Traição das classes cultas angolanas

Nos nossos dias o que se observa em Angola é uma sociedade dividida entre vencedores e vencidos, amedrontada e assassinada por um Partido capitaneado por homens sem um pingo de escrúpulos. Por Carlos PachecoHistoriador angolano (*) Não é minha intenção fazer aqui um julgamento. Habituado a estudar fenómenos históricos e a tentar perceber as dinâmicas de evolução das sociedades e o comportamento dos homens em grupo, somente me move o propósito de nesta reflexão deixar registada uma constatação: a inteligência angolana (simbolizada pelas suas camadas pensantes) já não é a…

Leia mais

As camarilhas do MPLA degolam-se entre si

Irene Neto, filha de Agostinho Neto, despertou para uma realidade inumana e obscena, a realidade demoníaca do regime político do qual ela é um dos seus rostos proeminentes e do qual possivelmente se julgaria a salvo de qualquer tormento. Uma ilusão. Queixa-se Irene Neto, filha do primeiro presidente de Angola, que o seu nome e dos seus familiares estão a ser esfacelados em praça pública sem que alguém lhes faça chegar um gesto de solidariedade, tamanha a avalanche de calúnias que diariamente enfrentam. Por Carlos Pacheco (*) Esclareço que, por…

Leia mais

Governo e MPLA ocultam crimes contra a humanidade

Ruiu com estrondo a montanha dos magos em Luanda. Para quem via nas promessas do governo do general João Lourenço a insígnia de um regime político pautado pela honra e pelo decoro, enganou-se. Chegou ao fim o reinado das ilusões. Por Carlos Pacheco Historiador angolano (*) A última entrevista do ministro da Justiça de Angola a um periódico luandense acerca dos grandes crimes da ditadura de Agostinho Neto é um sinal claro da falência moral e jurídica do regime político do MPLA. Em última análise representa uma machadada brutal no…

Leia mais

Presidente, peça desculpa

Senhor general João Lourenço, peça desculpa a bem da pacificação dos espíritos. A única porta de saída para todo este imbróglio [no caso das vítimas do 27 de Maio] é o senhor general reconhecer a hecatombe causada pela ditadura de Agostinho Neto. Por Carlos Pacheco Historiador angolano (*) S enhor Presidente, Dirijo-me à vossa pessoa na qualidade de cidadão soberano e independente que não presta vassalagem a governos e a partidos políticos. Fala-se por aí, nos círculos oficiais e nos pregões de uma certa imprensa que se agita em arroubos…

Leia mais

De derrota em derrota até
à inevitável derrota final!

O Tribunal de Lisboa – 3.ª Secção Criminal, negou provimento ao recurso interposto por Maria Eugénia Neto e Irene Alexandra da Silva Neto, por causa da publicação, em Julho de 2016, da obra de Carlos Pacheco intitulada “Agostinho Neto, O Perfil de um Ditador. A História do MPLA em Carne Viva”. A Fundação Agostinho Neto na pessoa da sua presidente, Maria Eugénia Neto, já tinha apresentado uma queixa-crime em Novembro daquele ano contra Carlos Pacheco pela mesma causa. Em Março de 2019 a queixa foi objecto de um primeiro veredicto,…

Leia mais

Eugénia Neto reedita técnicas estalinistas

A Fundação Agostinho Neto, presidida por Maria Eugénia Neto, viúva do primeiro presidente de Angola, anunciou que vai instaurar um processo-crime contra o historiador luso-angolano Carlos Pacheco por ter escrito o livro “Agostinho Neto – O perfil de um ditador. A história do MPLA em carne viva”. Há uns anos fez o mesmo com autora do livro “Purga em Angola”, Dalila Cabrita Mateus e Álvaro Mateus. Por Orlando Castro e Sedrick de Carvalho No comunicado, publicado no site da organização, lê-se: “vamos accionar a justiça e defender a honra e…

Leia mais

O estertor do MPLA

O bureau político do MPLA (partido que “só” está no poder em Angola desde 1975) criticou hoje duramente o lançamento em Portugal de um livro sobre aquele partido e o primeiro Presidente angolano, Agostinho Neto, queixando-se de uma nova “campanha de desinformação”. Depois de estrebuchar chegou a fase do estertor. Por Orlando Castro Em causa está o livro “Agostinho Neto – O Perfil de um Ditador – A História do MPLA em Carne Viva”, do historiador luso-angolano Carlos Pacheco, lançado publicamente em Lisboa a 5 de Julho, visado no comunicado…

Leia mais

Arruaça do MPLA em Lisboa

A intolerância política e o desrespeito pelas opiniões contrárias ao regime angolano levou um grupo de mais de uma dezena de militantes do MPLA em Lisboa, Portugal, a boicotarem o lançamento de um livro crítico ao presidente Agostinho Neto. Por Pedrowski Teca O incidente ocorreu a partir das 18 horas, na terça-feira, 5 de Julho, no Auditório da Torre do Tombo, na Alameda da Universidade, em Lisboa, onde o historiador luso-angolano, Carlos Pacheco, divulgou a sua obra intitulada: “Agostinho Neto – o perfil de um ditador: A história do MPLA…

Leia mais

(De)lírios de Luandino

“Agostinho Neto, o Perfil de um Ditador. A História do MPLA em Carne Viva” é o nome do último livro do historiador angolano Carlos Pacheco. Como o regime de sua majestade o rei de Angola não gostou do que foi escrito mandou, de imediato, o sipaio (mais um) de serviço, no caso Luandino Carvalho, vir a terreiro mentir para tentar convencer os incautos. Nada de novo, portanto. Por Orlando Castro Como esperado, este Carvalho que não é (embora gostasse de ser) Luvualu, apresentou a argumentação elaborada pelo MPLA, num verdadeiro…

Leia mais