Prémio de… consolação

O Presidente da República angolano, João Lourenço, justificou hoje a nomeação (escolha, prémio de consolação) dos ex-primeiros-ministros Lopo do Nascimento e Marcolino Moco para administradores da Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola (Sonangol) por serem uma “referência” no país. A posição foi assumida pelo chefe de Estado no Palácio Presidencial, em Luanda, durante a cerimónia de posse dos ex-políticos como administradores não executivos da Sonangol, liderada desde Novembro por Carlos Saturnino, depois de João Lourenço ter exonerado Isabel dos Santos. Na ocasião, o chefe de Estado classificou ambos como “figuras…

Leia mais

De uma meia surpresa à
já quase inteira certeza

O antigo primeiro-ministro angolano, Marcolino Moco, assumiu-se hoje surpreendido com a “coragem” do novo Presidente da República, João Lourenço, afirmando que as decisões conhecidas visam “criar um mínimo de governabilidade”, num poder “atrelado aos pilares de uma casa de família”. A posição do histórico militante do MPLA, forte crítico da governação de 38 anos do ex-Presidente José Eduardo dos Santos, surge num artigo divulgado pelo próprio nas redes sociais, a propósito de rumores sobre a sua indicação, por parte de João Lourenço, para Procurador-Geral da República, e as reacções que…

Leia mais

Moco ajoelhou e rendeu-se
– Dói muito mas é verdade!

O ex-primeiro-ministro angolano, Marcolino Moco, que vestiu com grande maestria a falsa farda de crítico da liderança de José Eduardo dos Santos, admite que tem mantido conversas com vista a uma aproximação ao cabeça-de-lista do MPLA, João Lourenço, às eleições de quarta-feira, mas sem passar cheques em branco. Alguém acredita? Por Orlando Castro (*) A posição foi assumida hoje, em entrevista exclusiva à agência Lusa, por Marcolino Moco, militante do MPLA, partido no poder em Angola desde 1975 e pelo qual assumiu o cargo de primeiro-ministro entre 1992 e 1996,…

Leia mais

Manipulação e sacanice
dos acólitos do regime

Parte das declarações que Marcolino Moco prestou à TV Zimbo, e que a TPA potenciou por todos os meios, colocou-o no epicentro da política angolana. O MPLA pôs os decibéis da propaganda no máximo pelo suposto, mas falso, regresso do filho pródigo ao seu seio, passando-o de besta a bestial. Os angolanos, esses ficaram como um tolo no meio da ponte, temendo que afinal não exista ponte. Por Norberto Hossi “D e tão bem me conhecer, o Folha 8 sabe que eu não faria uma inflexão deste teor. Tratou-se de…

Leia mais

“Cair como um patinho”

Numa dessas manhãs, concentrado sobre as teclas do meu lap top, para escrever alguma coisa, o telemóvel vibra e do outro lado me chamam de Domingos Florentino, meu heterónimo como autor de alguma poesia e ficção. Anunciam-me um convite para levantar na União dos Escritores Angolanos, associação de que sou membro, desde os anos 90 do outro século. Era para me juntar, no dia seguinte, aos outros homens de cultura e artes, sem cores partidárias, para ouvir uma palestra do candidato João Lourenço, sobre o programa do MPLA para esse…

Leia mais

Um mortífero murro no estômago do nosso Povo

VEJA O VÍDEO. Em 2011 Marcolino Moco revelou que o seu partido, o MPLA, o ameaçou de morte. Ou, melhor, que lhe poderia acontecer o mesmo que aconteceu a Jonas Savimbi. Porque as palavras (algumas) voam mas os escritos são eternos, recordemos a carta que Marcolino Moco escreveu no dia 29 de Novembro de 2009 ao seu camarada Dino Matross. https://www.youtube.com/watch?v=ttF0KPX-Ic8 Por Orlando Castro “A pós consulta à minha família nuclear e alargada, que me deu todo o apoio, e até me surpreendeu, ao declarar que eu nem devia ter…

Leia mais

Futuro será futuro ou
o passado no presente?

Dezenas de pessoas reuniram-se esta quarta-feira, em Lisboa, para discutir o futuro de Angola. Vários participantes consideram que as eleições de Agosto podem ser “um momento de viragem” para o país. Por João Carlos (*) O encontro, promovido pelas associações não-governamentais Frente Cívica e Transparência e Integridade e pelo jornal angolano Folha 8, contou com a participação de Marcolino Moco, ex-primeiro-ministro de Angola, José Marcos Mavungo, economista, filósofo e activista dos Direitos Humanos, e Sedrick de Carvalho, jornalista e activista político do grupo dos 15+2. A iniciativa, que decorreu sob…

Leia mais

A luta… continua

VEJA O VÍDEO. As associações Frente Cívica e Transparência e Integridade e o jornal Folha 8 organizaram ontem, em Lisboa, o debate “Angola, Que Futuro?”. Uma sala cheia com intervenientes atentos e activos mostrou que, afinal, os angolanos querem que, ao fim de 42 anos, Angola seja aquilo que nunca foi – uma democracia e um Estado de Direito. A apresentação em Portugal, pelo presidente da Frente Cívica, Paulo Morais, do livro “Cartilha do Delegado de Lista”, de William Tonet, foi o aperitivo para que Marcolino Moco, José Marcos Mavungo…

Leia mais

A verdade não prescreve

Marcolino Moco, antigo secretário-geral do MPLA e ex-Primeiro-Ministro de Angola, revelou em 2011 que o seu partido, o MPLA, o ameaçou de morte. Ou, melhor, que lhe poderia acontecer o mesmo que aconteceu a Jonas Savimbi. Nesta altura, sobretudo porque a memória dos homens do regime anda quase ao nível da dos mabecos, é aconselhável reler uma carta que Marcolino Moco escreveu no dia 29 de Novembro de 2009 ao seu camarada Dino Matross. Ei-la na íntegra: “Após consulta à minha família nuclear e alargada, que me deu todo o…

Leia mais

Moco pelo Povo
JES contra o Povo

O Folha 8, assumindo – como sempre – de corpo e alma a sua função histórica (desde 1995 damos voz a quem a não tem – os Angolanos) e génese de jornal independente e livre, escolheu as duas figuras que, em Angola, se destacaram em 2016 pela positiva e pela negativa. Marcolino Moco é a figura do ano pela positiva e José Eduardo dos Santos pela negativa. Neste balanço, ao contrário de outros que nunca erram, o Folha 8 sabe que ainda não conseguiu levar a Carta a Garcia. Mas,…

Leia mais