Esburacar o… buraco

A analista da Capital Economics, Virág Fórizs, que segue a economia angolana considera que apesar das tentativas do Governo (o mesmo desde há 45 anos) para reduzir a dependência económica do sector petrolífero “é difícil ver como Angola vai conseguir sair do buraco”. A questão é que o MPLA em vez de tentar sair… aposta tudo em tornar o buraco ainda mais fundo. “O s preços baixos do petróleo vão não apenas impedir os cofres do Governo de se encherem, o fluxo de investimentos estrangeiros pode também secar, já houve…

Leia mais

Petróleo traidor é comida dos nossos marimbondos?

O ministro das Finanças de Angola, Archer Mangueira, mostrou-se hoje preocupado com a forte queda do preço do barril de crude no mercado internacional, receita essencial para o Orçamento Geral do Estado (OGE) angolano. Só na última semana, a referência europeia do petróleo, o Brent, recuou 7,10%, para os 58,08 dólares (uma queda de 4,44 dólares) por barril, atingindo hoje a cotação mais baixa desde Outubro de 2017. “Nós internamente já estamos a trabalhar sobre vários cenários e também temos estado a acompanhar o mercado. Vamos ver como é que…

Leia mais

De buraco em buraco até
(é claro) à cratera final!

O Banco de Poupança e Crédito (BPC) de Angola referiu hoje que vai manter a política de encerramento de balcões e de despedimento de funcionários, no quadro da reestruturação e do saneamento da instituição. A indicação foi avançada pelo presidente do Conselho de Administração do BPC, Alcides Safeca, no Lubango, capital da província da Huíla, à margem do lançamento de uma linha de financiamento apoiada pelo Banco Africano de Desenvolvimento (BAD). “Vai haver, sim, o despedimento de pessoal”, declarou Alcides Safeca, lembrando que o processo de reestruturação e saneamento tem…

Leia mais

Cratera financeira ameaça
o maior banco do país (BPC)

O BPC, o maior banco angolano, totalmente detido pelo Estado, fechou 2017 com um buraco de 5.200 milhões de dólares (4.300 milhões de euros), essencialmente devido ao crédito malparado, o segundo pior registo da história da banca em Angola. Os dados constam do prospecto da emissão de “eurobonds” de 3.000 milhões de dólares (2.500 milhões de euros), a 10 e 30 anos e com juros acima dos 8,2% ao ano – concretizada pelo Estado angolano este mês -, que foi enviado aos investidores. No documento de mais de 200 páginas…

Leia mais