como necessidade primária para a materialização do verdadeiro sonho de mulheres e homens habitantes deste torrão, carentes de uma independência imaterial. A independência material entregue pela potência colonial, em 1975, a uma só identidade ideológica (excluindo as demais e cidadania), “ab initio” adversa ao pluralismo e a democracia participativa, causadora, justa ou injustamente, de todos os conflitos. Por William Tonet Hoje, a descrença é tão grande no modelo de governação de Estado, liderado pelo MPLA, que os cidadãos clamam por uma nova…

Leia mais

Transferir jacarés do Kwanza para o Cunene não fez deles vegetarianos

Acabar com a corrupção (roubar o que é de todos para benefício de alguns é corrupção) no reino do MPLA continua a ser como acabar com as vogais na língua portuguesa. Essa peregrina ideia de querer pôr, em Angola, os corruptos a lutar contra a corrupção é digna dos bons alunos que o regime do MPLA formou e formatou ao longo de quase 46 anos. Por Orlando Castro O combate à corrupção em Angola apresenta resultados mais baixos do que seria de esperar? Essa de chamar combate à fantochada do…

Leia mais

Néscios querem sangue

O MPLA (partido que “só” está no poder em Angola desde 1975) está a viver o seu estertor (momento que antecede a morte, agonia) político de domínio absoluto, de único partido numa “democracia” de vários partidos. O seu órgão oficial (Jornal de Angola) é a prova provada disso. Por Orlando Castro Quando foi publicado o livro “Agostinho Neto – O Perfil de um Ditador – A História do MPLA em Carne Viva”, do historiador luso-angolano Carlos Pacheco, o MPLA disse: “A República de Angola está a ser vítima, mais uma…

Leia mais

Se as eleições fossem hoje, o MPLA já era!

Angola/Estado; Angola/MPLA; Angola/cidadã; UNITA; Oposição chocolate; Sociedade Civil; Minorias; Maiorias; Cabinda; Lunda, todos estes segmentos, partidos, povos, micro-nações e cidadãos, nunca estiveram tão empolgados na busca de uma nova aurora como agora. O grito de guerra da cidadania é: Eleições livres e justas, sem batota, sem SIFIC, sem Casa de Segurança da Presidência. A incógnita é como será materializado o sonho da ansiedade ante o lamaçal de autoritarismo e fraude anunciada. Por William Tonet O país precisa de redefinição. Verdade! O Estado necessita de uma nova independência. Plural! João Lourenço…

Leia mais