Comparsas unidos à volta do memorial

O Memorial António Agostinho Neto tem um novo estatuto orgânico, aprovado no passado dia 7, pelo do Conselho de Ministros, durante a nona sessão ordinária orientada pelo Presidente da República, João Lourenço. O maior assassino da história de Angola independente, e único herói nacional por imposição do MPLA, continua a ser idolatrado pelos seus comparsas. Como nota introdutória esclareça-se desde já a Fundação Agostinho Neto, o Bureau Político do MPLA e todas as outras suas sucursais (DIP, ERCA, Tribunal Constitucional etc.) que comparsa significa pessoa que tomou parte moral ou…

Leia mais

E se o Povo acorda?

O Bureau Político do MPLA exortou hoje os angolanos a honrarem a “memória dos Heróis da Liberdade”, defendendo a paz, democracia e reconciliação nacional, encorajando o líder do partido e Presidente de Angola a prosseguir com as suas políticas. O comunicado do MPLA que assinala o Dia do Herói Nacional, feriado angolano que comemora o dia do nascimento de Agostinho Neto, primeiro Presidente após a independência de Angola, responsável pelos assassinatos de milhares e milhares de angolanos nos massacres de 27 de Maio de 1977, sublinha que o pensamento político-estratégico…

Leia mais

MPLA homenageia, em Menongue, o maior assassino angolano

De acordo com o órgão oficial do MPLA, Jornal de Angola (JA), a cidade de Menongue, província do Cuando Cubango, acolhe o acto central das festividades do 99º aniversário do nascimento do primeiro Presidente de Angola, António Agostinho Neto e o 42º da sua morte, ocorrida a 10 de Setembro de 1979, em Moscovo, antiga União das Repúblicas Socialista Soviética (URSS). O Folha 8 “junta-se” à homenagem… Por Orlando Castro Continuemos a citar a correia de transmissão do MPLA, JA: «O Governo provincial realiza, de 12 a 16 deste mês,…

Leia mais

E os culpados? E o chefe dos massacres?

A Plataforma 27 de Maio saudou hoje o pedido de desculpas apresentado pelo Presidente angolano, João Lourenço, sobre os massacres de milhares e milhares de angolanos no 27 de Maio de 1977, mas considera indispensável que se apure a autoria dos crimes cometidos. Apure? A não ser que tenha recebido “ordens superiores” a Plataforma deveria ter dado o exemplo sobre o autor: Agostinho Neto. Na versão oficial, que a Agência de Notícias de Portugal, Lusa, não se cansa de divulgar, “em causa está o dia 27 de Maio de 1977,…

Leia mais

Assassino continuará intocável

O Governo angolano, há 45 anos no Poder e formado pelo MPLA, prevê entregar, esta semana, às primeiras famílias, os restos mortais de pessoas que morreram durante os conflitos políticos registado no país entre 1975 e 2002, informou hoje o coordenador do processo. A informação foi avançada pelo coordenador da Comissão de Reconciliação em Memória das Vítimas de Conflitos Políticos (Civicop), o ministro Francisco Queiroz, após uma visita à base central da Comissão de Averiguação e Certificação de Óbitos das Vítimas dos Conflitos Políticos (Cavicoip), localizada no Pavilhão Multiusos do…

Leia mais

Um assassino que é herói… do MPLA

O Governo angolano (há 45 anos formado pelo MPLA) vai realizar pela primeira vez, em 44 anos, para assinalar o 27 de Maio de 1977, que segundo o regime foi uma tentativa de golpe de Estado, mas que de facto foi o massacre de milhares e milhares de angolanos (do MPLA) por ordem do assassino Agostinho Neto, que o MPLA considera o seu eterno e venerado herói. Por Orlando Castro (*) Segundo o programa de Homenagem às Vítimas dos Conflitos Políticos, estão previstos dois momentos no dia 27 de Maio,…

Leia mais

Premiar escritores… assassinos

O escritor angolano Pepetela (Artur Carlos Maurício Pestana dos Santos) considerou hoje que Presidente de Angola, João Lourenço, deve vencer as próximas eleições, mas com margem reduzida sobre a oposição, considerando que Abel Chivukuvuku “é um bom candidato” e uma ameaça. Se alguém que fez parte da máquina assassina que engendrou o genocídio de 80 mil angolanos, nos massacres de 27 de Maio de 1977, ordenado pelo herói nacional do MPLA, Agostinho Neto, o diz… Em entrevista à Lusa em Lisboa, o escritor (que pertenceu a uma Comissão do MPLA…

Leia mais

Aponta onde fica a ponta

No dia 24 de Junho de 2020, o MPLA repudiou, com veemência, o jornal “Folha 8”, pela publicação de um texto (apenas na sua página do Facebook) em que – segundo o partido dirigido por João Lourenço – associou o então Presidente de Angola, António Agostinho Neto, às figuras consideradas defensoras da escravatura. O pequeno texto que o Folha 8 publicou diz: “Vários países estão a retirar dos espaços públicos as estátuas de assassinos, ditadores e defensores da escravatura. Em Angola está a demorar muito para que isso aconteça”. Das…

Leia mais

Aprofundar na estrumeira

A vice-presidente do MPLA, Luísa Damião, a que dá carinho e solidariedade aos familiares das zungueiras que a polícia do MPLA mata, exortou os académicos a aprofundar os estudos sobre a dimensão histórica, cultural e política de Agostinho Neto. Por Domingos Kambunji Os académicos “importaram imediatamente, da China, um tractor com uma pá escavadora” para aprofundar esses estudos. Quando começaram a retirar a poeira, que se acumulou durante os últimos 45 anos, espalhou-se na atmosfera um cheiro nauseabundo proveniente desse aprofundamento. Na camada mais superficial, a da dimensão histórica de…

Leia mais

O que faz sentido é homenagear os assassinos

A Plataforma 27 de Maio lembrou hoje a necessidade de resgatar a memória dos massacres (que vitimaram milhares e milhares de angolanos) levados a cabo pelo MPLA sob as ordens de Agostinho Neto em Maio de 1977, data que marca uma suposta tentativa de golpe de Estado em Angola, e de procurar “a verdade, justiça e reconciliação”. O comunicado da Plataforma 27 de Maio refere que a posição é emitida por hoje se assinalar o Dia Internacional das Vítimas de Desaparecimentos Forçados, declarado pelas Nações Unidas, com o objectivo de…

Leia mais