MPLA aprova regras do comércio ambulante. Figurantes abstêm-se

Assembleia Nacional angolana aprovou, na generalidade, uma proposta de lei que visa pôr regras ao comércio ambulante, feirante e de bancada, que a realidade actual demonstra – na óptica de quem, aliás, está no pode há 43 anos – ser “um verdadeiro dilema”. Em causa estava a Proposta de Lei sobre a Organização, Exercício e Funcionamento das Actividades de Comércio Ambulante, Feirante e de Bancadas, aprovada no parlamento com 125 votos a favor, nenhum contra e 45 abstenções da UNITA e da CASA-CE. Na apresentação da proposta, o ministro do…

Leia mais

Regresso da fuba podre e
da porrada se refilarmos

O ministro Ângelo Veiga, nas vestes de Titular do Poder Executivo, para a pasta do Interior, mostrou ao país, um total desconhecimento, das normas jurídicas e, mais grave, ser mais importante o cumprimento do autoritarismo, da ditadura, que o respeito pela Constituição e a Lei. Estes instrumentos podem ser pisoteados, quando em causa estiver o resgate da escravatura colonial, neocolonialmente implantada. Por William Tonet A “Operação Resgate”, lançada no dia 30.10 oficialmente pelo auxiliar ministro do Interior, Ângelo Veiga está ilegalmente a decorrer sem gradualismo em todo o país, ocupando…

Leia mais

Xeque-mate às zungueiras

O Governo angolano anunciou hoje que o Regulamento sobre o Comércio Ambulante está pronto e que, até ao final do ano, os vendedores ambulantes no país estarão identificados e terão locais específicos para exercerem a actividade “à luz das normas”. Xeque-mate às zungueiras. Segundo o ministro do Comércio, Joffre Van-Dúnem Júnior, o regulamento aprovado pelo Governo vai formalizar o comércio, maioritariamente, exercido por jovens e mulheres, estas conhecidas como zungueiras. “Foi já aprovado pelo Conselho de Ministros o Regulamento do Comércio Ambulante. Estão já catalogados e identificados os locais para…

Leia mais

Mandioca e ginguba
nas veias de Luanda

Vendedoras de mandioca e amendoim ou ginguba pelas ruas de Luanda acreditam que aquele produto natural, vendido entre 100 a 200 kwanzas (até um euro) por cada pequeno saco, é um remédio para fertilidade e clientes não faltam. A venda ambulante, informal, de mandioca e ginguba, sobretudo ao longo das filas de trânsito, não para de crescer pelas ruas da capital angolana, onde os automobilistas são os grandes compradores, especialmente os homens. “Todo mundo compra a mandioca e a ginguba. As mulheres compram para comer porque aumenta o leite materno.…

Leia mais