Crédito malparado e encerramento de bancos

A percentagem de crédito malparado em Angola diminuiu 0,5 pontos, para os 28,3% no final de Dezembro de 2018 face ao homólogo de 2017, de acordo com dados do Banco Nacional de Angola. FMI pode “ordenar” o encerramento, este ano, de mais bancos.

Segundo os dados das Estatísticas Monetárias, o total de empréstimos durante o ano passado chegou a 4,16 biliões de kwanzas, o que equivale a 11,7 mil milhões de euros ao câmbio do final do ano passado, dos quais 3,33 mil milhões de euros eram relativos a crédito malparado.

A percentagem de créditos vencidos que os clientes não conseguem pagar aos bancos desceu, assim, 0,5 pontos percentuais entre Dezembro de 2017 e Dezembro do ano passado, mas olhando apenas para os 12 meses de 2018, constata-se que esta percentagem subiu de 27,8%, no final de Janeiro, para 28,3% no final de Dezembro.

Observando a evolução pelos 12 meses do ano passado, constata-se que o crédito malparado esteve sempre a subir desde o início do ano, com 27,8% em Janeiro e atingiu a percentagem mais alta face ao valor do total dos empréstimos em Maio, com 32,7%, descendo a partir daí.

Há cerca de duas semanas, o vice-governador do Banco Nacional de Angola, Tiago Dias, considerou o valor de quase 30% de crédito malparado “bastante alto”, principalmente em comparação com os países vizinhos que também atravessaram crises económicas nos últimos anos.

“É bastante alto se formos compará-lo com aquilo que são os indicadores de países próximos de nós, os situados na nossa região [da África austral], que também viveram situações difíceis de crise a um dado momento do seu desenvolvimento económico e social”, disse, no final Conferência sobre Financiamento ao Sector Privado, promovida pelo banco central angolano, a 23 de Janeiro.

“A génese do crédito malparado começa com a degradação dos principais indicadores da actividade económica, principalmente nos últimos anos, que fez com que o sector empresarial conhecesse dificuldades e, por consequência, alguns operadores económicos deixaram de honrar os seus compromissos para com os bancos”, argumentou.

Segundo o vice-governador do banco central angolano, as soluções podem passar pelo “saneamento de algumas empresas”, pelo “reforço e consolidação dos próprios bancos” e também pela “resolução dos problemas pendentes do Estado para com o sector empresarial.

“Mas esta é uma questão que está a ser resolvida pelo Executivo, principalmente no âmbito do programa assinado com o Fundo Monetário Internacional (FMI). Está previsto que o Governo regularize os atrasados que tem para com o sector empresarial”, acrescentou.

Nível de crédito malparado é perigoso

O economista-chefe da consultora Eaglestone, Tiago Dionísio, afirmou à Lusa que o nível de quase 30% de crédito malparado em Angola “pode tornar-se insustentável” e antecipou o fecho de mais bancos ainda este ano.

“Penso que sim”, respondeu o economista quando questionado sobre se prevê que o banco central angolano ordene o fecho de mais bancos durante este ano, apontando que “essa é uma das questões que está abordada no programa com o Fundo Monetário Internacional, que tem a ver com a carteira de crédito”.

Sobre o sector bancário angolano, que viu três bancos serem fechados em apenas um mês, Tiago Dionísio disse que “o processo de revisão da carteira de crédito pelo FMI começa em Abril, e após essa revisão poderemos ter mais más notícias no sentido de os bancos terem de melhorar, ou seja, resolver a questão a nível de crédito”.

Para o economista-chefe da consultora Eaglestone, “um nível de 28% de crédito malparado, no final de Dezembro, é um nível que pode tornar-se insustentável, mas importa sublinhar que mais de 80% deste montante é detido pelo BPC [banco público], e é um tema que o BNA está bastante empenhado em tentar solucionar, mas não é um processo de curto prazo”.

Desde o início do ano, o BNA já ordenou o fecho de três bancos: o Banco Angolano de Negócios e Comércio (BANC), esta semana, e logo no princípio do ano o Banco Mais e o Banco Postal, uma decisão justificada pela “insuficiência de capital social”.

O regulador “já tinha anunciado que os requisitos de capital para a banca iriam aumentar e que os bancos tinham até ao final do ano [passado] para aumentar o rácio de capital; a maior parte conseguiu cumprir essa exigência do BNA, mas houve dois que alegadamente não conseguiram aumentar o rácio de capital e, como tal, isso levou à decisão de revogar a licença desses bancos”, disse o economista.

Sobre o BANC, o argumento do BNA tem também a ver com o incumprimento dos regulamentos: “O caso do BANC tem a ver com a reposição do capital social pelos accionistas e, segundo o BNA, existiam também deficiências no modelo de governação e os riscos [para os clientes] eram elevados”.

Estas decisões, lembra, surgem em linha com o que esta consultora tem escrito nos relatórios dos últimos anos sobre a banca angolana: “No fundo, isto vem no seguimento do que temos vindo a dizer, que é uma exigência maior da autoridade regulatória da banca e, por outro lado, Angola garantiu um empréstimo do FMI e uma das exigências do Fundo era o fortalecimento do sector financeiro”.

Angola tem quase três dezenas de bancos em funcionamento, “mas tendo em conta a dimensão da economia, é um número elevado”, apontou Tiago Dionísio, vincando que “deveria haver alguns movimentos de consolidação no sector, e esse processo está a começar e vai ter maior impacto ao longo deste ano”.

As difíceis condições económicas dos últimos três anos, que atiraram o país para uma recessão no seguimento da descida dos preços do petróleo e aumento do endividamento para compensar a quebra das receitas, “tiveram um impacto a nível económico, a nível das receitas do Estado, das contas externas, e o sector financeiro é o espelho da situação económica do país”.

Esta conjuntura, sublinhou, “teve reflexos na banca, nomeadamente no crédito malparado, porque em termos de resultados os bancos até conseguiram sobreviver bem à crise económica que o país atravessou”, aumentando os activos em 3% no ano passado.

Para este ano, Tiago Dionísio mostra-se optimista: “2019 será diferente, acreditamos que poderá haver retoma e as perspectivas poderão ser mais animadoras nos próximos tempos”, concluiu o economista.

Folha 8 com Lusa

Artigos Relacionados

2 Thoughts to “Crédito malparado e encerramento de bancos”

  1. […] post Crédito malparado e encerramento de bancos appeared first on Folha 8 Jornal Angolano Independente | Notícias de […]

  2. epa, a nossa economia, esta viver situações muito difícil, também sei dizer se temos mesmo economistas no pais ou as nossas autoridades não deixam eles trabalhar. estou muito triste com esse pais.

Leave a Comment