“Folha 8 é um cântico à liberdade de imprensa”

O Folha 8 existe desde 1995. Se lhe pedíssemos, caro leitor, um depoimento sobre o nosso trabalho, o que nos diria? Foi essa pergunta que foi colocada a algumas personalidades do universo lusófono. Hoje publicamos a opinião de Eugénio Costa Almeida, Investigador do Centro de Estudos Internacionais do ISCTE-IUL(CEI-IUL) e do CINAMIL, e investigação para Pós-Doutorado pela Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Agostinho Neto. Por Eugénio Costa Almeida «O Jornal Folha 8 está, uma vez mais e para satisfação de todos os que o lêem – seja em papel,…

Leia mais

Livro para ler e (também) reler

Decorreu na sede da UCCLA – União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa, o lançamento do livro “Favos de Mel – Salalé três três – Os Reis do Kongo-Angola”, da escritora angolana Kiesse/Olo, apresentado por Eugénio Costa Almeida, investigador do ISCTE-IUL. Aobra agora dada à estampa com o título “Os Reis do Kongo-Angola”, evoca a cultura e os costumes dos povos de Angola, bem como a actual realidade política daquele país. A receita obtida com a venda do livro vai reverter para o desenvolvimento de projectos nas áreas da saúde…

Leia mais

“Abandonar a política activa não significa abandonar a presidência”

Eugénio Costa Almeida, investigador angolano-português, alerta que o tempo até à eventual saída do Presidente de Angola (no poder desde 1979 sem nunca ter sido nominalmente eleito), José Eduardo dos Santos, da política activa, hoje anunciada para 2018, poderá não chegar para preparar um sucessor, com riscos para a estabilidade. Por Orlando Castro Eugénio Costa Almeida, investigador do Centro de Estudos Internacionais do ISCTE-IUL, falava à Lusa após o anúncio de que o Presidente de Angola deixará a vida política activa em 2018, ano em que completará 76 anos. Em…

Leia mais

O caso Kalupeteka

Por norma não gosto de analisar e comentar certas informações de sensível melindre a seco e em cima do acontecimento de modo a que possa evitar análises a quente, que,, por vezes, se tornam contraproducentes e inconvenientes, o que limita a credibilidade de quem as faz. Por Eugénio Costa Almeida E ssa foi uma das razões por, até agora, me ter abstido de analisar e comentar o problema político-militar ocorrido em São Pedro de Sumé (ou monte Sumi), província do Huambo, em Abril passado, que terá colocado frente-a-frente um representante…

Leia mais

Foi há 39 anos!

Foi há 39 anos! - Folha 8

Há 39 anos convivia num grande ndongo ondulante, o mar de São Tomé tornava a vista realçada a rádio BBC convertia-se na voz da revelação o Retorno mostrava a coibida saciada ambição. Em Portugal menos de um ano estive; transviado, descontente, desarvorado e desambientado xingando vivia. Menor, aos progenitores obedecia sempre com a alma algures perdida nas cálidas paisagens flutuando lá longe onde sol mais supliciava, pois sabia que era lá que o meu desígnio estava. A 19 de Abril, o Tejo o navio viu abalar, as imbambas no bojo…

Leia mais

Eduardo dos Santos “não tem sucessor à altura”

O Presidente de Angola não tem sucessores à altura, está há demasiado tempo no poder e a eleição para a Presidência devia ser feita por voto secreto e universal, defende o investigador luso-angolano Eugénio Costa Almeida. Em declarações a propósito dos 35 anos de José Eduardo dos Santos à frente da Presidência da República de Angola, o investigador do Centro de Estudos Internacionais do Instituto Universitário de Lisboa, do ISCTE, considera que “alguns dirão que o segredo da longa permanência é o enorme carisma e competência de Eduardo dos Santos,…

Leia mais