Não sou caracol! Não “combato” a individualidade

PONTO PRÉVIO: “Entre o Carlos Alberto (a atacar o líder da UNITA/ACJ) e o William Tonet (a fazer o mesmo com JLo/MPLA), resta apurar quem é que está a desgastar mais a imagem da liderança atacada na praça pública pelos dois comunicadores. A disputa está aberta. Que vença o melhor. É a natureza a tentar reequilibrar-se. Eu se fosse o ACJ nem me queixava mais. O WT parece estar claramente na dianteira (By Reginaldo Silva). Por William Tonet A amizade é um conceito sagrado, de tal monta que um verdadeiro…

Leia mais

No MPLA não há PPE

Falemos de Pessoas Politicamente Expostas (PPE) como se Angola fosse (não é o caso) um Estado de Direito Democrático. Isto porque, com acentuado vigor nos últimos tempos, não há por cá PPE, o que coloca todos os dirigentes acima (muito acima) dos cidadãos e, por isso, pertencem a uma casta intocável que apenas pode ser venerada. Em abstracto, a Constituição consagra a liberdade de expressão e informação e a liberdade de imprensa como direitos fundamentais, não podendo o exercício destes direitos ser impedido, ou limitado, por qualquer tipo ou forma…

Leia mais

Um olhar, olhando, sem ódio

É recorrente, ao final de cada texto, ser alvo do legítimo escrutínio de gregos e troianos (e até de outros), sobre a valência e oportunidade do mesmo, no actual contexto de crise económica, financeira, de Covid-19 e social. Oiço, cada observação, aceitando de forma pacífica e prazerosa este farfalho cúmplice da democracia, calcinada, convictamente, em mim. Por William Tonet O unanimismo é pernicioso, nas sociedades plurais, mas ainda assim, deve ser escutado, mesmo que se assemelhe às águas putrefactas, de qualquer irresponsável pântano de esquina, responsável pela “produção” de mosquitos,…

Leia mais

A metamorfose

Quando uma pessoa ou país chegam a meio da sua quarta (quarta não, quinta pois a primeira foi dos zero aos nove anos) década de vida, tem necessariamente que reflectir. Tenho eu, que tenho 45 anos, e tem Angola mais nova um ano. Mas como Angola “per si” (preferiria o itálico às aspas mas o livro de estilo do F8 assim determina) não se pode pronunciar eu – que não passo de um mero forasteiro pedante que jamais pôs os pés na África negra – taramelo pelos dois. Por Brandão…

Leia mais

Joãozinho falou e disse…

Numa aldeia do Huambo, uma professora do ensino primário explicava aos alunos a importância das medidas anunciadas pelo Presidente do MPLA para combater esse grande mal da nossa sociedade e que se chama corrupção, aquilatando assim da simpatia popular do líder do MPLA. A professora Luísa pediu que levantassem a mão todos aqueles que gostavam do Presidente do MPLA. Como esperado, todos os alunos, depois de olharem uns para os outros (até porque na sala estava também um senhor fardado a quem chamaram general) levantaram a mão, excepto um menino…

Leia mais

Direito de Resposta do MPLA

Recebemos do Departamento de Informação e Propaganda do Comité Central do MPLA a “Nota de Repúdio ao Jornal Folha 8 on line” que a seguir se transcreve “ipsis verbis”, juntando no final a nossa visão sobre o assunto. «O Departamento de Informação e Propaganda do Bureau Político do MPLA, vem por meio desta nota oficial, repudiar a forma pouco cordata e de flagrante falta de ética jornalística constante no titulo do artigo de opinião veiculado pelo jornal folha 8, no dia 17 de Março de 2019, com o titulo “Luísa…

Leia mais

O Mendes, o David, contra o português, o Golias

Tenho verificado nos últimos meses que em Angola cada vez mais se pronuncia o “a” sobretudo na condição de artigo definido feminino, como “Á” e que não raras vezes é grafado como: “à”, “á” ou “há” e até “ah” no lamaçal das redes sociais, que parecendo que não, podem ser uma plataforma bem mais interessante do que o que possa parecer. No fundo algo como um tubo de ensaio e barómetro sócio-cultural. Por Brandão de Pinho Todavia se a oralidade é uma coisa, a escrita é algo de muito diferente…

Leia mais

“Se eu te pegar tu morre desgraçado”

Caras feministas, cordiais saudações. Escrevo esta Nota de Repúdio sobre a maneira em que está a ser feita a censura pública contra o jovem activista cívico angolano, Manuel Chivonde Baptista Nito Alves. Por Pedrowski Teca Vejo com bastante preocupação, pessoas que se afirmam Defensoras de Direitos Humanos, sobre tudo as que supostamente lutam contra práticas que visam diminuir ou degradar a dignidade das Mulheres, optem imediatamente pelo extremismo na resolução de conflitos, ignorando as regras basilares do diálogo e repúdio em fóruns próprios, principalmente quando as partes envolvidas são amigas,…

Leia mais

António Guterres na ONU
– Para pior já basta assim

António Guterres, ex-primeiro-ministro de Portugal e Alto Comissário da ONU para os refugiados, é o próximo Secretário-Geral das Nações Unidas. Embora não seja um político polémico, os seus elogios ao regime angolano geraram polémica. Só na recta final é que Angola oficializou o seu apoio. O Folha 8 solicitou, neste contexto, a algumas proeminentes figuras da nossa sociedade, que respondessem às seguintes questões: 1 – Como avalia os rasgados elogios que António Guterres fez ao regime angolano de José Eduardo dos Santos para obter o seu apoio na escolha para…

Leia mais

O militante-cidadão

Infelizmente, ainda não temos cidadãos no país. O que temos são militantes que só depois pensam em ser cidadãos, mas daí não passam”, disse alguém quando debatíamos sobre o exercício da cidadania em Angola. Por Sedrick de Carvalho Não subscrevo o absolutismo da afirmação acima, mas carrega parte da verdade. A nota acima exposta surgiu logo após termos – um grupo de seis jovens – avançando que é difícil exercermos a cidadania despidos das cores partidárias. O partido, não importa qual seja, está sempre em primeiro lugar. É comum vermos…

Leia mais