“Temos mais combatentes e muito melhor armamento”

A FLEC/FAC anunciou que vai retomar de forma “intensiva a luta armada em Cabinda” e alertou que o enclave angolano é “um território em estado de guerra e que os estrangeiros devem tomar as medidas de segurança adequadas”. Pelo número de militares que Angola mantém em Cabinda e que nos último meses foi reforçado, tudo indica que – embora dizendo o contrário – o Governo está a levar a sério estas ameaças. Num comunicado a que chama “de guerra”, a Frente de Libertação do Estado de Cabinda – Forças Armadas…

Leia mais

Cor da pele não pode ser a carta-branca dos acéfalos

O cônsul-geral de Angola em Lisboa pediu à comunidade angolana que respeite as leis portuguesas e, particularmente aos jovens, para evitarem “arruaças”, apelo que acontece após os recentes distúrbios no bairro da Jamaica. Por sua vez, Dirce Noronha (foto), presidente da Associação de Moradores do Bairro da Jamaica, disse à Renascença que os confrontos do último fim-de-semana naquele bairro “nada têm a ver com o racismo”, apenas “houve uso excessivo de poder por parte dos policiais”. “T emos uma relação com Portugal a que não podemos fugir e, como angolanos…

Leia mais

Guerra em Cabinda sobe de intensidade

A FLEC/FAC, afirma, em comunicado enviado à Redacção do Folha 8, “que o 14° aniversário da paz que a Angola festeja sumptuosamente não se refere ao território de Cabinda”. “O governo angolano quer fazer acreditar que há paz efectiva em Cabinda, mas realmente a paz não existe em Cabinda, e o presidente angolano José Eduardo dos Santos, impõe injustamente a guerra em Cabinda”, diz a FLEC no comunicado assinado pelo seu porta-voz, Jean-Claude Nzita. A situação em Cabinda, segundo a FLEC, “permanece muito preocupante e muito tensa desde o início…

Leia mais

Igreja Católica critica “abordagem” do regime no caso Kalupeteca

Igreja Católica critica “abordagem” do regime no caso Kalupeteca - Folha 8

O arcebispo católico do Lubango criticou hoje a “abordagem” das autoridades angolanas no combate aos confrontos provocados por fiéis da “seita” religiosa “A Luz do Mundo”, que causaram a morte de nove polícias e de centenas de seguidores do pastor “, Kalupeteca. G abriel Mbilingi, igualmente presidente do Simpósio das Conferências Episcopais da África e Madagáscar (SECAM), falava aos jornalistas num intervalo do seminário “África e Desenvolvimento Sustentável”, que decorre na Ribeira Grande de Santiago, 12 quilómetros a oeste da Cidade da Praia, em Cabo Verde. “É um fenómeno que…

Leia mais