De ilusão em ilusão

A UNITA, maior partido na oposição em Angola, reafirmou hoje a necessidade da construção de um Estado “verdadeiramente democrático e de direito” longe da “excessiva partidarização” das instituições, argumentando que “parece” haver essa vontade política do actual Governo. Em declarações à agência Lusa por telefone, o porta-voz da UNITA, Alcides Sakala, referiu que o “combate cerrado” à corrupção “reafirmado ao longo dos anos” pelo seu partido, “converge” com a visão que tem sido manifestada pelo Presidente angolano, João Lourenço, é também um mecanismo para construção de um Estado democrático. A…

Leia mais

Luanda tem muito mais (des)encanto às escuras

A empresa angolana responsável pelo (mau) fornecimento de electricidade no país anunciou hoje que vai reduzir as facturas de cobrança de energia, durante esta fase de restrições, que Luanda vai registar até Julho. As restrições na distribuição de electricidade à capital angolana tiveram início a 11 de Março, segundo o porta-voz da Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade (ENDE) de Angola, Pedro Bila, com a justificação que o problema se ficou a dever ao início do enchimento da albufeira do aproveitamento hidroeléctrico de Laúca. O responsável a ENDE prevê fazer…

Leia mais

Não há nada para ninguém

Não há nada para ninguém - Folha 8

O envio de dinheiro para fora de Angola, através das empresas especializadas no sector, tornou-se numa missão praticamente impossível nos últimos dias devido à escassez de divisas no país. Mas está tudo sob controlo. O regime garante e o sumo pontífice, Eduardo dos Santos, assina por baixo. A s representações da empresa MoneyGram que operam em bancos comerciais, consultadas hoje pela Lusa na capital angolana, o movimento é inexistente. “Começamos a deixar de aceitar [dinheiro para enviar para o exterior] desde Novembro”, dizem funcionários das agência da empresa MoneyGram que…

Leia mais