O perfume podre da demagogia

Agora o jornal da Angola do MPLA e os outros órgãos de informação oficial ao serviço do MPLA já se preocupam com a avaliação negativa do jornalismo que praticam mas insistem em repetir, teimosamente, os erros do passado, perfumando-os com muita demagogia para tentarem ludibriar o público que pretendem ser o seu alvo principal na manipulação de mentalidades? Por Domingos Kambunji Q ual é a admiração? Estes moços de recados ao serviço do governo do MPLA são comandados pelas ordens superiores de João Melo, o Ministro que foi muito obediente…

Leia mais

Vender o que foi… doado

As autoridades anticorrupção da Namíbia estão a investigar um acordo de doação de quotas de pesca da Namíbia a Angola no valor de 9 milhões de euros, alegadamente capturadas por políticos namibianos e (como não poderia deixar de ser para honrar o ADN de quem manda no nosso país) angolanos. Vários políticos e respectivos amigos, parentes e parceiros comerciais têm vindo a revender quotas de pesca originalmente doadas pela Namíbia a Angola em 2014 a empresas internacionais a preços de mercado, de acordo com uma investigação da Comissão Anticorrupção da…

Leia mais

E se alguém puxa o gatilho?

A tese de João Lourenço passou agora a ser de “o Governo precisa de mais tempo”. Os 44 anos que o MPLA leva de governo não chegaram. O Presidente acredita, diz, que o tempo será uma solução para os problemas. Tem razão, desde logo porque para ser um problema (enorme) para a solução basta ele próprio e o seu partido. Por Orlando Castro Assim, vai ensaiando todo uma irracional enciclopédia de soluções, qual delas a mais irracional. Vejamos um exemplo. Tal como aqui se escreveu no dia 3 de Novembro…

Leia mais

Burrocracia económica é crime contra angolanos!

O angolano acorda a cada dia que passa mais triste. Triste por o sol da manhã, não brilhar, nem na janela, dos que a têm… Triste por não saber contar as estrelas (que lhe disseram ser do Povo) à volta dos cometas. E, nesta maré, emerge a desolação, por nem o poder da Lua Minguante se poder conjugar, hoje. Por William Tonet O desespero invade o âmago do autóctone, quando ainda ontem, a maioria, além da maioria bajulante, acreditava numa transição presidencial capaz de capitalizar o melhor e o pior…

Leia mais

Quem tem tomates?

O ex-Presidente de Angola (igualmente ex-Titular do Poder Executivo e ex-Presidente do MPLA), José Eduardo dos Santos foi citado por dois dos seus antigos colaboradores como tendo autorizado o desvio dos fundos do Conselho Nacional de Carregadores (CNC) para beneficiar empresas particulares. João Lourenço começa a ver nas costas de Dos Santos as suas. Por Orlando Castro É, como assinala a VoA, a primeira vez que o antigo Chefe de Estado é publicamente implicado em casos de corrupção durante o seu consulado de 38 anos. Talvez por isso fosse útil…

Leia mais

Na rua (sem saída) da amargura desde 1975

O país anda às pantanas. Não é birra. É constatação. As portas das fábricas fecham, todos dias, até em Luanda, sede do Palácio Presidencial e, no resto do país, nem se imaginam as teias onde garbosamente as aranhas, desfilam por entre a ferrugem das maquinarias, antes imponentes, senhoras do desenvolvimento. Por William Tonet As empresas de serviços e não só, impotentes por lhes faltar tesão de resistência a ausência de pragmatismo económico do executivo, que se turva entre a constitucionalidade abjecta que exalta o ego individual, em detrimento de uma…

Leia mais

As moscas são mesmo mais simpáticas? São, sim senhor!

Sem ouvir, como é obrigatório pelas leis do partido que (des)governa Angola desde 1975, o Departamento de Informação e Propaganda (DIP) do MPLA, o jornal Financial Times questiona se João Lourenço conseguirá curar Angola do “capitalismo de compadrio” que, aliás, constitui o ADN da seita. Para facilitar a análise do DIP (cujos membros têm muitas vezes de se descalçar para contarem até 12), explicamos o significado de “seita”: Grupo organizado que tem ideias ou causas em comum = a bando, partido. O Financial Times dedica esta terça-feira um extenso artigo…

Leia mais

Entre “chantagem política”
e “subsídios à cleptocracia”

O Estado angolano diz estar a ser vítima de “chantagem política” por parte de uma empresa privada norte-americana, a África Growth Corporation (AFGC), na sequência de um negócio malsucedido com uma empresa angolana, também privada. Por sua vez a AFGC diz por esse mundo fora que os organismos internacionais não devem “subsidiar a cleptocracia” angolana. Em conferência de imprensa realizada hoje, o ministro da Justiça e dos Direitos Humanos de Angola, Francisco Queiroz, afirmou ainda que o Governo angolano está a ser vítima de um ataque à sua “reputação e…

Leia mais

Angosat 1 falhou. 2 está em fabrico. 3 já tem contrato!

Crise? Onde? Em Angola não é, com certeza. João Lourenço já a exonerou. A comprová-lo está o facto de o Presidente já ter aprovado o contrato comercial de construção, lançamento e colocação em órbita do satélite de observação da terra, o Angosat-3, segundo um despacho presidencial publicado no Diário da República. No despacho 62/19, datado de 8 de Maio, João Lourenço autoriza o Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação a assinar o contrato, bem como a tratar de “toda a documentação relacionada com o projecto em nome e em…

Leia mais

Reflexões de um ango-pula

É claro que eu assumo que fiz parte de uma minoria de privilegiados que beneficiava de um alto padrão de vida na Angola Colonial. Digo isto logo de princípio para que não pensem que me vou esconder atrás de um discurso revolucionário, de alguém que lutou contra um regime que durante cinco séculos dominou Angola. Sou um filho da situação de privilégios para alguns poucos e de graves dificuldades para muitos. Por Carlos Pinho (*) À data do 25 de Abril de 1974 eu tinha 20 anos e embora tivesse…

Leia mais