Televisão de S. Tomé sem meios para cobrir campanha eleitoral

Televisão de S. Tomé sem meios para cobrir campanha eleitoral TVS

A Televisão Pública de São Tomé e Príncipe (TVS) não tem meios técnicos e financeiros para fazer a cobertura da campanha eleitoral das eleições do próximo dia 12, disse hoje à Lusa o director-geral da estação, Juvenal Rodrigues. Segundo o responsável, “devido aos condicionalismos internos, que são a falta de equipamento e de meios financeiros”, a TVS “não tem possibilidade de fazer a cobertura da campanha de forma isenta e independente”, tal como está previsto na lei. Perante a impossibilidade de ter meios técnicos disponíveis para acompanhar as acções de…

Leia mais

Normalidade à vista em São Tomé?

O investigador Armindo do Espírito Santo defendeu hoje que as eleições legislativas em São Tomé e Príncipe, no próximo dia 12, devem permitir “retomar um caminho de normalidade” depois de ter sido “interrompido um processo em curso”. “Havia um processo em curso que foi interrompido, não me interessa de quem é a culpa, se houve culpados ou não, isso para mim é irrelevante. Havia um processo que estava em curso e que foi interrompido por uma razão”, disse à Lusa o historiador e economista, ligado ao Instituto Superior de Ciências do Trabalho e…

Leia mais

O regresso de Trovada e Fradique

As eleições legislativas de São Tomé e Príncipe, no dia 12, são marcadas pelo regresso do primeiro-ministro deposto, Patrice Trovoada, enquanto os partidos que, na oposição, se uniram para derrubar o seu governo avançam agora sozinhos. Doze partidos participam na corrida eleitoral, que permitirá escolher os deputados que ocuparão os 55 lugares na Assembleia Nacional, após a deposição, em 2012, do governo de Patrice Trovoada, eleito dois anos antes. Os três partidos da oposição na Assembleia Nacional uniram-se para aprovar a moção de censura que faria cair o governo de Patrice Trovoada (Acção…

Leia mais

100 milhões de dólares em droga

Um navio de carga com bandeira são-tomense que transportava mais de cem milhões de dólares em droga foi apresado há cerca de três semanas pela marinha dos EUA, revelou hoje uma fonte governamental são-tomense. Segundo a mesma fonte, o navio de nome Borocho, capturado nas águas da América Central, continha muita droga, cujo valor ronda mais de 100 milhões de dólares”, além de outras mercadorias ilegais. A embarcação estava matriculada sob o número 003651 nas águas da América Central. Num comunicado do Conselho de Ministro distribuído esta semana indica-se que “o  Governo foi…

Leia mais

São Tomé: ADI anuncia regresso de Patrice Trovoada

A Acção Democrática Independente (ADI), principal partido da oposição em São Tomé e Príncipe, anunciou num comício eleitoral que o seu líder e ex-primeiro-ministro Patrice Trovoada regressa ao país dia 03 de Outubro. No primeiro dia de campanha eleitoral para as eleições legislativas, autárquicas e regionais de 12 de Outubro, apenas três partidos realizaram comícios – Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe — Partido Social Democrata (MLSTP-PSD), ADI e Movimento Democrático das Forças da Mudança-Partido Liberal (MDFM-PL) -, sem qualquer incidente, apesar da tensão entre as direcções partidárias.…

Leia mais

Eleições legislativas, autárquicas e regional em São Tomé

As campanhas eleitorais para as eleições legislativas, autárquicas e regional em São Tomé e Príncipe, marcadas para 12 de Outubro, arrancam às 00:00 de sábado com 12 partidos a concorrer para a formação do próximo Governo. O Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe (MLSTP-PSD), Acção Democrática Independente (ADI), Partido da Convergência Democrática (PCD) e o Movimento Democrático Força da Mudança – Partido Liberal (MDFM-PL) afiguram-se como os principais na corrida. Duas novas formações políticas, o Partido de Estabilidade e Progresso Social (PEPS) do antigo primeiro-ministro e dissidente do MLSTP-PSD, Rafael Branco, e…

Leia mais

Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe impedidos de votar na ONU

Cinco países, entre os quais a Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe, estão impedidos de votar na 69ª sessão anual da Assembleia-Geral da ONU por terem contribuições financeiras em atraso. Os outros são Somália, República Centro-Africana e Comores. “Nos termos do Artigo 19 da Carta, um estado-membro com atrasos no pagamento das suas obrigações num montante igual ou superior às contribuições dos dois anos anteriores pode perder o seu direito de voto na Assembleia-Geral”, lê-se artigo 19 da Carta das Nações Unidas. Embora o mesmo texto preveja uma excepção (“Poderá…

Leia mais