NETO MANDOU FUZILAR, MAS CONTINUA A SER (O ÚNICO) HERÓI

Lágrimas, dor, comoção, revolta contida, dominaram, esta quarta-feira, a entrega dos restos mortais de quatro vítimas dos massacres de 27 de Maio de 1977 aos seus familiares, 45 anos depois, numa cerimónia fúnebre que aliviou o sofrimento mas não repõe nem a verdade nem a justiça sobre aquele (Agostinho Neto) que mandou assassinar milhares de angolano e que, apesar disso, continua a ser o único herói nacional permitido pelo MPLA, o partido que governa o país há 46 anos. O quartel-general das Forças Armadas, em Luanda, foi o local escolhido…

Leia mais

ENTREGAR OSSADAS E ENDEUSAR O ASSASSINO

O Governo angolano vai proceder à entrega, quarta-feira, das ossadas de quatro vítimas dos massacres 27 de Maio de 1977, ordenados pelo único herói nacional permitido pelo MPLA, Agostinho Neto, entre as quais os restos mortais de Nito Alves, suposto líder de uma alegada tentativa de golpe de Estado. A informação foi hoje avançada pelo ministro da Justiça e dos Direitos Humanos de Angola, Francisco Queiroz, em declarações à imprensa no final da reunião da Comissão de Reconciliação e Memória das Vítimas dos Conflitos Políticos (Civicop), que analisou o ponto…

Leia mais

ANGOLA E O 27 DE MAIO: MAIS UMA MORTALHA DE MENTIRAS SOBRE OS MORTOS

A entrega das ossadas das vítimas do 27 de Maio aos familiares foi mais uma entronização de mentiras, a somar a tantas outras já montadas pelo regime do MPLA. Aquilo pelo qual muitos corações ansiavam, a transformação do sonho em realidade pela virtuosa entrega das ossadas das vítimas do 27 de Maio aos familiares, virou, como se previa, um régio espectáculo de estupidez e escárnio. Nem a solenidade que o ministro Francisco Queiroz emprestou ao espectáculo o salvou do ridículo a que se expôs. Mais uma entronização de mentiras, a…

Leia mais

ASSUMAM A VERDADE HISTÓRICA!

O Executivo do MPLA procede hoje, em Luanda, à entrega das ossadas do antigo secretário-geral da UNITA, Alicerces Mango, e do chefe da delegação deste partido na Comissão Conjunta, Salupeto Pena, indicou a Comissão de Reconciliação em Memória das Vítimas dos Conflitos Políticos (CIVICOP). Segundo o órgão oficial do MPLA, Jornal de Angola, Salupeto Pena e Alicerces Mago morreram na sequência das escaramuças ocorridas em Luanda, na crise pós-eleitoral de 1992. Na altura, o líder da UNITA, Jonas Savimbi, havia declarado que as eleições tinham sido fraudulentas e ameaçou voltar…

Leia mais