MORRER À FOME NÃO É… PENA DE MORTE?

O número de execuções pelos Estados que têm pena de morte atingiram no ano passado o valor mais elevado em quase uma década devido sobretudo ao aumento registado no Irão, denunciou hoje a Amnistia Internacional. Sobre as “execuções” provocadas por incúria governativa, guerras, fome etc. não há, obviamente, dados estatísticos. o relatório anual sobre a aplicação da pena de morte a nível mundial, a organização internacional de defesa dos direitos humanos contabiliza um total de 1.153 execuções em 16 países em 2023, advertindo, porém, que este número “não inclui os…

Leia mais

“CORRUPÇÃO GOVERNAMENTAL GRAVE”

Prisões arbitrárias, violência policial, impedimento de reuniões pacíficas e ameaças à liberdade de associação foram as principais fragilidades de Angola no domínio dos direitos humanos em 2023, identificadas no relatório anual da Amnistia Internacional (AI). Também os EUA consideram que a situação dos direitos humanos, em 2023, continuou semelhante à de 2022, com “relatos credíveis de assassínios arbitrários ou ilegais, tratamentos ou castigos cruéis, desumanos ou ilegais” por parte das autoridades angolanas. documento da AI faz um retrato do estado dos Direitos Humanos em 155 países do mundo e alerta…

Leia mais

DONOS DO REINO NÃO DEIXAM ANGOLA SER UM… PAÍS

O director-executivo da Amnistia Internacional Portugal, Pedro Neto, diz que Angola “tem de ser um país melhor”. Tem e pode, bastando para isso correr com os donos do reino (o MPLA desde 1975) que estão no Poder para se servir e não para servir. Mas como a comunidade internacional (ONU, CPLP, UA, UE etc.) prefere que Angola (como África em geral) sejam apenas uma ténue democracia e um ainda mais um ténue Estado de Direito… a vigília promovida, em Lisboa, pela Amnistia Internacional Portugal junto da embaixada (do MPLA) contra…

Leia mais

PETIÇÃO CONTRA A REPRESSÃO

A Amnistia Internacional lança terça-feira uma petição contra a repressão policial em Angola. Porquê em Angola?, pergunta – incrédulo – o dono reino, o general João Lourenço. A petição será lançada na vigília que a ONG leva a cabo na terça-feira junto à embaixada do MPLA em Lisboa “pela justiça para as vítimas da violência policial em território angolano”. Amnistia Internacional vai lançar a petição para o “fim ao uso da força excessiva, desproporcionada e letal” pelas forças de segurança do MPLA, no exercício da liberdade de expressão e de…

Leia mais

JOÃO LOURENÇO PARTICIPAR NO 25 DE ABRIL É UM INSULTO

A ida de João Lourenço às comemorações dos 50 anos do 25 de Abril, em Portugal, seria um insulto a todas as vítimas mortais da violência de Estado em Angola nos últimos anos. A Amnistia Internacional – Portugal reage assim à notícia de que o presidente de Angola manifestou disponibilidade e gosto para vir às comemorações dos 50 anos do 25 de Abril em 2024. m antecipação à visita oficial de António Costa a Angola, nos próximos dias 5 e 6 de Junho, a Amnistia Internacional entregou hoje (sexta-feira), um…

Leia mais

MILHARES DE ASSINATURAS PELA LIBERTAÇÃO DE TANAICE NEUTRO

A Amnistia Internacional Portugal entregou, hoje, milhares de assinaturas numa petição pela liberdade de Tanaice Neutro, músico e activista angolano que usa a sua arte para expressar a opinião sobre questões sociais como pobreza, desigualdade, corrupção e má governação no reino do MPLA, seita que está no Poder desde 1975. organização entregou cerca de 2.200 assinaturas pela libertação do activista na Embaixada de Angola em Lisboa, mas a acção vai estender-se a outros países. Também serão entregues cópias das assinaturas nas Embaixadas de Angola em Madrid e em Pretória, na…

Leia mais

AI ACREDITA QUE OS JACARÉS SÃO VEGETARIANOS E SABEM LER

A organização Amnistia Internacional lançou hoje um apelo ao Governo angolano (do MPLA há 47 anos) para que “liberte imediatamente” o activista Gilson da Silva Moreira, também conhecido como “Tanaice Neutro”, a necessitar de cuidados de saúde “urgentes”. uma carta aberta ao ministro da Justiça e dos Direitos Humanos de Angola, Marcy Cláudio Lopes, a Amnistia Internacional manifesta a sua “preocupação pela detenção arbitrária do activista”, relata os problemas de saúde que o músico está a sofrer e alerta que “a negação de acesso a cuidados médicos adequados pode equivaler…

Leia mais

TERRÍVEL, TERRIBLE, YA KUTISHA, HORRIBLE…

A insegurança alimentar nas províncias angolanas do Cunene, Huíla e Namibe em 2022 foi das “piores do mundo”, alertou hoje a Amnistia Internacional (AI), sublinhando que o historial de Angola (MPLA) quanto a direitos humanos continua a ser “terrível”. Terrível significa: “Que infunde terror, assustador, medonho, enorme, extraordinário, funestíssimo, muito mau”. o relatório sobre o estado dos direitos humanos no mundo em 2022, a AI denuncia que a fome afectou “cerca de 1,58 milhões de pessoas” naquelas províncias do sul de Angola, sem que houvesse a intervenção necessária do Governo.…

Leia mais

OCULTAR O NOME DO AGRESSOR É COBARDIA

A Amnistia Internacional apela ao partido que vencer as eleições gerais em Angola que investigue os assassinatos, prisões arbitrárias e fome (20 milhões de pobres), que considera estarem a marcar o tom que antecede as eleições gerais de 24 de Agosto. As recomendações constam de um documento hoje apresentado, intitulado “Por um voto que conte para a observância dos Direitos Humanos: Manifesto de direitos humanos para Angola face às eleições gerais de 2022”, em que a organização de direitos humanos denuncia uma “intensa repressão dos direitos humanos nos últimos anos,…

Leia mais

GRAVES VIOLAÇÕES DOS DIREITOS HUMANOS

As forças de segurança angolanas cometeram graves violações dos direitos humanos, incluindo dezenas de execuções ilegais, com recurso à força excessiva e desnecessária. Não. Desta vez quem o diz não é o Folha 8. É o relatório da Amnistia Internacional (AI) 2021-2022, que acrescenta que a “a polícia violou os direitos à liberdade de expressão e manifestantes pacíficos enfrentaram prisões e detenções arbitrárias”. Tudo normal, portanto. Crise económica e social e violações de direitos humanos alimentaram o “aumento de protestos em todo o país”, enquanto “as forças de segurança intensificaram…

Leia mais