TUDO NA SANTA PAZ DOS (BONS) NEGÓCIOS

O embaixador português, Francisco Alegre Duarte, destacou hoje a “presença firme e honrosa” das empresas portuguesas em Angola, mesmo em momentos difíceis, garantindo “contribuir para o seu fortalecimento” tendo em conta o “grande desígnio” da diversificação da economia angolana. “Mesmo nos momentos difíceis, como tem acontecido com a recessão económica e no contexto de pandemia, as empresas portuguesas mantiveram sempre uma presença firme, honraram as suas obrigações, pagaram sempre os seus salários, mantiveram a maior parte dos empregos”, afirmou Francisco Alegre Duarte, em Luanda. O diplomata que falava no final…

Leia mais

BRANCOS DE SEGUNDA? MPLA COPIOU SALAZAR

O último artigo do Orlando Castro, publicado hoje no Folha 8, e intitulado APÁTRIDAS POR ORDEM DO MPLA merece-me algumas achegas e comentários. Sejamos objectivos, mesmo para o poder colonial os brancos nascidos em Angola eram um problema candente, ou não fossem os brancos nascidos no Brasil que encabeçaram o respectivo movimento independentista. Por Carlos Pinho (*) Sim, não esqueçamos que apesar de esclavagistas e opressores dos negros e índios, foi a elite brasileira, que era branca, que levou a cabo a independência do país. Não terá sido pelas melhores…

Leia mais

JUIZ AGOSTINHO SANTOS APELA AO DONO DISTO TUDO

O juiz Agostinho Santos, que se queixa de “irregularidades” no concurso curricular para provimento do cargo de presidente da Comissão Nacional Eleitoral (CNE) de Angola, em que foi derrotado, pediu hoje a intervenção do Presidente angolano no caso, alertando para “instabilidade pós-eleitoral”. O juiz conselheiro do Tribunal Supremo (TS) angolano e jubilado pelo Tribunal Constitucional (TC) tem vindo a intentar várias acções judiciais junto das autoridades (supostamente) competentes desde 2020, na sequência do concurso para a CNE e queixa-se de “denegação da justiça”. Hoje, em conferência de imprensa, o magistrado…

Leia mais

A MODA DA LÍNGUA (+ OU -) PORTUGUESA

A República de Angola reiterou, em Nova Iorque (EUA), a inclusão do Português como língua de trabalho do Instituto Internacional dos Provedores de Justiça (IOI). A reafirmação foi feita pela provedora de Justiça de Angola, Florbela Araújo, durante a reunião dos directores do IOI, Região África, que decorreu no Fórum Cultural Austríaco, orientado pela presidente regional e provedora de Justiça do Quénia, Florence Kajuju. Em Portugal, o Governo criou um programa específico para os refugiados aprenderem língua portuguesa. O programa vai ser “essencial para apoiar” os refugiados na “integração e…

Leia mais

APÁTRIDAS POR ORDEM DO MPLA

Ao escorraçar os angolanos de origem portuguesa (brancos, portanto), o MPLA cometeu (e continua a cometer) um crime mensurável no facto de, por exemplo, Angola ainda hoje não ter atingido os índices que equidade social que registava em 1973/74. Escudado na razão da força, os dirigentes do MPLA mais não conseguiram do que mostrar o seu monstruoso complexo de inferioridade. Por Orlando Castro Ao contrário da tese do MPLA, a culpa não é só dos portugueses de hoje que, ao contrário dos de ontem, procuram sacar tudo o que podem,…

Leia mais

RELATORA DA ONU ARRASA O MPLA

O diagnóstico tardio da doença de Hansen (lepra) em Angola e as consequentes incapacidades físicas com que estes doentes são identificados surpreendeu a relatora especial da ONU, Alice Cruz, para a eliminação da discriminação contra as pessoas afectadas pela doença. Recorde-se que o Serviço de Combate à Lepra foi criado em 1959 e regulamentado em 1960… Alice Cruz, que visitou Angola nas últimas duas semanas, disse à agência Lusa que já contava com um país “profundamente marcado pela desigualdade social e pela pobreza”, factores que estão associados à doença de…

Leia mais

É HORA DE OS DEMOCRATAS AGIREM

O partido do regime, mostra, em cada acto pré-eleitoral, não estar preparado para uma transição democrática. Resiste intra-muros. A democracia interna, no MPLA, só é permitida no texto, porque, se um militante ousar puxar os galões para a materialização, é severamente derrotado, pela ditadura do NOT! É a mesma lógica extra-muros; país, onde são assassinados os processos e procedimentos eleitorais democráticos. Por William Tonet Angola vai realizar em Agosto de 2022, as quintas, sendo as terceiras eleições gerais, sob o espectro da traição brutal e início do suicídio da democracia,…

Leia mais

CELSO MALAVOLONEKE “VÍTIMA” DE “BULLYING”

“Bullying” é um conjunto de maus-tratos, ameaças, coacções ou outros actos de intimidação física ou psicológica exercido de forma continuada sobre uma pessoa considerada fraca ou vulnerável. O “bullying” foi a base da queixa que Celso Malavoloneke (ou alguém em seu nome) apresentou ao Facebook contra um “boneco” publicado (e lá continua) na página do Folha 8 no Facebook e não, como alega, em nenhuma das nossas edições (digital diária e impressa semanal). Tentemos compreender o que levou Celso Malavoloneke a acusar-nos de “bullying”. O “bullying” corresponde a um comportamento…

Leia mais

ENSINO EM EBULIÇÃO

Professores universitários angolanos retomaram hoje a greve por tempo indeterminado, suspensa há um mês, por “falta de vontade política” do Governo em solucionar as reivindicações da classe, sobretudo em relação ao aumento salarial, disse fonte sindical. Segundo o secretário-geral do Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Superior (Sinpes), Eduardo Peres Alberto, a greve interpolada em 5 de Abril para 30 dias, a retomada nesta segunda-feira acontece por falta de vontade política das autoridades. “Findo o prazo e caso o governo não desse soluções sobre o problema salarial no dia 9…

Leia mais

CABINDAS SÓ QUEREM SER QUEM SÃO

A Frente para a Libertação do Estado de Cabinda instou hoje o Presidente da República do Congo e a comunidade internacional a organizarem um referendo de autodeterminação naquela alegada província angolana e pediu ao Papa para persuadir Luanda a aceitá-lo. A Frente para a Libertação do Estado de Cabinda – Forças Armadas de Cabinda (FLEC-FAC) “exorta o Presidente Denis Sassou-Nguesso, a União Africana (UA), a União Europeia (UE) e a ONU a organizarem um referendo de autodeterminação livre e justo em Cabinda”, escreve o porta-voz do movimento, Jean Claude Nzita,…

Leia mais