“Vão protestar para a vossa terra”

A Polícia angolana (do MPLA) dispersou hoje com tiros e lançamento de gás lacrimogéneo uma manifestação de estudantes que protestavam em Luanda contra a subida do custo das propinas e emolumentos nas instituições de ensino, uma marcha que começou de forma pacífica. O “elevado” preço das propinas e emolumentos nas instituições públicas e privadas e “falta de qualidade no ensino” foram alguns dos propósitos da manifestação promovida este sábado, em Luanda, pelo Movimento dos Estudantes Angolanos (MEA). Mais de 250 estudantes e membros da sociedade civil concentraram-se no Largo das…

Leia mais

De joelhos só perante Deus!

O activista político de Cabinda, André Bônzela, libertado por ordem do tribunal por excesso de prisão preventiva, disse hoje que a situação que enfrentou é recorrente e o povo “não tem direito a nada”. É verdade. Se o Povo de Angola não tem direitos (veja-se o recente massacre em Cafunfo), porque carga de chuva o de Cabinda haveria de ter? André Bônzela, Maurício Gimi e João Mampuela, membros da organização União dos Cabindenses para a Independência (UCI), foram detidos entre os dias 28 e 30 de Junho de 2020, acusados…

Leia mais

A razão da força do MPLA

A polícia angolana impediu hoje e deteve seis activistas de Cabinda, que tentaram (e, como se sabe, tentar é crime) realizar uma manifestação em frente à embaixada portuguesa em Luanda, para exigir a Portugal o cumprimento do acordo de protectorado que os portugueses assinaram, em 1 de Fevereiro de 1885, com os cabindas. Segundo o presidente da Associação para o Desenvolvimento da Cultura dos Direitos Humanos (ACDH) de Cabinda, Alexandre Kuanga, os organizadores desta manifestação fazem parte do núcleo de Luanda. Hoje de manhã, os manifestantes tentaram concentrar-se em frente…

Leia mais

Vem aí mais porrada!

O porta-voz do Ministério do Interior angolano criticou hoje o “total desrespeito” pelas regras do estado de emergência que se verificou em Angola nos últimos dois dias e avisou que as forças de defesa e segurança vão adoptar medidas. Todos os rebuçados e chocolates vão ser substituídos por balas numa distribuição… generosa. Valdemar José manifestou hoje em Luanda uma “preocupação de sensibilização, devido à conduta dos cidadãos na nova prorrogação do estado de emergência”, salientando que “é como se não estivéssemos perante estado de emergência. Angola declarou um terceiro período…

Leia mais

No reino, protestar é crime
e não protestar… também é

O porta-voz do Ministério do Interior de Angola, Valdemar José, afirmou que os serviços de inteligência angolanas estão atentos às manifestações previstas para os próximos dias e avisou para as consequências das mesmas, se a lei for violada. Ainda bem que avisa. Assim se comprova, mais uma vez, que segundo o MPLA a única forma de não violar a lei é não fazer manifestações. Mas, mesmo não as fazendo, podem esta a violar a lei porque, segundo a tese do partido que nos governa há 44 anos, não fazer manifestações…

Leia mais

O MPLA gosta das cócegas
com que a UNITA o acaricia

A UNITA, o maior partido da oposição que o MPLA permite que exista em Angola, defende que as operações apresentadas como de segurança em curso no país são “insuficientes” para resolver os problemas estruturais do país, já que apenas atacam os “sintomas” e “não as causas profundas”. Contudo, o MPLA nunca disse que queria resolver as “causas profundas”. Se as resolvesse o partido que reina desde 1975… acabaria. A crítica da UNITA está contida num comunicado saído da reunião do Comité Permanente da Comissão Política e relacionado com a análise…

Leia mais

Urge resgatar Angola da repressão governamental

A «Operação Transparência» direccionada à extracção ilegal de diamantes no país resvalou em violações graves ao direito à imigração e integridade física, ambos direitos humanos, com relatos de mortes inclusive, e também destapou um dos esquemas de fraude eleitoral praticado pelo MPLA, segundo acusação de indivíduos que exibiram cartões de eleitores e de membros do referido partido. Por Sedrick de Carvalho Rapidamente a República Democrática do Congo pronunciou-se em defesa dos seus cidadãos escorraçados sem observância dos seus direitos – pois há quem pense que imigrante não os tem -,…

Leia mais

Zunga é o único sustento

Estávamos em Novembro de 2017. A Associação dos Vendedores Ambulantes de Luanda (AVAL), que reúne quase 4.000 ‘zungueiras’, alertava que a actividade, que está a ser travada pelo governo provincial, era (e continua a ser) o único sustento de milhares de famílias, que necessitam de “soluções de emprego”. “A nossa associação não concorda que se possa acabar com a venda ambulante porque o país não tem emprego e o que cria a venda ambulante é o problema do desemprego no país”, começou por explicar, em entrevista à Lusa, o presidente…

Leia mais

Angola nega violência contra congoleses

O Governo angolano insistiu hoje que “são completamente falsas” as afirmações sobre “massacres, sevícias e violações” praticadas por autoridades ou populares a migrantes ilegais, afirmando que qualquer situação “menos correcta” que tenha ocorrido “não foi orientação das autoridades”. Esta posição oficial foi tomada pelo ministro de Estado e Chefe da Casa de Segurança do Presidente da República de Angola, Pedro Sebastião, refutando quaisquer actos de violações dos direitos humanos de migrantes ilegais no âmbito da “Operação Transparência”, número que, disse, atingiu já os 380.000 expulsos. Segundo o governante, que falava…

Leia mais

Governo apoia a repressão

A Polícia que, como na “gerência” de José Eduardo dos Santos, voltou a deixar de ser de Angola para ser do MPLA, reprimiu hoje a manifestação de ex-trabalhadores da extinta Brigada Especial de Limpeza (BEL), afecta à Casa de Segurança do Presidente da República, que tencionava chegar ao Palácio Presidencial para “exigir o pagamento completo” das indemnizações. Continuamos com a democracia coxa de… pai e mãe. Terá José Eduardo dos Santos regressado ao trono? Pela acção da polícia parece que… sim! Concentrados na manhã de hoje nas imediações do Centro…

Leia mais